janeiro 27, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Yoon na Coreia do Sul está se preparando para expandir o sistema de retorno ao trabalho em meio à greve

Yoon na Coreia do Sul está se preparando para expandir o sistema de retorno ao trabalho em meio à greve

SEUL (Reuters) – O presidente da Coreia do Sul, Yoon Sok-yul, ordenou neste domingo os preparativos para expandir a demanda e retornar ao trabalho fora da indústria de cimento, em meio a uma greve prolongada de caminhoneiros.

Milhares de caminhoneiros sul-coreanos estão em greve há mais de 10 dias, e os negociadores do governo e dos sindicatos não fizeram nenhum progresso nas divergências sobre as regras do salário mínimo.

Yoon, um governador, invocou na terça-feira uma ordem de “início”, a primeira na história do país, em 2.500 motoristas da indústria de cimento, exigindo que eles voltem à estrada ou enfrentarão penalidades.

Yoon pediu aos ministros do governo que se preparem para ordenar o retorno ao trabalho em setores como refino de petróleo e indústria siderúrgica, onde danos adicionais são esperados, disse o porta-voz Lee Jae-myeong em comunicado no domingo.

Yoon pediu a punição dos infratores durante a greve e ordenou que os ministros tomassem medidas para minimizar os danos, como a contratação de motoristas, militares e equipamentos substitutos.

A Federação de Sindicatos da Coreia, um grupo guarda-chuva, está planejando uma greve geral para terça-feira.

“Só posso considerar esta greve planejada como um ato politicamente motivado, não uma greve destinada a representar os direitos dos trabalhadores”, disse Yoon, segundo Lee, referindo-se a uma possível resposta dura do governo.

“Manter a economia de subsistência das pessoas e a economia nacional como reféns neste momento de dificuldades econômicas torna a sobrevivência de trabalhadores vulneráveis ​​e desorganizados mais difícil e priva as gerações futuras e o público em geral de seus futuros empregos”, disse Yun.

O ministério da indústria disse na quinta-feira que os ataques interromperam a cadeia de suprimentos da Coreia do Sul, custando 1,6 trilhão de wons (US$ 1,2 bilhão) em remessas perdidas durante os primeiros sete dias.

READ  Terremoto atinge Nepal e mata pelo menos 6

O governo disse que não estenderá o salário mínimo para caminhoneiros por mais três anos. O sindicato diz que deve ser permanente e mais amplo.

Milhares se manifestaram no centro de Seul no sábado em apoio às demandas dos caminhoneiros.