maio 28, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Um míssil atingiu um navio mercante estrangeiro em Mariupol

Um míssil atingiu um navio mercante estrangeiro em Mariupol

Por Jonathan Sol

LONDRES (Reuters) – Um navio mercante de bandeira estrangeira foi atingido por um míssil da Marinha russa na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, e um de seus tripulantes precisou de atendimento médico, disse uma autoridade ucraniana nesta terça-feira.

A Ucrânia disse que está se preparando para convocar cerca de 60.000 soldados russos da reserva para reforçar a ofensiva de Moscou no leste, onde os principais alvos da Rússia incluem Mariupol e Kharkiv, a segunda maior cidade do país.

A sala de máquinas do navio de carga com bandeira da Dominica foi atingida por um míssil na segunda-feira, disse Viktor Vishnov, vice-chefe da Administração Marítima Ucraniana.

“O navio foi incendiado e todos os 12 tripulantes foram evacuados para outro navio. Um dos tripulantes precisou de assistência médica, que foi dada a ele e ele foi evacuado”, disse Vishnov à Reuters.

Ele não sabia se o navio estava transportando alguma carga.

Separadamente, a empresa de segurança britânica Embry Intelligence disse que o navio chegou a Mariupol em 23 de fevereiro e não conseguiu deixar as águas ucranianas devido ao fechamento do porto.

O proprietário do navio, com sede em Malta, não foi encontrado para comentar.

Autoridades russas não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Os militares russos ganharam o controle das vias navegáveis ​​ao redor da Ucrânia quando invadiram em 24 de fevereiro no que Moscou chama de “operação militar especial” para desarmar e “desarmar” o país.

A posição do Kremlin é rejeitada por Kiev e pelo Ocidente, que a considera um pretexto para uma invasão injustificada.

Dois marinheiros foram mortos e cinco outros navios mercantes ficaram feridos por projéteis – um dos quais afundou – na costa ucraniana desde o início do conflito, disseram autoridades marítimas.

READ  Polícia abandona busca por nadador na Austrália, ataque duplo de tubarão

A agência de navegação das Nações Unidas, a Organização Marítima Internacional (IMO), disse que havia 86 navios mercantes ainda presos em portos e águas ucranianas em 30 de março, e cerca de 1.000 marítimos não conseguiram zarpar.

Oficiais da Marinha disseram que os suprimentos estão acabando nos navios, que também enfrentam vários perigos, incluindo mísseis flutuantes e minas.

“Além dos perigos do bombardeio, muitos dos navios envolvidos agora carecem de comida, combustível, água potável e outros suprimentos vitais”, disse a IMO.

“A posição dos marítimos de muitos países está se tornando cada vez mais inaceitável como resultado, apresentando sérios riscos à sua saúde e bem-estar.”

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse na terça-feira que os esforços da Ucrânia para expulsar as forças russas de Mariupol estão enfrentando dificuldades e que a situação militar é “extremamente difícil”.

(Reportagem de Jonathan Saul; Edição de Nick McPhee)