setembro 25, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Em meio à preocupação global, Ucrânia e Rússia trocaram culpa por ataques a usinas nucleares

Em meio à preocupação global, Ucrânia e Rússia trocaram culpa por ataques a usinas nucleares

  • Kyiv alerta para um desastre no estilo de Chernobyl, a menos que a região esteja segura
  • Os dois lados apoiam a visita dos inspetores nucleares
  • Guterres, da ONU, diz que qualquer ataque a usina nuclear é ‘suicídio’
  • Dois navios de grãos ucranianos saem dos portos, 12 desde a semana passada

Kyiv (Reuters) – O alarme internacional sobre o bombardeio no fim de semana contra o complexo nuclear ucraniano de Zaporizhzhya aumentou, com Kyiv e Moscou trocando a culpa pelos ataques enquanto tentam lidar com os temores de que sua batalha pelo controle da usina pode levar a um desastre.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que chamou um ataque a uma usina nuclear de “algo suicida”, exigiu que os inspetores da ONU tivessem acesso. O maior complexo do gênero na Europa, Zaporizhzhia está localizado na região sul capturada por invasores russos em março e agora alvo da Ucrânia para um contra-ataque.

Kyiv apelou para que a zona seja desmilitarizada e permita que a Agência Internacional de Energia Atômica, a agência de energia atômica da ONU, entre nela. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que também prefere visitar a Agência Internacional de Energia Atômica, que acusou a Ucrânia de obstruí-la ao tentar “fazer a Europa refém”. Bombardeio de fábrica. Leia mais

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Ucrânia culpou a Rússia pelos ataques do fim de semana na área do complexo, que ainda é administrado por técnicos ucranianos. Ela disse que três sensores de radiação foram danificados, com dois trabalhadores levados ao hospital com ferimentos de estilhaços.

A Reuters não conseguiu verificar o relato de ambos os lados sobre o que aconteceu.

READ  Autoridades dos EUA dizem que a Rússia está pedindo ajuda militar à China na guerra com a Ucrânia

Petro Kotin, chefe da empresa estatal de energia nuclear da Ucrânia, Energoatom, pediu que as forças de paz sejam implantadas e operacionais no local de Zaporizhzhia, com o controle operacional entregue à Ucrânia.

Ele destacou o perigo de mísseis colidirem com contêineres de combustível nuclear irradiado altamente radioativo, descrevendo-o como muito grave. Se dois ou mais contêineres forem quebrados, é “impossível avaliar a escala” do desastre resultante.

“Esse comportamento louco pode deixar a situação fora de controle e será Fukushima ou Chernobyl”, disse Koten.

Trabalhando sob armas russas

Yevni Tsymbalyuk, embaixador da Ucrânia na Agência Internacional de Energia Atômica, disse que os funcionários da Zaporizhzhya “trabalham sob os canos de rifles russos”. Ele pediu que uma missão internacional liderada pelas Nações Unidas seja enviada à estação até o final de agosto e acusou a Rússia de tentar causar um apagão ao longo da rede elétrica no sul da Ucrânia, visando a estação. Consulte Mais informação

Enquanto isso, o Ministério da Defesa russo disse que os ataques ucranianos danificaram as linhas de alta tensão que serviam a usina da era soviética e a forçaram a cortar a produção de dois de seus seis reatores “para evitar interrupções”. Consulte Mais informação

Uma autoridade russa na região de Zaporizhia disse anteriormente que a instalação estava operando normalmente.

A ONU Guterres disse que os funcionários da agência precisam chegar a Zaporizhia “para criar condições de estabilidade”.

READ  Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

“Qualquer ataque a uma usina nuclear é suicida”, disse ele em entrevista coletiva no Japão, onde participou de uma cerimônia em memória da paz em Hiroshima no sábado.

O pior desastre nuclear civil do mundo ocorreu em 1986, quando um reator explodiu no complexo de Chernobyl, no noroeste da Ucrânia. Logo após a invasão de 24 de fevereiro deste ano, as forças russas ocuparam essa posição e se retiraram da área no final de março.

A Ucrânia disse que estava planejando um grande contra-ataque no sul ocupado pelos russos, aparentemente focado na cidade de Kherson, a oeste de Zaporizhzhya, e que já havia retomado dezenas de vilarejos.

Exportação de grãos acelera

Nas proximidades, um acordo para desbloquear as exportações de alimentos ucranianos e aliviar a escassez global se acelerou quando dois navios de grãos partiram dos portos ucranianos do Mar Negro na segunda-feira, elevando o total para 12 desde que o primeiro navio partiu há uma semana. Consulte Mais informação

Os dois últimos navios de partida transportavam quase 59.000 toneladas de milho e soja e tinham como destino a Itália e o sudeste da Turquia. Os quatro que partiram no domingo levaram cerca de 170 mil toneladas de milho e outros alimentos.

O acordo de exportação de grãos de 22 de julho, mediado pela Turquia e pelas Nações Unidas, marca uma rara vitória diplomática à medida que os combates continuam na Ucrânia. O acordo destina-se a ajudar a aliviar o aumento dos preços globais dos alimentos causados ​​pela guerra.

Antes da invasão, Rússia e Ucrânia juntas representavam quase um terço das exportações globais de trigo. A turbulência que ocorreu desde então levantou o espectro da fome em partes do mundo.

READ  Putin promete mísseis com capacidade nuclear da Bielorrússia para enfrentar o Ocidente 'agressivo'

A Ucrânia disse que espera exportar 20 milhões de toneladas de grãos em silos e 40 milhões de toneladas de sua nova safra para ajudar a reconstruir sua economia devastada.

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” na Ucrânia para livrar-se dos nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa. A Ucrânia e o Ocidente descrevem as ações da Rússia como uma guerra injustificada ao estilo imperial para reafirmar o controle sobre um vizinho pró-ocidente perdido quando a União Soviética se desintegrou em 1991.

O conflito deslocou milhões, matou milhares de civis e deixou cidades, vilas e aldeias em ruínas.

As forças russas estão tentando assumir o controle total da região de Donbass, no leste da Ucrânia, onde separatistas pró-Moscou tomaram território depois que o Kremlin anexou a Crimeia ao sul em 2014.

“Os soldados ucranianos mantêm firmemente a defesa, infligem perdas ao inimigo e estão prontos para qualquer mudança na situação operacional”, disse o Estado-Maior ucraniano em uma atualização operacional na segunda-feira.

Os militares ucranianos disseram que as forças russas intensificaram seus ataques ao norte e noroeste da cidade de Donetsk, controlada pela Rússia, em Donbass, no domingo.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Stephen Coates, Mark Heinrich, John Stonestreet; Edição por Simon Cameron Moore, Nick McPhee, Peter Graf

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.