Eu Gosto De Santarém – Há 99 anos Revolução de Santarém acabou em 12 mortos

em Cultura

 

Há precisamente 99 anos, Santarém foi palco da tentativa de restaurar a pureza dos ideais da República, desfigurados pela ditadura de Sidónio Pais e seus seguidores. A sublevação anti-sidonista de Santarém teve lugar entre 10 e 17 de Janeiro de 1919, envolveu civis e militares, e contou com a participação de figuras histórias da República como Machado Santos e Álvaro de Castro.
Em Lisboa e Covilhã verificaram-se levantamentos semelhantes, mas o movimento revolucionário foi controlado sem grande dificuldade. Já em Santarém a situação foi bem diferente. Para além de contar com mais tropas sublevadas, reuniu do mesmo lado democráticos, evolucionistas, independentes, ex-sidonistas e socialistas.
Uma proclamação saída de Santarém exigia a demissão do então governo de Tamagnini Barbosa, a dissolução do Congresso, a realização de eleições, para além de indicar a formação de um novo governo constituído pelos partidos republicanos e socialista, mas que integrasse igualmente personalidades sem qualquer filiação partidária.
A cidade foi bombardeada a 14 de Janeiro. Cercada e atacada por colunas militares vindas de Lisboa, Alentejo, Coimbra e Porto, registaram-se 12 mortos e vários feridos entre os revoltosos sitiados.
Com o planalto rodeado por um exército que chegou a ter 15 mil homens, as negociações para a rendição começaram a 15 de Janeiro. Os líderes da revolta depuseram as armas e renderam-se formalmente a 17 de Janeiro, pondo fim à chamada ‘Revolução de Santarém’.
A revolta foi seguida em todo o País, com o governo a emitir diversas notas oficiosas que distribuiu pela imprensa. A 17 de Janeiro de 1919, podia ler-se que “as tropas leais ao governo ocuparam Santarém desde esta manhã. O Sr. Coronel Andrade Velez que era quem comandava as operações militares do sul assumiu o comando militar de Santarém. Foram organizadas colunas volantes para a captura dos revoltosos que não foram presos por andarem a monte. O serviço de comboios na linha do norte fica hoje normalizado”.
As imagens mostram o Campo Sá da Bandeira, após a entrada na cidade das tropas leais ao governo e a realização de uma missa em homenagem aos mortos do conflito.

Veja mais fotos e informação em:
http://www.eugostodesantarem.pt/textos/historias/a-revolta-de-santarem-janeiro-de-1919
http://www.eugostodesantarem.pt/memorabilia/recortes/os-acontecimentos-de-santarem-na-revista-ilustracao-portugueza-1919

Carlos Quintino
info@eugostodesantarem.pt

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*