Abril 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Investigadores: incêndio no acampamento rohingya foi ‘sabotagem planejada’

Investigadores: incêndio no acampamento rohingya foi ‘sabotagem planejada’

legenda da foto,

O incêndio destruiu milhares de casas no campo de refugiados na semana passada

Os investigadores dizem que o incêndio que envolveu o maior campo de refugiados do mundo na semana passada foi um “ato de vandalismo planejado e proposital”.

O incêndio que começou em 5 de março em Bangladesh deixou 15.000 refugiados rohingya desabrigados e destruiu cerca de 2.800 abrigos.

O funcionário do governo que lidera a investigação disse que grupos militantes iniciaram o incêndio para “assumir o controle” dos campos.

Abu Safyan disse que os incêndios ocorreram em vários lugares ao mesmo tempo, o que prova que foram planejados.

Não houve feridos. Mas os incêndios envolveram casas e destruíram as principais redes de infraestrutura – escolas, clínicas e pontos de serviço – em várias áreas do acampamento de Cox’s Bazar.

Ele recomendou uma investigação mais aprofundada para determinar quem foi o responsável pelo acidente.

O incêndio começou às 14h30, horário local (08h30 GMT), no acampamento 11 em Cox’s Bazar, no sudeste de Bangladesh, e foi controlado à noite, disse o relatório.

Cox’s Bazar é o lar de mais de um milhão de refugiados que fugiram de Mianmar após uma repressão militar contra a minoria étnica Rohingya.

Eles moram em cabanas feitas de bambu e lonas finas de plástico. Esses campos de refugiados estão superlotados e sujos, e são propensos a incêndios. Os relatórios iniciais do incêndio do Cox’s Bazar indicaram que o fogo também se espalhou rapidamente pelos fogões a gás comuns nos acampamentos.

Entre janeiro de 2021 e dezembro de 2022, houve 222 incêndios nos acampamentos rohingya, incluindo 60 casos de incêndio, de acordo com um relatório do Ministério da Defesa de Bangladesh divulgado no mês passado.

Em março de 2021, pelo menos 15 pessoas foram mortas e cerca de 50.000 deslocadas após um grande incêndio em um dos acampamentos do assentamento.