Roteiro de fim de semana em Santarém

em Cultura

quinta-feira:

Esta quinta-feira, dia 20 de setembro, tem início a XI EXPOALCANEDE e XV Mostra Gastronómica, organizada pela Junta de Freguesia de Alcanede, com o apoio da Câmara Municipal de Santarém. A abertura oficial está marcada para as 18h30, ao som da Bandinha da Moca. A edição deste ano prevê a receção aos professores e assistentes do Agrupamento de Escolas D. Afonso Henriques. A animação musical está a cargo de Paulo Holandês.

O certame decorre até dia 23 (domingo, e conta com a participação de cerca de 50 representações institucionais e empresariais, com destaque para o setor da extração e transformação da pedra, a principal atividade económica desta zona do Concelho.

 

sexta-feira:

Esta sexta-feira, dia 21 de setembro, às 18h00, a Sala de Leitura Bernardo Santareno acolhe a Palestra “O Bunho e o Artesanato”, proferida por Manuel Ferreira- Artesão de Bunho, numa organização da Clínica Acupuntura Dr. Faustino Santos, com o apoio do Município de Santarém.

O Bunho é uma planta herbácea (Schoenoplectus lacustris) da família das ciperáceas, comum em áreas húmidas e alagadiças, como riachos, lagoas, pântanos e pauis do norte e centro de Portugal. Cresce em densos maciços, cobrindo largas áreas sobre as águas. Os caules são utilizados no fabrico de esteiras, cestos e assentos de cadeiras.

Esta sexta-feira prossegue a XI EXPOALCANEDE e XV Mostra Gastronómica, organizada pela Junta de Freguesia de Alcanede, com o apoio da Câmara Municipal de Santarém. Às 21h00 a TUFES – Tuna Feminina Scalabitana vai animar o recinto e às 23h00 há baile com a Nova Banda, seguido de DJ.

Às 21h30, assista à Performance “PROPOSIÇÕES”, de Carlos Manuel Oliveira, no Teatro Sá da Bandeira.

Há momentos em que tudo nos parece possível. Algo acontece e logo imaginamos desenlaces com a mesma facilidade com que sonhamos o mundo. Mas entre imaginação e cálculo, entre potência e possibilidade, há a distância de um espaço feito de forças sem forma e tempos sem medida. Permaneçamos na imaginação dos possíveis e logo perceberemos que, mais do que a forma ou o número das coisas, o que nos ocupa e? a sensação de pertença. Pertencemos ao mundo mas, mais do que isso, a uma memória. Vivemos ocupados por ela e com ela nos ligamos ao que lhe diz respeito. Uma pertença incomensurável, uma profundidade sem fundo, para além dos limites da possibilidade. Mas também o mundo avança para além do nosso desejo, como possível. E nós avançamos com ele, mais ou menos frustrados. Não cabe ao mundo cumprir com o nosso desejo mas cabe-nos a nós sonhar como pudermos. E de proposição em proposição imaginar o que podemos.

“Proposições” e? uma coreografia de relações entre um performer e um colectivo de espectadores. E? uma experiência social que faz uso das mecânicas do evento teatral para revelar como este condiciona a percepc?a?o a? sua própria maneira. Recorrendo a um conjunto de subtracc?o?es – subtracc?a?o do performer, subtracc?a?o do colectivo, subtracc?a?o de um qualquer sentido – este trabalho procura activar a cognição que, em cada um, tende a completar o todo com as partes que faltam ou parecem faltar. E porquanto se activa a pertença ao que, individualmente e em colectivo, se entende partilhar, “Proposições” também e? uma coreografia do comum. E? uma estrutura de relações cuja condição e? o movimento que vai da percepc?a?o de uma qualquer potência a? expressão dessa mesma potência enquanto acc?a?o relacional. E para isto basta um gesto, um olhar. Assim sendo, “Proposições” não deixará de ser uma composição de incompletudes.

Ficha técnica: 

Coreografia e Performance: Carlos Manuel Oliveira.

Apoio a? Criação: Incubadora D’Artes (Santarém), Centro de Referência da Dança (São Paulo), Programa de Artistas em Residência (Montevideo), GEN – Centro de Artes y Ciencia (Montevideo).

Apoio a? Internacionalização: Fundação GDA, Fundação Calouste Gulbenkian, DGArtes – Direcc?a?o- Geral das Artes | República Portuguesa – Cultura.

