maio 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A batalha pela arma eletrônica mais poderosa do mundo

A batalha pela arma eletrônica mais poderosa do mundo

O exemplo do México revelou tanto a promessa quanto os riscos de trabalhar com o INE. Em 2017, pesquisadores do Citizen Lab, um grupo de monitoramento com sede na Universidade de Toronto, relataram que as autoridades no México usaram o Pegasus para invadir as contas de defensores do imposto sobre refrigerantes, como Parte de uma campanha mais ampla direcionada a ativistas de direitos humanos, movimentos de oposição política e jornalistas. O mais perturbador, porém, é que parece que alguém no governo usou o Pegasus para espionar advogados que trabalhavam para decifrar o massacre de 43 estudantes em Iguala em 2014. Thomas Zerón de Lucio, chefe do equivalente mexicano do FBI, foi o autor principal de uma novela O governo federal do evento, que concluiu que os alunos foram assassinados por uma quadrilha local. Mas em 2016, ele próprio se tornou objeto de uma investigação, por suspeita de ocultar envolvimento federal em eventos lá. Agora parece que ele pode ter usado Pegasus nesse esforço – um de seus deveres oficiais era aprovar a compra de armas cibernéticas e outros equipamentos. Em março de 2019, logo após Andres Manuel López Obrador substituir Peña Nieto após uma eleição esmagadora, os investigadores acusaram Zeron de envolvimento em tortura, sequestro e adulteração de evidências relacionadas ao massacre de Iguala. Zeron fugiu para o Canadá e depois para Israelonde entrou no país como turista e onde – apesar de um pedido de extradição do México, que agora o procura sob acusações adicionais de peculato – permanece até hoje.

Frequência americana Compartilhar inteligência estava criando outras oportunidades para a NSO e para Israel. Em agosto de 2009, o novo presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, que havia iniciado sua campanha presidencial com base em promessas de “erradicar a corrupção política”, tentou persuadir diplomatas americanos no país a fornecer equipamentos de vigilância para espionar “ameaças à segurança, bem como adversários políticos ” de acordo com um cabo do Departamento de Estado publicado pelo WikiLeaks. O vice-chefe da missão respondeu que os Estados Unidos “não participarão de nenhum esforço para expandir as escutas telefônicas de objetivos políticos domésticos”.

READ  O Programa Mundial de Alimentos afirma que a pandemia do coronavírus exacerbou a fome em todo o mundo

Martinelli tentou uma abordagem diferente. No início de 2010, o Panamá era um dos seis países da Assembleia Geral das Nações Unidas que apoiavam Israel contra uma resolução para manter na agenda internacional o relatório da Comissão Goldstone sobre crimes de guerra cometidos durante a ofensiva israelense de 2008-2009 em Gaza. Uma semana depois da votação, Martinelli desembarcou em Tel Aviv em uma de suas primeiras viagens fora da América Latina. Ele disse ao presidente de Israel, Shimon Peres, que o Panamá sempre estaria ao lado de Israel, em apreciação por sua “guarda da capital mundial – Jerusalém”. Ele disse que ele e sua comitiva de ministros, empresários e líderes da comunidade judaica vieram a Israel para aprender. “Percorremos um longo caminho, mas estamos muito próximos por causa do coração judaico do Panamá”, disse ele.

A portas fechadas, Martinelli aproveitou sua viagem para fazer compras para observação. Em uma reunião privada com Netanyahu, os dois homens discutiram os equipamentos militares e de inteligência que Martinelli queria comprar de vendedores israelenses. De acordo com uma das pessoas que participaram da reunião, Martinelli estava particularmente interessado em poder hackear o serviço de texto BBM da BlackBerry, que era muito popular no Panamá na época.

Em dois anos, Israel pôde oferecer a ele uma das ferramentas mais avançadas até hoje. Depois de instalar os regulamentos da NSO na Cidade do Panamá em 2012, o governo Martinelli votou em Israel em várias ocasiões, inclusive se opondo a uma resolução da ONU para atualizar a delegação palestina – 138 países votaram a favor da resolução, com apenas Israel, Panamá e outros sete países opondo-se a isso.

READ  Mais de sessenta centímetros de chuva caíram na Itália em meio dia, algo que nunca havíamos visto na Europa antes

Segundo depoimento jurídico posterior de Ismail Betty, analista do Conselho de Segurança Nacional do Panamá, o equipamento foi usado em uma campanha em grande escala para “violar a privacidade de panamenhos e não panamenhos” – opositores políticos, juízes, líderes sindicais e concorrentes de negócios – todos “sem o devido processo”. Os promotores disseram mais tarde Martinelli até ordenou que a equipe que comandava a Pegasus hackeasse o telefone de seu amante. Tudo terminou em 2014, quando Martinelli foi substituído por seu vice, Juan Carlos Varela, que afirma ter sido alvo de espionagem de Martinelli. Os subordinados de Martinelli desmantelaram o sistema de espionagem e o ex-presidente fugiu do país. (Em novembro, os tribunais panamenhos o absolveram das acusações de escutas telefônicas.)

A NSO vem dobrando seu faturamento a cada ano – US$ 15 milhões, US$ 30 milhões, US$ 60 milhões. Esse crescimento chamou a atenção dos investidores. Em 2014, a Francisco Partners, uma empresa de investimento global com sede nos EUA, pagou US$ 130 milhões por uma participação de 70% na NSO e, em seguida, fundiu outra empresa israelense de armas eletrônicas, chamada Circles, em uma nova aquisição. Fundada por um ex-oficial sênior da AMAN, a Circles forneceu aos clientes acesso a uma brecha que lhes permitiu descobrir a localização de qualquer telefone celular no mundo – uma vulnerabilidade descoberta pela inteligência israelense há 10 anos. A empresa combinada pode oferecer mais serviços aos clientes do que nunca.