maio 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Choque na França após arrastão gigante lançar 100.000 peixes mortos na costa | pescaria

O arrastão holandês FV Margiris, o segundo maior navio de pesca do mundo, derramou mais de 100.000 peixes mortos no Oceano Atlântico. França.

A ministra do Mar da França, Annick Girardin, chamou as imagens dos peixes mortos – que formaram um tapete flutuante de carcaças vistas por ativistas ambientais – de “chocantes” e pediu à autoridade nacional de vigilância pesqueira que inicie uma investigação.

Virginijus Sinkevicius, comissário europeu para o meio ambiente, oceanos e pesca, também disse que busca “informações exaustivas e evidências sobre o caso”.

Peixes mortos flutuando no mar
A ministra do Mar da França, Annick Giardin, chamou as imagens dos peixes mortos de “chocantes”. Fotografia: SEA SHEPHERD/AFP/Getty Images

O derramamento, que aconteceu na madrugada de quinta-feira, foi causado por uma ruptura na rede do arrastão, disse o grupo da indústria pesqueira a Pelagic Freezer-Trawler Association (PFA), que representa o proprietário da embarcação. Em um comunicado, o grupo chamou o vazamento de “ocorrência muito rara”.

“De acordo com a lei da UE, isso foi registrado no diário de bordo da embarcação e relatado às autoridades do estado de bandeira da embarcação, a Lituânia”, afirmou. Acrescentou que os peixes mortos seriam subtraídos da quota do navio.

O braço francês do grupo de campanha Sea Shepherd publicou pela primeira vez imagens do vazamento, mostrando a superfície do oceano coberta por uma densa camada de verdinho, uma subespécie de bacalhau, usada para produzir em massa peixe, óleo de peixe e farinha. Ele disse que o derramamento envolveu mais de 100.000 peixes e cobriu uma área de cerca de 3.000 metros quadrados (32.300 pés quadrados).

FV Margiris
O segundo maior navio de pesca do mundo, o FV Margiris, soltou mais de 100.000 verdinhos mortos no Atlântico. Fotografia: Greenpeace/PA

Arrastões como os Margiris usam redes de arrasto com mais de um quilômetro de comprimento e processam o pescado em fábricas a bordo, uma prática fortemente criticada por ambientalistas.

Após protestos, o Margiris foi forçado a deixar as águas australianas em 2012. O navio tinha uma cota para transportar 18.000 toneladas de peixes do mar, mas foi proibido pelo então ministro do Meio Ambiente do Trabalho, Tony Burke, após protestos públicos.

Dados de tráfego de marinetraffic.com na sexta-feira mostraram que o navio, que é de propriedade da empresa holandesa Parlevilleet & Van der Plas e navega sob a bandeira da Lituânia, ainda estava envolvido em atividades de pesca na costa francesa.

Com Reuters

READ  Exclusivo: Talibã nomeia enviado afegão à ONU e pede para falar com líderes mundiais