Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Irão exigiu a libertação da tripulação do navio de bandeira portuguesa apreendido

O Irão exigiu a libertação da tripulação do navio de bandeira portuguesa apreendido

O Irão disse no sábado que iria libertar a tripulação de um navio de bandeira portuguesa que as suas forças apreenderam no Golfo este mês.

O Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica capturou o MSC Aries com 25 tripulantes perto do Estreito de Ormuz em 13 de abril.

Teerã disse mais tarde que o navio pertencia ao seu arquiinimigo, Israel, e estava sendo investigado por supostas violações do direito marítimo internacional.

“A questão humanitária relacionada com a libertação da tripulação é uma grande preocupação para nós”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Hossein Amir-Abdullahian, num telefonema com o seu homólogo português, Paulo Rangel.

“Concedemos acesso consular aos seus embaixadores em Teerão e notificámos os embaixadores de que os membros do grupo serão libertados e entregues”, disse ele, sem dar mais detalhes na declaração do seu ministério.

Anúncio – Role para continuar

Após a apreensão do navio, Portugal convocou o embaixador iraniano e exigiu a sua libertação imediata.

Em 18 de abril, a Índia disse que um dos 17 membros da equipe indiana voltou para casa e aos outros obteve acesso consular.

“Eles estão com boa saúde e não enfrentam nenhum problema a bordo. No que diz respeito ao seu retorno, há alguns detalhes técnicos envolvidos”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia na quinta-feira.

Anúncio – Role para continuar

O navio foi apreendido horas antes do Irão lançar o seu primeiro ataque direto a Israel, lançando centenas de drones e mísseis.

Os militares israelenses disseram que quase todos os projéteis foram interceptados.

Israel e os Estados Unidos condenaram a apreensão do navio como uma operação de “pirataria”.

Anúncio – Role para continuar

As tensões regionais aumentaram desde o início da guerra na Faixa de Gaza entre Israel e o grupo militante palestino Hamas, há cerca de sete meses.

pdm/mz/dv