Performance | Duração 60’ | Classificação M/16 | Preço 5€ Lotação limitada

 

sábado:

 

Este sábado, dia 22 de setembro, às 10h30 a Inatel oferece música e dança pelas ruas do Centro Histórico com o Rancho Folclórico da Ribeira de Santarém, integrado no Verão In. Str..

Às 11h00, há In.Movimento – Yoga para todos (aula aberta), a cargo da AMA – Associação Movimento Aberto”Federação Portuguesa de Yoga, no Jardim Portas do Sol, integrada no projeto Verão In. Str.. Entrada livre. À mesma hora há Animação Desportiva Pais e Filhos,, promovida pela DECATHLON, integrada no projeto Verão In. Str.. Entrada livre.

Às 11h30, há Aqui há Fantoches, na Livraria Aqui Há Gato. Entrada livre.

Vamos dar voz às personagens das Histórias de encantar. Prometemos diversão e muita alegria! (Duração) 30’ (Classificação) para todos

 

Das 16h00 às 18h00, o XVI Encontro Internacional de Colecionadores de Pacotes de Açúcar (PORTSUGAR), que decorre na Casa do Campino até domingo, abre ao público.

 

Às 17h00O há Conversa “Oficinas do Convento”, no Palácio Landal, integrada no Projeto Verão In. Str..Conversa sobre as “Oficinas do Convento” de Montemor-o-Novo e o seu projeto artístico, a cargo de Tiago Fróis.

Tiago Fróis desenvolve a sua atividade entre a fotografia e as artes plásticas. É licenciado em Artes Plásticas e Escultura pela FBAUL, foi assistente do fotógrafo José Manuel Rodrigues e frequentou várias oficinas de fotografia. Os seus principais domínios de trabalho e investigação encontram-se no campo da fotografia, escultura e nas intervenções no lugar.

 

Este sábado prossegue a XI EXPOALCANEDE e XV Mostra Gastronómica, organizada pela Junta de Freguesia de Alcanede, com o apoio da Câmara Municipal de Santarém. Às 21h00 atua o Rancho Folclórico das Viegas e às 23h00 há Baile com Grupo Musical Os Lord’s.

 

Às 21h30, assista à Performance “PROPOSIÇÕES”, de Carlos Manuel Oliveira, no Teatro Sá da Bandeira.

Há momentos em que tudo nos parece possível. Algo acontece e logo imaginamos desenlaces com a mesma facilidade com que sonhamos o mundo. Mas entre imaginação e cálculo, entre potência e possibilidade, há a distância de um espaço feito de forças sem forma e tempos sem medida. Permaneçamos na imaginação dos possíveis e logo perceberemos que, mais do que a forma ou o número das coisas, o que nos ocupa e? a sensação de pertença. Pertencemos ao mundo mas, mais do que isso, a uma memória. Vivemos ocupados por ela e com ela nos ligamos ao que lhe diz respeito. Uma pertença incomensurável, uma profundidade sem fundo, para além dos limites da possibilidade. Mas também o mundo avança para além do nosso desejo, como possível. E nós avançamos com ele, mais ou menos frustrados. Não cabe ao mundo cumprir com o nosso desejo mas cabe-nos a nós sonhar como pudermos. E de proposição em proposição imaginar o que podemos.

“Proposições” e? uma coreografia de relações entre um performer e um colectivo de espectadores. E? uma experiência social que faz uso das mecânicas do evento teatral para revelar como este condiciona a percepc?a?o a? sua própria maneira. Recorrendo a um conjunto de subtracc?o?es – subtracc?a?o do performer, subtracc?a?o do colectivo, subtracc?a?o de um qualquer sentido – este trabalho procura activar a cognição que, em cada um, tende a completar o todo com as partes que faltam ou parecem faltar. E porquanto se activa a pertença ao que, individualmente e em colectivo, se entende partilhar, “Proposições” também e? uma coreografia do comum. E? uma estrutura de relações cuja condição e? o movimento que vai da percepc?a?o de uma qualquer potência a? expressão dessa mesma potência enquanto acc?a?o relacional. E para isto basta um gesto, um olhar. Assim sendo, “Proposições” não deixará de ser uma composição de incompletudes.

Ficha técnica: 

Coreografia e Performance: Carlos Manuel Oliveira.

Apoio a? Criação: Incubadora D’Artes (Santarém), Centro de Referência da Dança (São Paulo), Programa de Artistas em Residência (Montevideo), GEN – Centro de Artes y Ciencia (Montevideo).

Apoio a? Internacionalização: Fundação GDA, Fundação Calouste Gulbenkian, DGArtes – Direcc?a?o- Geral das Artes | República Portuguesa – Cultura.

