dezembro 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Zelensky: Kherson "nós" - DW - 11/11/2022

Zelensky: Kherson “nós” – DW – 11/11/2022

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse na sexta-feira que a cidade de Kherson, no sul, era “nossa” depois que a Rússia anunciou que sua retirada havia sido concluída.

“Nosso povo. Nosso povo. Kherson”, escreveu Zelensky no Telegram. “Hoje é um dia histórico. Estamos retomando Kherson.”

Ele disse que unidades especiais das forças armadas estavam dentro de Kherson e que outras forças ucranianas estavam se aproximando dos subúrbios.

“O povo de Kherson está esperando. Eles nunca se renderam à Ucrânia”, acrescentou Zelensky mais tarde no título do vídeo. “Será o mesmo nas cidades que ainda estão esperando por nós para levá-los de volta.”

Zelensky: “Hoje é um dia histórico”

Para assistir a este vídeo, ative o JavaScript e considere atualizar para um navegador da web Suporta vídeo HTML5

Seu anúncio veio quando vídeos postados nas mídias sociais mostraram multidões jubilosas de moradores celebrando nas ruas e saudando soldados ucranianos enquanto eles atacam a cidade.

As bandeiras da Ucrânia e da União Europeia também podem ser vistas hasteadas sobre um monumento na praça principal de Kherson.

Mais cedo, o porta-voz da inteligência ucraniana Andrei Yusov disse à Associated Press que uma “operação para libertar Kherson” e a área circundante de mesmo nome estava em andamento.

A Rússia desistiu da única capital regional que havia capturado desde sua invasão em fevereiroFoto: Cover-Images / IMAGO

A retirada das forças russas representou um grande revés para Moscou, já que Kherson foi a única grande capital regional ucraniana que caiu nas mãos da Rússia desde o início da guerra. A região também é uma porta de entrada estratégica para a Crimeia, que a Rússia anexou ilegalmente em 2014.

“A Ucrânia está alcançando outra vitória importante no momento e prova que o que quer que a Rússia diga ou faça, a Ucrânia vencerá”, disse o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba.

A Casa Branca descreveu a recuperação da cidade como uma “coisa legal” para a Ucrânia.

“É como se os ucranianos tivessem acabado de obter uma vitória extraordinária, já que a capital regional que a Rússia capturou nesta guerra está agora de volta sob a bandeira ucraniana”, disse o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan.

Aqui estão as outras manchetes da guerra na Ucrânia na sexta-feira, 11 de novembro:

Relatórios conflitantes sobre a retirada russa

Antes que as forças ucranianas entrassem em Kherson, o Ministério da Defesa russo anunciou que todas as suas forças haviam se retirado. Ela acrescentou que 30.000 soldados foram transportados pela margem esquerda do rio Dnipro sem perder um único soldado e sem deixar “uma única peça de equipamento militar”.

Mas a Unidade de Inteligência de Defesa da Ucrânia lançou dúvidas sobre isso, dizendo em um tweet no Twitter que mais da metade das forças russas que estavam estacionadas na margem direita do rio ainda estão presentes.

Moscou anunciou no início desta semana que planeja retirar suas forças da margem direita do Dnipro, onde Kherson está localizado.

Autoridades ucranianas expressaram ceticismo sobre o anúncio e disseram que provavelmente levaria dias, se não semanas, para as forças russas se retirarem totalmente de Kherson.

Mailbloggers russos descrevem retirada caótica de Kherson

Para assistir a este vídeo, ative o JavaScript e considere atualizar para um navegador da web Suporta vídeo HTML5

Alemanha envia mais ajuda de defesa aérea à Ucrânia: Schulze

O chanceler alemão Olaf Schulz disse que a prioridade de Berlim em ajudar a Ucrânia deve ser fortalecer as defesas contra ataques aéreos nas cidades e reconstruir a infraestrutura.

“A Rússia está bombardeando a infraestrutura de energia da Ucrânia. A Rússia quer garantir que as pessoas na Ucrânia não suportem o frio do inverno”, disse ele em uma entrevista no palco para os jornais RND.

“Atualmente, estamos discutindo com várias empresas alemãs o que elas podem fazer para combater essa devastação”, acrescentou.

Schulz acrescentou que os sistemas de defesa aérea que a Alemanha forneceu até agora desempenharam um papel importante e que Berlim trabalhará com seus parceiros para enviar mais.

Mais cedo, o chanceler alemão em uma ligação com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky concordou em fornecer mais sistemas de defesa aérea.

Schulz também disse à platéia que acreditava que o presidente russo, Vladimir Putin, há muito planejava uma invasão da Ucrânia.

