novembro 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

AN-225: Confirmação dos planos para reconstruir a maior aeronave do mundo

AN-225: Confirmação dos planos para reconstruir a maior aeronave do mundo

(CNN) – Para os beneficiários, a destruição do maior avião comercial do mundo foi uma das principais imagens do início da invasão russa da Ucrânia. Em fevereiro, um Antonov AN-225 foi atacado em sua base em Hostomil, perto de Kyiv.

Agora parece que eles cumpriram suas promessas, pois a empresa anunciou que os planos para reconstruí-lo já estão em andamento.

Apelidado de “Mriya” – ucraniano que significa “sonho” – o avião gigante foi construído na década de 1980 para transportar o ônibus espacial soviético.

Sua vida posterior, embora um pouco menos glamourosa, foi igualmente imaginativa – era a maior transportadora de carga do mundo, com cerca de duas vezes a capacidade de armazenamento de um Boeing 747, e ganhou status de cult entre os próprios associados. Ele se estendia para 84 metros, ou 275 pés, com a maior envergadura de qualquer aeronave totalmente operacional. Até o momento, é a aeronave mais pesada já construída.

O nariz do avião foi atingido diretamente, segundo o jornalista da CNN Vasco Coutvio, que o viu em abril.

Jacques Guise/AFP/Getty Images

Sua destruição foi anunciada em 27 de fevereiro de 2022, com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba Twitter que “a Rússia pode ter destruído nossa Maria… mas eles não serão capazes de destruir nosso sonho de um estado europeu forte, livre e democrático.”

Antonov disse na época que não conseguiu verificar as condições da aeronave, enquanto o jornalista da CNN Vasco Kotovio observou que o nariz parecia ter sido “diretamente bombardeado” e “completamente destruído” quando o viu em abril. Visita.

“Houve danos extensos nas asas e alguns dos motores. A parte traseira da cauda sobreviveu a grandes choques e tem alguns furos de estilhaços ou balas”, disse ele na época, prevendo que um reparo seria improvável. .

No entanto, Antonov anunciou na segunda-feira em um tweet que o projeto de reconstrução foi concluído Já começou, com Design Works em um futuro próximo. Embora estimou os custos de reparo, a empresa projetou uma conta de mais de 500 milhões de euros (US$ 502 milhões) para colocá-lo de volta no ar e prometeu mais informações “depois da vitória”.

A empresa já anunciou que tem cerca de 30% dos componentes necessários para construir um novo.

READ  Mulher presa por roubar joias de falecido em uma funerária francesa

Originalmente, a empresa de defesa estatal ucraniana Ukroboronprom, que opera o Antonov, divulgou um comunicado estimando a restauração em mais de US$ 3 bilhões – que se comprometeu a pagar à Rússia. Ela disse na época que a reconstrução levaria pelo menos cinco anos.

A empresa disse que a reconstrução custaria mais de US$ 502 milhões.

A empresa disse que a reconstrução custaria mais de US$ 502 milhões.

Matthews e Lodarczyk/NoorPhoto/Getty Images

O anúncio coincide com o lançamento de uma exposição dedicada à aeronave no aeroporto de Leipzig/Halle, na Alemanha, que abriga outras cinco aeronaves Antonov. Light and Shadow: The Antonov Story apresenta imagens do avião antes e depois de sua destruição, enfatizando as proezas de engenharia que ele perdeu quando foi atacado. Ficará em cartaz até o final de dezembro.

Na abertura, Oleksiy Mikheev, embaixador da Ucrânia na Alemanha, declarou que, embora tenha pilotado “quase todas as aeronaves AN, Mriya continua sendo um sonho para mim”, em comunicado divulgado pela empresa.

“Esperamos que seja restaurado e veremos este poderoso pássaro no céu novamente”, acrescentou.

Enquanto isso, se você está sentindo falta do Mriya, você pode construir seu próprio modelo – ou pelo menos o seu próprio. startup ucraniana Hora do Metal Vende kits de projeto mecânico de trabalho AN-225. Cada um custa US$ 99, e os lucros vão diretamente para Antonov para financiar a reconstrução de Mriya, bem como realojar funcionários de Antonov cujas casas foram destruídas pela invasão russa e treinar novos pilotos e engenheiros de voo ucranianos.

Jacobo Brisco e Jack Jay contribuíram para este relatório