Performance | Duração 60’ | Classificação M/16 | Preço 5€ Lotação limitada

 

domingo:

 

Este domingo, dia 23, às 09h00, tem início o 5º Trail Running “Trilho das Dores”, na freguesia de Abitureiras, concelho de Santarém. O “Trilho das Dores” faz parte do circuito nacional de trail, divide-se em dois trail’s de 35 e 20 quilómetros, respetivamente, e uma caminhada de 15 quilómetros.

Este domingo prossegue a XI EXPOALCANEDE e XV Mostra Gastronómica, organizada pela Junta de Freguesia de Alcanede, com o apoio da Câmara Municipal de Santarém. Às 15h00 há Concerto com a Sociedade Filarmónica Alcanedense e a Sociedade Musical e Recreativa do Xartinho. Pelas 18h00, há Danças de Salão de Aldeia da Ribeira e às 22h00, Baile com RP Music.

 

Em permanência:

 

A Exposição “Pictorin – I Encontro Internacional de Artistas Plásticos”, está patente até dia 22 de setembro e pode ser visitada, de segunda a sexta-feira, das 15h00 às 18h30 e aos sábados, das 10h00 às 13h00, no Fórum Actor Mário Viegas – Centro Cultural Regional de Santarém, integrada no projeto Verão In. Str..

O I Encontro Internacional de Artistas Plásticos em Santarém, conta com 13 artistas oriundos do Brasil, Dinamarca, Inglaterra, França, Polónia, Nigéria e Portugal. Os artistas vêm fundamentalmente trabalhar o Centro Histórico: vê-lo e recriá-lo. As ruas vão servir de cenário. O evento conta ainda com pintores da nossa terra que se vão juntar aos outros artistas para troca de impressões, conversas artísticas e novas ideias, etc.

Até dia 23 de setembro, visite a Exposição Expo Coletiva In.Artes”, integrada no projeto Verão In.Santarém…é um espanto, no Palácio Landal. A exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 15h00 às 18h30.

Esta Exposição coletiva reúne trabalhos de todos os artistas que integraram o In.Artes, nas galerias, composta por pinturas, desenhos e esculturas.

Até dia 28 de setembro, visite a Exposição “Coleção de arte contemporânea ‘Manuela de Azevedo’”, com destaque trimestral para uma obra da autoria de Bartolomeu Cid: “Mayo”, Serigrafia a cores s/ papel, datada de 1978, na Casa-Museu Anselmo Braamcamp Freire. A Exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 09h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

Esta Mostra reúne parte do espólio artístico da jornalista Manuela Ferreira de Azevedo, doado à Câmara Municipal de Santarém no final da década de 80, espólio esse que contempla reconhecidos artistas nacionais e internacionais.

Até dia 29 de setembro, o Fórum Actor Mário Viegas – Centro Cultural Regional de Santarém acolhe a RAS – Residência Artística de Santarém. Encontro de Jovens Criativos, integrada no projeto Verão In.Str.. A Exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 15h00 às 18h30 e aos sábados, das 10h00 às 13h00.

Este evento é um encontro anual que junta jovens artistas de diferentes áreas, de que resultam diversos trabalhos que vão são apresentados numa exposição no dia 22 de setembro.

Sob o tema “Memória”, as iniciativas deste ano incluem: pintura de um mural, realização de uma “social sculpture” realizada em atelier e posteriormente espalhada pela cidade com a interação do público, uma apresentação de videomaping artística, aula com o projeto “Incluir”, um concurso de contos, com o premiado a ser divulgado no último dia, passeio pela cidade com urbansketching, entre outras.

 

Até ao dia 30 de setembro. visite a exposição “As pedras testemunhas silenciosas”, de Carlos Amado, Fernanda Narciso e Mário Rodrigues, nas lojas (números 35 e 60), na Rua Serpa Pinto e integrada no In. Artesm integrada no Projeto Verão In.Str..

“A cidade desfez-se em pedras. Arrancámo-las à terra mãe e construímos as cidades, para depois as destruir. Criamos muros de sacrifício, de obediência, gastamo-las com o nosso corpo em penitências e promessas, criamos catedrais, hinos à vida e à morte. Se cairmos na ravina as pedras rolam connosco e misturam-se com o nosso corpo, os nossos membros endurecem e as nossas mãos tornam-se armas de arremesso e começamos a guerra contra nós próprios.

