agosto 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia sinaliza fim da ajuda da ONU à Síria da Turquia

Rússia sinaliza fim da ajuda da ONU à Síria da Turquia

Menino carrega ajuda alimentar fornecida pelo Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas em Raqqa, Síria, 26 de abril de 2018 REUTERS/Aboud Hamam

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) – A Rússia sinalizou nesta sexta-feira o fim de uma longa operação de ajuda da Organização das Nações Unidas (ONU) no noroeste da Síria da Turquia depois de vetar uma extensão de um ano e depois falhar em sua tentativa de renovação de seis meses ou mais. Esforços Internacionais de Reconstrução.

O atual mandato do Conselho de Segurança da ONU para ajuda humanitária da ONU – incluindo alimentos, remédios e abrigo – para cerca de 4 milhões de pessoas no noroeste da Turquia, controlado pela oposição, expira no domingo.

O vice-embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Dmitry Polyansky, disse que a única solução que Moscou não usaria de seu veto é a sua solução. O projeto de resolução falhou na sexta-feira, depois que apenas a Rússia e a China votaram a favor. Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França votaram contra o texto russo, enquanto os 10 membros restantes do conselho se abstiveram.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Não vejo neste momento outra opção. Dada a verdade das palavras que foram ditas hoje, acho que isso se tornou quase impossível”, disse Polyansky a repórteres, acrescentando que outro membro do conselho poderia mais uma vez colocar o texto russo para um voto.

Antes do fracasso do projeto de resolução, a Rússia havia vetado a proposta de extensão de um ano – elaborada pela Irlanda e pela Noruega – que recebeu 13 votos a favor. Apesar da parceria estratégica “sem fronteiras” com Moscou, a China se absteve na votação.

READ  Protestos climáticos liderados por jovens se espalharam pelo mundo: atualizações ao vivo

“Esta é uma questão de vida ou morte e é trágico que as pessoas morram por causa desse voto e do país que descaradamente vetou”, disse Linda Thomas Greenfield, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, ao conselho.

“não alegre”

O embaixador da China na ONU, Zhang Jun, pediu a todos os membros do conselho que “não desistam” e continuem as negociações, enquanto a embaixadora da Irlanda na ONU, Geraldine Byrne Nason, disse: “Não estamos intimidados por este veto. Este não é o fim do caminho”.

No entanto, quando perguntado se a Rússia voltaria a vetar qualquer projeto de texto que não fosse seu, Polyansky respondeu: “Obviamente”.

A Rússia diz que a operação de ajuda da ONU viola a soberania e a integridade territorial da Síria. Ele diz que mais ajuda deve ser entregue de dentro do país, aumentando os temores da oposição de que alimentos e outras ajudas fiquem sob o controle do governo.

Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França disseram na sexta-feira que a extensão de seis meses não foi suficiente para os grupos de ajuda planejarem e operarem de forma eficaz.

As potências ocidentais também estão relutantes em financiar extensos esforços de reconstrução até que haja progresso em direção a uma solução política na Síria, onde a repressão do presidente Bashar al-Assad aos manifestantes pró-democracia em 2011 levou a uma guerra civil.

A votação do Conselho de Segurança para autorizar a operação de ajuda tem sido uma questão controversa, mas este ano também ocorre em meio a tensões crescentes entre a Rússia e as potências ocidentais sobre a invasão da Ucrânia por Moscou em 24 de fevereiro.

Em 2014, o Conselho de Segurança autorizou a entrega de ajuda humanitária para áreas controladas pela oposição na Síria a partir do Iraque, Jordânia e dois pontos na Turquia. Mas os poderes de veto, Rússia e China, reduziram isso a apenas um posto de fronteira turco.

READ  Omicron destrói a festa de Réveillon, mas a África do Sul oferece esperança

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, apelou ao conselho no mês passado para estender sua aprovação da operação de ajuda, dizendo à organização: “Não podemos abandonar o povo da Síria”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Relatado por Michelle Nichols; Edição por Mary Milliken, Nick McPhee e Jonathan Otis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.