outubro 7, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Vitaly Gerasimov: Ucrânia reivindica a morte do general russo em Kharkiv

Vitaly Gerasimov: Ucrânia reivindica a morte do general russo em Kharkiv

O breve comunicado divulgado na segunda-feira não forneceu nenhuma evidência da morte do major-general Vitaly Gerasimov, nem forneceu detalhes de quando ele foi morto.

A mídia estatal russa não disse nada na terça-feira sobre Gerasimov, embora tenha mencionado outros russos mortos na Ucrânia.

A CNN não conseguiu verificar de forma independente a afirmação da Ucrânia, e o Ministério da Defesa da Rússia não respondeu imediatamente às perguntas da CNN sobre Gerasimov na terça-feira, feriado em Rússia. Um alto funcionário da defesa dos EUA disse na terça-feira que os Estados Unidos não poderiam confirmar as alegações ucranianas.

A Ucrânia descreveu Gerasimov como um “comandante militar russo, major-general, chefe de gabinete e primeiro vice-comandante do 41º Exército do Distrito Militar Central da Rússia” e disse que ele era um veterano das campanhas russas na Chechênia e na Síria.

Um comunicado do Ministério da Defesa ucraniano disse que “vários oficiais superiores do exército russo foram mortos e feridos”.

O ministério ucraniano também aludiu em sua declaração aos problemas de comunicação que diz que os militares russos estão enfrentando. Christo Grosev, diretor executivo da agência de investigação de código aberto Bellingcat, afirmou em um tópico no Twitter que informações sobre a morte do general podem ter sido obtidas a partir da interceptação de um telefonema em uma rede não segura.

A CNN não conseguiu confirmar esses detalhes.

Franz Stefan Gade, pesquisador do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), disse à CNN que a morte do general é “uma prova da ferocidade dos combates perto de Kharkiv”, embora tenha acrescentado que relatos ucranianos sobre a morte de um oficial russo. Os oficiais permaneceram ambíguos.

READ  Um major-general aposentado investiga pressões não reveladas em favor do Catar

Gade também disse que era uma indicação de que o alto escalão da Rússia “precisa liderar da frente para se reagrupar e reforçar suas forças” e “empurrar seus soldados para atacar” em meio ao baixo moral das tropas.

Ele observou que tal abordagem poderia levar a mais relatos de militares de alto escalão sendo mortos.

As forças russas lançaram ataques contínuos em Kharkiv nos últimos dias. Pesados ​​bombardeios de artilharia, ataques aéreos e incêndios em bairros residenciais destruíram a principal cidade do nordeste, mas ela ainda não caiu nas mãos dos russos.

forças russas Ainda enfrentando a resistência ucraniana E eles estão fazendo mais progresso no sul da Ucrânia do que em qualquer outro lugar do país, de acordo com um alto funcionário da defesa dos EUA.

“Kharkiv atualmente tem abastecimento de água e aquecimento para todos os edifícios ainda de pé, exceto aqueles que foram destruídos”, disse o prefeito da cidade, Igor Terekhov, à CNN Today na terça-feira.

Terekhov descreveu os ataques como “genocídio” e perguntou: “O que poderia ser de outra forma? Não há infraestrutura militar, nem instalações militares nessas áreas. As greves acontecem em jardins de infância, escolas, maternidades e clínicas”.

“Isso não é um acidente. Eu posso entender quando há um ataque acidental. Mas quando você atinge centenas de prédios civis, não é acidental. Este é um ataque direcionado”, disse ele.

A administração regional de Kharkiv disse em um post no Facebook no domingo que o “repetido bombardeio” da torre de televisão da cidade interrompeu as transmissões de rádio e televisão.

O Kremlin negou ter como alvo a infraestrutura civil da Ucrânia, apesar de várias perdas documentadas.

READ  Os Estados Unidos e a União Europeia alinham-se exclusivamente em mais de 20 outros países para o acordo global do metano

Amy Cassidy, Michael Conti e Barbara Starr, da CNN, contribuíram para este relatório.