Ao longe ainda algumas pedras estonteadas se levantam, foram o nosso chão, o chão das nossas coisas, agora somos nós as coisas do seu chão e a pedra entra e rola entre o nosso pé e o sapato e continua a acompanhar-nos no seu ciclo de silêncio.

Cuidamos dos corpos entrelaçados e frios e elas, as pedras, sempre mudas, olham-nos e estão prontas para recomeçar. As pedras esperam, rosadas, brancas ou negras abrem-se e dão-se-nos em flor. Feliz, o nosso olhar é uma ideia, um pensamento, o delas é apenas um silêncio.

Que Arte louca é esta que nos faz arrancá-las do ventre da terra, carregá-las ás costas… que nos deixa, com o nosso saber, rasgá-las ao meio, transformá-las em tendões, músculos e veias?

Podemos, se quisermos, transforma-las em areia, levá-las connosco ao cumprimento do seu sacrifício, da sua obediência, sabendo desde o início que serão sempre nossas testemunhas silenciosas.”

Visite o Núcleo Museológico do Tempo – Torre das Cabaças, de quarta-feira a domingo, das 09h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h30 (sob marcação através do telefone: 243 377 290 ou 912 578 970.

É um dos elementos arquitetónicos mais conhecido e emblemático de Santarém, tendo sido, em tempos, a Torre do Relógio do Senado da Câmara.

A Torre das Cabaças, ou Cabaceiro, como o vulgo a denomina, é na realidade uma Torre Relógio, de que se conhece a introdução em Portugal desde os primórdios do século XV. A designação popular fixou-se nos finais do século XVIII, derivada das sete ou oito cabaças de barro colocadas na estrutura de ferro que suporta o enorme sino de bronze datado do 1604. A Torre Relógio de Santarém, construída em meados do século XV, ergueu-se sobre uma estrutura pré-existente: uma torre do recinto muralhado da Vila medieval ligada à Porta de Alpram ou Alporão.

A sua forma prismática, de um paralelepípedo, com uma base de 9,76 por 7,20 m e altura de 26 m (31,40 m com a estrutura de suporte do sino) foi crescendo por sucessivos acrescentos ao longo do tempo, sempre através do mesmo processo construtivo, de aparelho de alvenaria de pedra calcária irregular e revestida a argamassa de cal e areia.

O seu volume áspero e monolítico eleva-se praticamente isento de fenestração até próximo do cimo. Aí, apresenta oito grandes ventanas, duas em cada face, com as vergas em semi-arco, deixando antever uma pequena parte da calote esférica que cobre o seu último piso, suportando, por sua vez, a estrutura de ferro forjado, de forma trapezoidal, que sustenta o enorme sino de bronze e oito peças cerâmicas em forma de cabaças, cuja função é provocar a ressonância do som do sino ao bater as horas.

Visite o Centro de Interpretação Urbi Scallabis – USCI, no Jardim Portas do Sol, de quarta-feira a domingo das 09h10 às 12h15 e das 14h00 às 17h15.

O Centro de Interpretação Urbi Scalabis concilia, de forma harmoniosa, a dimensão turística e a vertente científica, fruto de um aprofundado trabalho de estudo e investigação.

A área expositiva oferece uma fácil abordagem no domínio inovador da interatividade, que lhe permite, à distância de um toque digital, identificar e localizar o valor do património arquitetónico, a riqueza da tumulária, a abundância da heráldica e a qualidade da azulejaria que a cidade ostenta e que, muitos desconhecem.

A Alcáçova de Santarém, atualmente ocupada pelo Jardim Portas do Sol, ostenta os mais antigos e mais importantes vestígios da ocupação humana de Santarém, constituindo, por essa razão, o local privilegiado para a instalação de um núcleo museológico que materialize a génese e evolução histórico-urbanística da cidade.

O Núcleo da Alcáçova integra em primeiro lugar, um “Centro Interpretativo”. A sala de exposições foi alvo de um projeto de design global, resultado de uma combinação das tradicionais vitrinas com uma componente multimédia, mediante as quais os visitantes recebem explicações prévias sobre o conhecimento existente de cada um dos períodos cronológicos abordados. Os nossos visitantes podem assim iniciar a sua “viagem” pela cidade, explorando os equipamentos existentes no Centro de Interpretação, seguindo depois caminho para as Ruínas Romanas – onde podem encontrar uma montra interativa com algumas explicações. Para mais informações, contate: 243 357 288.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Ultima de Cultura

AMAR O AZEITE

Na próxima edição do Festival Nacional de Gastronomia o Azeite será o
0 0.00
Ir para Topo