outubro 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo - The New York Times

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo – The New York Times

atribuído a ele…Timóteo A. Clary/AFP – Getty Images

A amargura e a amargura da invasão da Ucrânia pela Rússia se espalharam pelas quadras de tênis no Aberto dos EUA mais uma vez nesta quinta-feira, quando Victoria Azarenka, da Bielorrússia, venceu a ucraniana Marta Kostyuk em dois sets por 6-2 e 6-3.

Kostyuk, que afirmou sua crença de que os jogadores da Rússia e da Bielorrússia deveriam ser proibidos de praticar o esporte, se recusou a apertar a mão de Azarenka após sua derrota, optando apenas por clicar com Azarenka quando acabou.

Em abril, Kostyuk e vários outros jogadores da Ucrânia pediram às organizações que governam o tênis para perguntar aos tenistas da Rússia e da Bielorrússia se apoiavam a guerra e denunciá-la se não o fizessem. Na ausência de anúncios contra a guerra, Kostyuk e outros jogadores ucranianos disseram que jogadores da Rússia e da Bielorrússia deveriam ser banidos de qualquer evento internacional.

“Chega um momento em que o silêncio é uma traição, e agora é a hora”, disse o comunicado dos jogadores.

Falando a repórteres em uma coletiva de imprensa pós-jogo, Kostyuk deixou claro que não se importa em apertar a mão de jogadores que não se manifestaram contra a brutalidade da guerra. Também criticou jogadores da Rússia e da Bielorrússia por não se comunicarem com jogadores da Ucrânia, muitos dos quais não puderam voltar para casa desde que a Rússia invadiu seu país em fevereiro.

Kostyuk mandou uma mensagem para Azarenka antes da partida para dizer que ela não apertaria a mão dela após a partida, mas os dois não falaram antes.

READ  Índia intensifica o controle da poluição na capital ao suspender usinas de energia

Foi a segunda vez em duas semanas que Kostyuk perseguiu Azarenka, que apareceu várias vezes nos últimos anos com o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko. Na semana passada, Kostyuk pressionou funcionários da Associação de Tênis dos EUA a proibir Azarenka de participar de uma exibição em favor dos esforços de socorro na Ucrânia. Na quinta-feira, ela defendeu essas ações, dizendo que elas se assemelhariam a uma presença alemã em favor dos judeus europeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Azarenka planejava participar do duelo até que Kostyuk e outros jogadores da Ucrânia protestassem.

Pouco depois de Kostyuk falar na quinta-feira, Azarenka realizou sua própria coletiva de imprensa e defendeu suas ações. Ela disse que entrou em contato com jogadores da Ucrânia, mas enviou mensagens por meio de intermediários do WTA Tour, que a ajuda a se tornar membro do conselho de jogadores.

“Tive uma mensagem muito clara desde o início, que estou aqui para tentar ajudar, e fiz muito”, disse Azarenka. “Talvez não seja algo que as pessoas vejam. E não é isso que eu faço por isso. Eu faço isso para pessoas necessitadas, ou pequenos que precisam de roupas, ou outras pessoas que precisam de dinheiro ou outras pessoas que precisam de transporte ou qualquer outra coisa. Isso é o que é importante. para mim.” mim, para ajudar os necessitados.”

Azarenka disse que, se Kostyuk quisesse falar com ela, ela estaria “a qualquer momento aberta para ouvir e tentar entender e ter empatia”. Ela acrescentou: “Acho que a empatia em um momento como esse é muito importante”.

As tensões entre os jogadores dos países em guerra vêm aumentando há meses.

READ  Biden "não tem planos diretos no momento" de viajar para a Arábia Saudita

Iga Swiatek, o polonês número 1 do mundo que realizou uma arrecadação de fundos para os esforços de ajuda na Ucrânia e condenou a invasão, disse que os líderes esportivos perderam a oportunidade de administrar essas tensões quando a guerra começou.

“Neste momento, acho que é tarde demais para consertar isso”, disse Swiatek na quinta-feira. “Neste momento, é fácil dizer que pode ter havido falta de liderança, mas na época eu também não sabia o que fazer.”