setembro 30, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Imagem da NASA retratando uma nuvem histórica de detritos de corpos celestes em colisão

o novoAgora você pode ouvir os artigos da Fox News!

NASA Compartilhe uma imagem que descreve o que os pesquisadores dizem ser a primeira observação de uma enorme nuvem de detritos celestial colisão.

Em um estudo publicado no início deste mês no The Astrophysical Journal, um grupo de astrônomos liderados pela Universidade do Arizona relatou quando uma nuvem de detritos passou na frente de sua estrela e bloqueou brevemente a luz, também chamada de trânsitos.

Sonda da NASA captura primeiras imagens da superfície de Vênus em luz visível

Usando seu conhecimento do tamanho da estrela, eles foram capazes de determinar Tamanho Da nuvem logo após o impacto, estime o tamanho dos objetos que colidiram e observe a velocidade com que a nuvem se dispersa.

Enquanto astrônomos aposentados usando a NASA Telescópio Espacial Spitzer Eu já encontrei evidências desses tipos de colisões em torno de estrelas jovens que são rochosas planetas tomando forma, e essas notas não forneciam muitos detalhes sobre os eventos.

O co-autor George Rickey disse em um declaração. “Todos os casos relatados anteriormente de Spitzer não foram resolvidos, com apenas hipóteses teóricas sobre a forma do evento real e a nuvem de detritos”.

Os autores estão começando a fazer observações direcionais para uma estrela de 10 milhões de anos chamada HD 166191 em 2015.

A NASA disse que a equipe usou o Telescópio Spitzer para fazer mais de 100 observações do sistema nos próximos quatro anos.

Por volta dessa época na vida de uma estrela, a poeira restante de sua formação se combinou para formar planetas menores.

NASA diz que cientistas cidadãos estão encontrando um planeta parecido com Júpiter

READ  O Alasca relata 2 mortes por COVID-19, e um alto número de casos persiste em comunidades em todo o estado

À medida que o gás que anteriormente preenchia o vazio é espalhado, colisões catastróficas entre eles se repetem.

Essas colisões produzem grandes quantidades de poeira e o telescópio detecta luz infravermelha, o que é ideal para detectar essa poeira.

Em 2018, o telescópio viu o sistema estelar se tornando mais brilhante, o que a agência disse indicar um aumento na produção de detritos.

Além disso, o telescópio encontrou uma nuvem de detritos obscurecendo a estrela.

Os pesquisadores descobriram que a nuvem era muito retangular, com uma área estimada de pelo menos três vezes o tamanho da estrela.

O telescópio sugeriu que os detritos se espalharam centenas de vezes maiores que o HD 166191.

Para produzir tal nuvem, a NASA disse que os objetos em colisão teriam que ser do tamanho de mundo dos anões.

CLIQUE AQUI PARA O APP FOX NEWS

Em 2019, a nuvem não era mais visível, mas o sistema estelar continha duas vezes mais poeira do que anteriormente.

“Ao olhar para discos de detritos empoeirados em torno de estrelas jovens, podemos olhar para trás no tempo e ver os processos que podem ter moldado nosso sistema solar”, disse a pesquisadora Kate Sue. “Ao aprender sobre o resultado de colisões nesses sistemas, também podemos ter uma ideia melhor da frequência com que planetas rochosos se formam em torno de outras estrelas.”