maio 19, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

Bucha foi morto para exigir mais punições; UE discute proibição de importação de gás russo

No que parece ser uma grande mudança de política, a Alemanha pediu conversas com a União Europeia sobre a imposição de uma proibição à importação de gás russo.

Foto Aliança | Foto Aliança | Imagens Getty

Líderes europeus pediram uma onda de sanções econômicas mais duras contra a Rússia em meio à devastação da cidade ucraniana de Bucha.

O ministro da Defesa alemão, Christian Lindner, disse que a União Europeia deveria discutir a proibição da importação de carregamentos de gás russos.

Isso parece representar uma grande mudança de política para a maior economia da Europa e ocorre à medida que a pressão se intensifica sobre os formuladores de políticas para isolar ainda mais o Kremlin no cenário mundial.

Até agora, Berlim resistiu aos pedidos de proibição das exportações russas de energia, citando a dependência da região do gás russo. A Rússia fornece cerca de 40% do suprimento de gás da Europa.

Separadamente, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, disse ao canal Rai 3 do país que os eventos em Boca levariam a uma nova onda de sanções, informou a Reuters, antes de acrescentar que em breve poderá haver um debate sobre a proibição da importação de combustíveis fósseis. .

– Sam Meredith

“Crime contra a humanidade”: Geórgia condena veementemente os assassinatos na cidade ucraniana de Bucha

O Ministério das Relações Exteriores da Geórgia condenou veementemente os assassinatos em Bucha, na Ucrânia, dizendo que eles foram “devastados por cenas de atrocidades brutais”.

“Todos os envolvidos nesses crimes de guerra devem assumir a responsabilidade”, disse o ministério no Twitter.

Separadamente, o presidente Salome Zurabishvili disse que o “massacre” em Bosha foi um “crime contra a humanidade”.

A Rússia reconheceu a independência das regiões separatistas da Ossétia do Sul e da Abkhazia depois de travar uma guerra com a Geórgia em 2008.

O país, que faz fronteira com a Rússia e fica na interseção da Europa e da Ásia, expressou repetidamente apoio ao povo da Ucrânia, mas se recusou a aderir a sanções econômicas destinadas a isolar o Kremlin.

– Sam Meredith

Rússia solicita reunião do Conselho de Segurança sobre provocações de ‘radicais ucranianos’ em Bucha

“À luz das provocações dos radicais ucranianos em Bucha, a Rússia solicitou uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas na segunda metade de segunda-feira, 4 de abril”, disse Dmitry Polyansky (acima) via Telegram. Agência TASS.

Agência Anadolu | Agência Anadolu | Imagens Getty

O vice-representante da Rússia no Conselho de Segurança das Nações Unidas solicitou uma reunião de emergência na segunda-feira, citando “as provocações dos radicais ucranianos em Bucha”.

Isso ocorre após a devastação em Bucha, uma cidade nos arredores de Kiev que foi libertada pelas forças ucranianas.

A Ucrânia acusou a Rússia de perpetrar o massacre de civis em Bucha, com líderes internacionais condenando as imagens de vídeo e fotos dos corpos e pedindo uma investigação independente.

A Rússia negou as alegações de que suas forças mataram civis em Bucha.

“À luz das provocações dos radicais ucranianos em Bucha, a Rússia solicitou uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas na segunda metade de segunda-feira, 4 de abril”, disse Dmitry Polyansky, segundo a agência de notícias oficial TASS. “Vamos desmascarar os agitadores ucranianos e seus patrocinadores ocidentais.”

READ  Primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, cancela planos de casamento devido ao aumento da Omicron

Polyansky não explicou a provocação dos ucranianos em Bucha, a cidade invadida pelas forças russas como parte de sua tentativa fracassada em direção a Kiev.

– Sam Meredith

O vice-primeiro-ministro da Ucrânia disse que corredores humanitários foram estabelecidos em Mangosh, Mariupol e Luhansk

A vice-primeira-ministra ucraniana, Irina Vereshuk, disse que corredores humanitários foram estabelecidos em Mangosh, Mariupol e Luhansk.

Vereshuk disse que um corredor foi montado na segunda-feira para transportar pessoas da cidade sitiada de Mariupol para Zaporizhia.

Enquanto isso, a Cruz Vermelha planeja continuar seu movimento de Mangosh para Mariupol, com sete ônibus a caminho, disse Vereshuk, enquanto as evacuações continuam na região de Luhansk.

– Sam Meredith

‘Beyond Blame’ e ‘Punch to the Gut’: o mundo reage às imagens da destruição de Buca

Soldados ucranianos inspecionam os destroços de uma coluna blindada russa destruída na estrada no subúrbio de Bucha, ao norte de Kiev.

fotos de soba | Foguete Leve | Imagens Getty

A Ucrânia acusou as forças russas de cometer um “massacre” na cidade de Bucha, enquanto líderes ocidentais responderam a fotos de corpos nos subúrbios de Kiev e pediram uma investigação independente.

A Rússia negou as acusações, descrevendo imagens de vídeo e fotografias dos corpos como “outra provocação” do governo ucraniano.

O chanceler alemão Olaf Schulz descreveu os assassinatos de Bucha como “aterrorizantes e assustadores”, enquanto a ministra das Relações Exteriores alemã Annallina Barbock chamou as imagens de “insuportáveis”.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse estar “profundamente chocado” com as imagens das mortes de civis em Bucha, e o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que foi como um “soco no estômago”.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, descreveu as atrocidades relatadas como “repreensíveis” e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse a repórteres que condena fortemente os ataques.

READ  Sim, a Cop26 poderia ter ido mais longe - mas ainda nos aproxima de um mundo de 1,5 ° C | James Shaw

– Sam Meredith

Reino Unido diz que forças russas reorientaram ofensiva no Donbass

Uma mulher interage antes de um trem deixar a cidade oriental de Kramatorsk, na região de Donbass, em 3 de abril de 2022.

Fadel Al-Sunnah | Afp | Imagens Getty

As forças russas continuam a reorientar sua ofensiva na região de Donbass, no leste da Ucrânia, de acordo com o Ministério da Defesa britânico.

“Forças russas, incluindo mercenários da estatal Wagner PMC, estão sendo transferidas para a região”, disse o ministério via Twitter.

– Sam Meredith

Leia a cobertura ao vivo anterior da CNBC aqui: