dezembro 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Wagner: O chef de Putin, Yevgeny Prigozhin, admitiu ter criado um uniforme de mercenário em 2014

Wagner: O chef de Putin, Yevgeny Prigozhin, admitiu ter criado um uniforme de mercenário em 2014



CNN

Yevgeny Prigozhin, um dos oligarcas mais esquivos da Rússia, agora admite ter fundado a empresa militar privada conhecida como Wagner em 2014, refletindo anos de negações sobre sua conexão com a misteriosa organização.

Prigozhin está muito perto do Kremlin Conhecido como o “chef” do presidente russo Vladimir Putin.

Nas mídias sociais na segunda-feira, Prigozhin divulgou um comunicado por meio de sua empresa Concord Catering, que começou dizendo: “Vamos brevemente aos ativos”.

Em uma declaração longa e animada, ele continuou dizendo que os movimentos separatistas apoiados pela Rússia em 2014 em Donbass, no leste da Ucrânia, foram o catalisador para sua fundação.

Prigozhin afirmou que ele pessoalmente “limpou armas antigas, descobriu coletes à prova de balas para mim e encontrou especialistas que poderiam me ajudar nesse assunto. A partir desse momento, a partir de 1º de maio de 2014, nasceu um grupo de patriotas”.

A CNN tem Mercenários Wagner Trackers na República Centro-Africana, SudãoLíbia, Moçambique, Ucrânia e Síria. Ao longo dos anos, eles adquiriram uma reputação particularmente horrível e foram associados a vários abusos dos direitos humanos.

Em 2019, a equipe da CNN obteve acesso a um arquivo Base de Treinamento Wagner no CAR. Dois anos depois, a CNN Expondo violações flagrantes dos direitos humanos Foi cometido por combatentes russos no país. As comunicações interceptadas compartilhadas com a CNN em 2020 mostraram uma operação de agentes russos de Rastreamento e monitoramento de jornalistas da CNN Eles também relataram as operações de Wagner na República Centro-Africana no ano anterior.

Recentemente, o grupo erguido no Malionde grupos de direitos humanos alegam que ela está implicada em uma série horrível de assassinatos.

Os Estados Unidos sancionaram Prigozhin em 2019 por seu papel na gestão de uma fábrica online de Trolls, acusado de tentar minar a eleição presidencial dos EUA em 2016.

Observadores dizem que Wagner frequentemente agia como um braço informal da política externa russa, embora a atividade mercenária seja tecnicamente ilegal na Rússia.

Durante anos, Prigozhin negou consistentemente ter vínculos com o Grupo Wagner. Ele abriu processos contra os meios de comunicação russos que o investigaram e menosprezou os jornalistas que o interrogaram.

Mas seu anúncio na segunda-feira parece ter sido o culminar de uma emergência gradual das sombras nas últimas semanas – e pode refletir a mudança no equilíbrio de poder na Rússia, à medida que a campanha de Putin na Ucrânia vacila.

No início de setembro, apareceu na Internet um vídeo de um homem careca e obeso que parecia ser Prigozhin prometendo anistia a prisioneiros russos por seis meses de serviço militar. Outro mostrou o que parecia ser o mesmo homem conversando com líderes militares.

No vídeo que mostra o que parecia ser Prigogine com os condenados, ele disse: “Sou representante de uma empresa militar privada. Você já deve ter ouvido falar de nós, PMC Wagner”.

Ele acrescenta: “Os primeiros prisioneiros que lutaram comigo participaram no dia 1º de junho durante o assalto à usina de Voglidar. Quarenta homens entraram nas trincheiras inimigas e os cortaram com facas.”

Nos dias após o vídeo aparecer na Internet, a empresa de Prigozhin, Concorde, emitiu uma declaração bizarra, não confirmando nem negando a identidade da pessoa que apareceu no vídeo. “Na verdade, podemos confirmar que a pessoa do vídeo é muito parecida com Yevgeny Viktorovich [Prigozhin]”, disse ele. “Além disso, o discurso da pessoa no vídeo é muito bem entregue, assim como o discurso de Evgeny Viktorovich. [Prigozhin]. E alguém que se parece com Yevgeny Viktorovich [Prigozhin] Ele explica claramente coisas simples e compreensíveis para pessoas comuns.”

Recentemente, o mesmo homem apareceu no funeral de um dos combatentes de Wagner. Ele foi visto (no vídeo) vestindo calças cáqui apertando as mãos e confortando a família reunida ao redor do caixão de seu filho.

Então, apenas alguns dias atrás, o “chef” supostamente tímido da câmera apareceu em vídeos nas mídias sociais mostrando-o saindo de um helicóptero para uma reunião tarde da noite com seus conselheiros.

Há outra aceitação. A chegada de um grande número de recrutas é iminente. Prigozhin pode ser ouvido dizendo: “Estamos prestes a ter um grande influxo daqueles que, francamente, querem realizar tarefas especiais, ir à guerra”.

Uma voz pergunta se eles podem vazar o vídeo. “Vagas”, respondeu Prigozhin, “para que eles saibam que não estamos apenas cutucando o nariz aqui.”

Quando perguntado em um post de mídia social na segunda-feira por que ele parou de negar seu envolvimento com o Grupo Wagner, Prigozhin disse: “Há muito tempo evitei os golpes de muitos oponentes com um objetivo principal – para não machucar esses caras. [fighters]que são a base do patriotismo russo.

Com a “operação militar especial” de Moscou vacilando na Ucrânia, a busca pela regeneração das fileiras exaustas e humilhadas tomou um rumo ruim.

Uma investigação da CNN em agosto descobriu evidências de recrutas de Wagner visitando as colônias penais da Rússia em busca de recrutas para se juntarem às suas fileiras. Sua recompensa – seis meses de trabalho por uma bolsa de saúde e, se sobreviverem, liberdade. Se eles morrerem, haverá um montante fixo para suas famílias.

Quando Putin anunciou na semana passada uma mobilização parcial do país, após os grandes ganhos da Ucrânia no campo de batalha, a medida provocou protestos, raiva e um êxodo em massa de homens em idade de serviço na Rússia.

Marina Myron, do Departamento de Estudos de Defesa do King’s College London, sugeriu chamar e usar mercenários Wagner na Ucrânia com qualquer surpresa, porque seus combatentes servem a um propósito especial.

Não é um afastamento da maneira usual de trabalhar. Ela disse, referindo-se às atrocidades dos mercenários Wagner que lutaram pelo controle da A cidade síria de PalmiraAssim como seu papel na Líbia e na Ucrânia.

A lista cada vez maior de fracassos no campo de batalha levou os blogueiros militares russos a irem ainda mais longe, sugerindo em postagens em plataformas como o Telegram que um novo homem precisa assumir o esforço de guerra. Muitos acreditam que este homem deve ser Prigozhin.

Esses fatores podem levar um pouco a descrever seu súbito amor pela câmera – e o primeiro reconhecimento de seu papel como Wagner.

“Nos últimos dois meses, ele tentou obter mais crédito e reconhecimento público e se tornar um herói improvável para militantes, até mesmo outros soldados que estão insatisfeitos com a incompetência de seus líderes militares e adoram a postura muito agressiva de YP”, Christo Grosev, da Bellingcat, um grupo de investigação online, disse à CNN, em uma entrevista realizada antes do anúncio de Prigozhin.

Mas Grosev acrescentou que as ambições de Prigozhin podem não se limitar apenas às relações públicas.

Dias atrás, ele enviou uma saudação calorosa a um Chefe de Estado africano. Ele também elogiou as virtudes de sociedades fechadas como a China e a Coreia do Norte. Assim, começamos a nos perguntar se ele tem algumas ambições políticas.

É claro que Prigozhin está tirando a si mesmo e Wagner das sombras. O anúncio de sua propriedade marca um novo capítulo na presença agora pública de Wagner.

Este movimento também levanta a questão, os erros da Rússia no campo de batalha empurraram Prigozhin e sua temível brigada de combatentes para a esfera pública, e ele quer compensação política por isso?

READ  A Áustria impõe novamente o bloqueio total da Covid, tornando a vacinação obrigatória