Fevereiro 27, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Fundo Monetário Internacional afirma que a IA atingirá 40% dos empregos e agravará a desigualdade

O Fundo Monetário Internacional afirma que a IA atingirá 40% dos empregos e agravará a desigualdade

  • Escrito por Annabelle Liang
  • Repórter de negócios

Fonte da imagem, Imagens Getty

“Na maioria dos cenários, a IA provavelmente agravará a desigualdade geral”, afirma Kristalina Georgieva, Diretora Executiva do Fundo Monetário Internacional.

Georgieva acrescenta que os decisores políticos devem abordar a “tendência preocupante” para “evitar que a tecnologia inflame ainda mais as tensões sociais”.

A difusão da inteligência artificial destacou os seus benefícios e riscos.

O Fundo Monetário Internacional afirmou que a inteligência artificial deverá afectar uma proporção maior de empregos – cerca de 60% – nas economias avançadas. Em metade destes casos, os trabalhadores podem esperar beneficiar da integração da IA, o que aumentará a sua produtividade.

Noutros casos, a IA terá a capacidade de realizar tarefas-chave atualmente executadas por humanos. Isto pode levar à diminuição da procura de mão-de-obra, afectando os salários e até eliminando empregos.

Entretanto, o Fundo Monetário Internacional espera que a tecnologia afecte apenas 26% dos empregos nos países de baixos rendimentos.

Ele faz eco de um relatório da Goldman Sachs de 2023, que estimou que a IA poderia substituir o equivalente a 300 milhões de empregos a tempo inteiro – mas disse que também poderia haver novos empregos juntamente com um boom de produtividade.

“Muitos destes países não têm infra-estruturas ou mão-de-obra qualificada para aproveitar os benefícios da IA, o que aumenta o risco de que a tecnologia, ao longo do tempo, exacerbe a desigualdade entre os países”, disse Georgieva.

O FMI acredita que os trabalhadores com baixos rendimentos e os trabalhadores mais velhos podem ficar para trás.

“É muito importante que os países criem redes de segurança social abrangentes e forneçam programas de reconversão profissional para trabalhadores vulneráveis”, disse Georgieva. “Ao fazermos isso, podemos tornar a transição para a IA mais inclusiva, protegendo os meios de subsistência e reduzindo a desigualdade.”

A análise do FMI surge no momento em que líderes empresariais e políticos globais se reúnem no Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça.

A inteligência artificial é um tema de discussão, acompanhando a crescente popularidade de aplicativos como o ChatGPT.

A China introduziu algumas das primeiras regulamentações nacionais do mundo sobre inteligência artificial, que incluem regras sobre como os algoritmos são desenvolvidos e implantados.

Em outubro, o presidente Biden assinou uma ordem executiva exigindo que os desenvolvedores compartilhassem as descobertas de segurança relacionadas à IA com o governo dos EUA.