setembro 18, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Parteira afegã sonha em se tornar médica perde o emprego durante o governo do Taleban

Parteira afegã sonha em se tornar médica perde o emprego durante o governo do Taleban

Uma parteira em Cabul perdeu o emprego depois que o Talibã assumiu Afeganistão Em meados de agosto, ela forneceu detalhes da vida que ela e outras mulheres no país provavelmente enfrentarão com o grupo extremista no poder.

“O futuro das mulheres e meninas no Afeganistão é muito ruim”, disse ela à Fox News em uma entrevista exclusiva. ela disse lá Não sobrou nada Para mulheres no Afeganistão.

A mulher acrescentou: “Não há estudo, nem universidade, nem escola, nem trabalho, nem segurança, nem vida”.

A mulher, que pediu para não ser identificada por medo de represálias do Taleban, disse à Fox News que seus objetivos de carreira haviam rompido com o governo afegão.

Lara Logan diz que o governo do Taleban será uma “longa e lenta morte” para as mulheres

“Minha maior ambição é me tornar uma boa e grande médica no futuro”, disse a mulher. Ela acreditava que isso era possível antes de o Talibã assumir o controle.

Mas quando o Taleban assumiu o poder, ela perdeu o emprego como parteira em um hospital.

“O Taleban não permite que as mulheres trabalhem”, disse a mulher à Fox News. Ela disse que sua mãe e seu irmão perderam o emprego e estavam preocupados com sua segurança financeira.

Seu irmão, que ajudou a traduzir a ligação, disse à Fox News que ele estava triste.

“Fico muito zangado quando vejo minhas irmãs – quando o Taleban não permite que estudem ou façam faculdade”, disse ele. Ele disse à Fox News que se sente impotente em relação ao Taleban porque eles têm a força e as armas.

O irmão e a irmã disseram à Fox News que queriam deixar o Afeganistão, mas disseram que o Talibã não permitiria e que eles não tinham documentos.

READ  Mulher afegã dá à luz em voo de evacuação dos EUA

Eles pediram aos Estados Unidos que ajudassem as mulheres do Afeganistão a continuar a viver em liberdade.

Dois jornalistas afegãos, separadamente, disseram à Fox News que O Talibã os impediu de suas salas de libertação depois que o grupo extremista capturou Cabul em 15 de agosto. Ambos fugiram de casa, temendo que O Talibã vai matá-los.