Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Crítica: Jessica Lange estrela Mother Play de Paula Vogel

Crítica: Jessica Lange estrela Mother Play de Paula Vogel

Os personagens provavelmente têm mais de 40 anos nos 105 minutos da peça. Outra atriz como Phyllis poderia ter feito mais para transmitir a devastação do tempo, mas Lange se concentra em sua ferocidade e charme sempre presentes. Ela é fortemente apoiada por Keenan Bolger, que imbui Martha, uma dramaturga como Vogel, de bondade e um dom para falar francamente, e por Parsons, um palhaço nato que é esperto o suficiente para mostrar a dor por trás do absurdo.

A colaboradora e diretora de longa data Tina Landau abraça esse absurdo, quase ao extremo. Durante uma mudança de cenário, as baratas nunca desaparecem de vista. Em vez disso, eles dançam uma versão jazzística de “La Cucaracha”. Há mais dança, quando Lange e Parsons queimam, querido, em dueto ao som de “Disco Inferno”.

Isso parece bobo demais para uma peça sobre morte e alienação? provavelmente. Mas a tolice sempre foi uma marca registrada do trabalho de Vogel e, pelo menos para mim, às vezes tem sido uma fonte de frustração. Quando li suas primeiras peças, pensei: você não pode estar falando sério? Mas Vogel, que adora piadas sujas, sabe que rir é uma forma de levar as coisas a sério. Às vezes a melhor maneira.

Comparada com “The Baltimore Waltz”, sua peça companheira óbvia, “Mother Play” é uma oferta mais silenciosa, suave e menos estrondosa. As facadas de Vogel foram amplamente curadas e o clima final é de compaixão e libertação. Quando se trata de Phyllis, Martha sabe o que o dramaturgo sabe: que você pode amar alguém sem perdoá-lo, e que o amor é melhor que as alternativas.

Cerca de trinta anos atrás, Vogel ele disse a um repórter“Gosto de teatro que me faz sentir que está curando.” Isso é o Mother Play, um bálsamo que vem em caixas de papelão e fita adesiva. Honra os mortos, trazendo-os de volta à vida e nutre os vivos, proporcionando um lugar para o amor e a raiva da filha crescerem. A caixa de Martha não é a caixa de Pandora. É apenas outra maneira de organizar a vida.

Brincadeira de mãe
Até 16 de junho no Helen Hayes Theatre, Manhattan; 2st.com. Duração do espetáculo: 1 hora e 45 minutos.