“Estou convencido de que Putin decidiu esta guerra há dois anos”, disse ele. “Vimos o aumento… esperávamos que fossem apenas sinais ameaçadores, mas não foi: foi uma longa guerra no planejamento.”

Rússia proíbe entrada de 200 cidadãos dos EUA, incluindo parentes de Biden

Moscou diz que proibiu a entrada de 200 cidadãos americanos, incluindo irmãos do presidente Joe Biden e vários senadores.

Esta ação vem em resposta às sanções de Washington sobre a guerra da Rússia na Ucrânia.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que a lista de indivíduos inclui funcionários, seus parentes, chefes de empresas e especialistas “que estão envolvidos na promoção de uma campanha anti-Rússia e no apoio ao regime em Kyiv”.

Entre os que estão na lista negra estão a irmã de Biden, Valerie, e os irmãos James e Frances, a secretária de imprensa da Casa Branca, Karen Jean-Pierre, e os senadores Bernie Sanders e Elizabeth Warren.

Eles se juntam aos mais de 1.000 cidadãos americanos já impedidos de entrar no país.

O governador disse que um ataque russo mata 5 em Mykolaiv

Um governador regional disse que pelo menos cinco pessoas morreram após um ataque russo atingir um prédio de apartamentos na cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia.

O governador da região de Mykolaiv, Vitaly Kim, escreveu nas redes sociais: “Invasão a um prédio de cinco andares. Destruído do quinto ao primeiro andar”.

As forças russas bombardearam repetidamente a cidade durante meses. Zelensky disse que o último ataque foi uma “reação cínica aos nossos sucessos no front”, uma aparente referência ao avanço da Ucrânia na região de Kherson.

O colapso de uma ponte estratégica perto de Kherson: relatórios

A Corporação Pública de Radiodifusão da Ucrânia informou que a já danificada ponte Antonevsky havia desmoronado.

A ponte estratégica era a única maneira de cruzar de Kherson até a margem leste do rio Dnipro, controlada pelos russos.

A condição da ponte e o momento de seu colapso relatado podem ajudar a determinar se as forças russas se retiraram ou não de Kherson.

Relatos da mídia russa indicaram que a ponte foi bombardeada após a retirada das forças russas.

Mas uma autoridade russa na região de Kherson disse à Interfax que a ponte não havia sido explodida e estava “nas mesmas condições”.

ONU e autoridades russas discutem extensão do acordo de grãos

A porta-voz da ONU, Alessandra Vellucci, disse que as negociações entre autoridades russas e chefes da ONU estão em andamento em Genebra, na tentativa de estender um acordo sobre as exportações de grãos.

“Espera-se que as discussões consolidem o progresso feito para facilitar a exportação desimpedida de alimentos e fertilizantes da Federação Russa para os mercados mundiais”, disse Vellucci.

As Nações Unidas estão buscando renovar o acordo do Mar Negro sobre a exportação de grãos da Ucrânia, que expira em 19 de novembro.

Moscou reclamou de “não respeitar” outro acordo que isentava os fertilizantes russos de sanções. Este acordo dura três anos.

UE e parceiros chegam a acordo de 1 bilhão de euros para melhorar rotas de exportação para a Ucrânia

A União Européia prometeu € 1 bilhão (US$ 1,04 bilhão) em apoio aos esforços para exportar a safra de grãos da Ucrânia por meio de rotas alternativas de transporte para os portos do Mar Negro.

A Comissão Europeia, o Banco Europeu de Investimento, o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento e o Banco Mundial vão investir fundos para melhorar e expandir os chamados “caminhos da solidariedade”.

Os investimentos vão expandir o transporte terrestre e marítimo entre a Ucrânia e países vizinhos como Polônia, Romênia, Moldávia, Eslováquia e Hungria.

Também permite que Kiev traga combustível ou ajuda humanitária para o país.

Antes da guerra, a Ucrânia comercializava principalmente através de seus grandes portos no Mar Negro, mas foi cercada pelas forças de Moscou quando a invasão começou.

Em julho, um acordo intermediado pelas Nações Unidas e a Turquia ajudou a reiniciar o fluxo de embarques de grãos. No entanto, as garantias de segurança necessárias não estão em vigor para outras commodities.

“Onde a Rússia semeou destruição, a Europa restaurou a esperança”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciando o financiamento adicional nas mídias sociais.

mm, fb/wmr (AFP, AFP, Reuters)

READ  Primeira-ministra britânica Liz Truss demite o ministro das Finanças Kwasi Quarting