Nova tecnologia permite aumentar 20% da produção de tomate

em Economia

A multinacional japonesa NEC Corporation está a desenvolver, desde 2015, uma nova solução tecnológica que permite aumentar a produtividade de tomate em 20%. Esta solução foi apresentada em Vila Franca de Xira, com a presença de responsáveis da multinacional japonesa, do embaixador do Japão em Portugal, do secretário de Estado da Agricultura e do presidente da CAP. A solução propõe a análise em larga escala do cultivo de tomate, através de tecnologias de informação e comunicação (TIC) desenvolvidas pela empresa, tudo com base em sensores ligados aos sistemas de rega. O software reproduz campos agrícolas virtuais baseados em dados meteorológicos, do solo e da vegetação obtidos através de sensores, satélites e drones, assim como outros dados relacionados com as atividades agrícolas, como a irrigação e o uso de fertilizantes. A solução permite, com esses dados, criar simulações de crescimento para esses campos virtuais, fornecendo recomendações personalizadas relativamente ao cultivo da terra, à estimativa de produção e à altura mais apropriada para efetuar a colheita, entre outras.

A empresa começou por fazer três projetos-piloto com produtores portugueses de tomate para indústria, um deles a Italagro, detida pelo grupo e que desenvolve atividade na zona de Vila Franca. A solução vai entrar na fase de comercialização em 2018 e está também já a ser utilizada em fase piloto por uma empresa espanhola, em Don Benito, perto de Badajoz.

Os dados fornecidos por esta solução permitem otimizar o uso da água, fertilizante e agro-químicos, em conformidade com o crescimento das culturas e as condições atmosféricas, permitindo a maximização da produção. Para além disso, a solução permite otimizar e definir altura da colheita em função da produção prevista, assim como auxilia no funcionamento das unidades de transformação agroindustrial.

“Com esta solução conseguimos saber as condições reais do terreno, comparar o modelo ideal da planta com o que se mede em tempo real no terreno”, salienta o diretor-geral de vendas e marketing da NEC Portugal, salientando que assim é possível dar recomendações ao produtor sobre o que falta, se água ou fertilizante, para que a planta tenha o crescimento perfeito e se obtenha a máxima produção. “Quando necessário, recolhemos uma amostra de azoto da planta para saber se precisa de mais fertilizante”, acrescenta o responsável. João Paulo Fernandes diz ainda, que em 2016, “um ano muito difícil em termos meteorológicos para a cultura do tomate”, foram conseguidos aumentos de 10% na produtividade das culturas nos locais de utilização deste sistema.

Além desta aplicação à cultura do tomate, a empresa prevê que a solução possa ser utilizada na cultura da batata mas também dos cereais e da cana do açúcar, refere o responsável da empresa, adiantando que a NEC está já a olhar na aquacultura como uma indústria onde será possível adaptação daquela tecnologia.

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Economia

0 0.00
Ir para Topo