Fevereiro 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Presidente de Portugal convoca eleições antecipadas após renúncia do primeiro-ministro – Politico

Presidente de Portugal convoca eleições antecipadas após renúncia do primeiro-ministro – Politico

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou quinta-feira que dissolverá o parlamento do país em dezembro e realizará eleições antecipadas em março de 2024.

O anúncio seguiu-se à demissão do primeiro-ministro António Costa na terça-feira, horas depois de as autoridades terem invadido a sua residência oficial e o procurador-geral do país ter confirmado que ele estava a ser interrogado no âmbito de uma investigação de corrupção.

Rebelo de Sousa disse que o parlamento será dissolvido assim que os legisladores aprovarem o orçamento de Portugal para 2024, que deverá ser aprovado até ao final do mês.

“A aprovação do orçamento vai permitir-nos corresponder às expectativas de muitos portugueses e acompanhar a implementação do plano de recuperação e resiliência”, afirmou.

Embora a Constituição portuguesa dê ao presidente o direito de nomear um novo primeiro-ministro sem realizar novas eleições, Rebelo de Sousa disse que era importante ter um chefe de governo cuja legitimidade fosse inquestionável.

Em vez disso, disse ele, decidiu agendar eleições em Março para dar ao Partido Socialista de Costa, que controla a maioria dos assentos no parlamento, tempo para encontrar um novo líder antes dos eleitores irem às urnas.

Costa concordou em permanecer como primeiro-ministro interino do país até as próximas eleições. Mas após o anúncio do presidente, o líder socialista expressou irritação com a decisão de convocar eleições.

Costa disse aos jornalistas que propôs o ex-ministro das Finanças e atual governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, para chefiar o governo, mas Rebelo de Sousa rejeitou a ideia.

Centeno, um tecnocrata que serviu como ministro das finanças de Portugal entre 2015 e 2020, foi tão querido e confiável por Bruxelas e outros chefes das finanças durante o seu mandato que foi eleito chefe do eurogrupo em 2018.

READ  “Quando saí de Portugal foi por isso” - Renato Paiva comemora o primeiro título equatoriano de Independente del Valle

“Ele tinha todas as qualificações para o fazer”, disse Costa, sublinhando que as últimas eleições foram realizadas há dois anos. “O país não merece ser chamado a votar novamente.”

O Primeiro-Ministro disse que embora não concordasse com a decisão, estava determinado a continuar a servir o país.

Sem o homem que dominou o cenário político nos últimos oito anos, o intervalo de quatro meses antes das próximas eleições ajudará o país a adaptar-se a uma nova realidade.

Referendo Eleitoral Parlamentar Nacional de Portugal

Visite mais dados de pesquisas de toda a Europa Política Enquete.

Uma corrida para substituir Costa começou dentro do seu partido. Pouco depois de Rebelo de Sousa ter anunciado a sua decisão, Pedro Nuno Santos, antigo secretário-geral da juventude socialista, confirmou que se candidataria a primeiro-ministro.

Santos é visto há muito tempo como uma das figuras de maior confiança dentro do partido, mas foi forçado a sair no ano passado Renúncia Desde o seu mandato como ministro das Infraestruturas, a maior indemnização por despedimento da companhia aérea estatal TAP resultou de um escândalo envolvendo dinheiro.

Diz-se que o Ministro do Interior, José Luis Carneiro, que pode apelar aos moderados, está a tentar ser o novo líder dos Socialistas.

O ministro das Finanças, Fernando Medina, é outro candidato possível, mas complicado. Durante o seu mandato como presidente da Câmara de Lisboa, a administração municipal entregou dados pessoais de dissidentes locais à Rússia e a outros regimes — um factor que o tornou num controverso chefe de governo no meio da guerra em curso na Ucrânia.

O calendário eleitoral adiado dará ao Partido Social Democrata, de centro-direita, tempo para conquistar o apoio do público português, para que possa governar sem o partido de extrema-direita Sega. Sem uma melhoria significativa na posição do partido nas sondagens actuais, seria necessário formar um governo de coligação com o grupo ultranacionalista, que ficou em terceiro lugar nas últimas eleições, para chegar ao poder.

READ  Exclusivo - Portugal está a negociar a compra do capital da Sunseep pela portuguesa EDP - fontes

Num discurso após o anúncio de Rebelo de Sousa, o líder do partido, Luis Montenegro, disse estar pronto para “restabelecer a confiança e o valor nos instintos democráticos”.

“Podemos ter um país onde não precisamos de emigrar por falta de oportunidades, falta de habitação, falta de serviços públicos”, afirmou. “Pode haver um país que crie mais riqueza e pague mais salários.”