agosto 7, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia participa de reunião do G20 ofuscada por conflito na Ucrânia

Rússia participa de reunião do G20 ofuscada por conflito na Ucrânia

  • Lavrov em reuniões com alguns dos críticos mais ferozes da Rússia
  • Palestras sobre segurança alimentar e energética global
  • Secretário de Relações Exteriores britânico Truss corta viagem curta – BBC

NUSA DUA, Indonésia (Reuters) – O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, terá seu primeiro encontro próximo com os críticos mais ferozes da invasão da Ucrânia por seu país em uma reunião do G20 na Indonésia que começou nesta quinta-feira.

Espera-se que o conflito russo-ucraniano e a crise alimentar global atribuída à guerra sejam a frente e o centro da reunião de dois dias dos ministros das Relações Exteriores na ilha de Bali. Consulte Mais informação

O jantar de boas-vindas de quinta-feira será a primeira vez que o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Vladimir Putin Lavrov, abordou os oponentes mais ruidosos da invasão da Ucrânia por Moscou em fevereiro, que Moscou descreveu como uma “operação militar especial”.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A agência de notícias russa TASS informou que Lavrov planeja se encontrar com alguns de seus colegas à margem da cúpula, mas ministros como a alemã Annalina Birbock e o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, descartaram reuniões separadas com ele.

A ministra australiana das Relações Exteriores, Penny Wong, disse que seu país e outros países com ideias semelhantes usariam a reunião do G-20 para destacar o impacto da guerra.

“Vamos esclarecer coletivamente nossas opiniões sobre a posição da Rússia e o comportamento da Rússia”, disse ela.

No entanto, a secretária de Relações Exteriores britânica Liz Truss pode sair mais cedo: a BBC informou que ela planeja retornar a Londres em meio ao drama político em torno da renúncia do primeiro-ministro Boris Johnson.

READ  Famílias furiosas das vítimas do MH17 acusam a Rússia de mentir

Um funcionário do Ministério das Relações Exteriores britânico se recusou a comentar.

O G-20 inclui países ocidentais que acusaram Moscou de crimes de guerra na Ucrânia – o que nega – e impuseram sanções, mas também países como China, Indonésia, Índia e África do Sul foram mais silenciados em suas respostas.

Falando após seu encontro com seu colega chinês Wang Yi, Lavrov enfatizou a importância das relações russo-chinesas na formação de “um mundo mais justo e democrático baseado nos princípios do direito internacional, principalmente na Carta das Nações Unidas”.

Ele também criticou o que disse ser um “Ocidente” “abertamente agressivo” que busca manter sua posição privilegiada e domínio nos assuntos internacionais.

crise alimentar mundial

Algumas autoridades americanas e europeias enfatizaram que a reunião não será “como de costume”. Um porta-voz do ministro das Relações Exteriores alemão disse que os países do G7 coordenariam sua resposta a Lavrov.

Em 2014, o Grupo dos Sete excluiu a Rússia do que ficou conhecido como Grupo dos Oito, devido à anexação da Crimeia.

Altos funcionários da Grã-Bretanha, Canadá e Estados Unidos se retiraram dos representantes russos em uma reunião financeira do G20 em Washington em abril. Mas, apesar das conversas iniciais sobre um boicote às reuniões subsequentes do G-20, alguns analistas dizem que os países ocidentais podem ter decidido que seria contraproducente.

Um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA disse na quinta-feira que é importante manter o foco no que a Indonésia estabeleceu para sua presidência do G20 e “não permitir que quaisquer interrupções ou boicotes o façam”.

Energia e segurança alimentar estão na agenda da reunião de Bali, enquanto os países ocidentais acusam a Rússia de alimentar a crise alimentar global e exacerbar a inflação ao bloquear os embarques de grãos da Ucrânia. A Rússia disse que está pronta para facilitar a exportação de grãos sem impedimentos.

READ  A ONU diz ter "informações crescentes" confirmando a existência de valas comuns em Mariupol

Em seu encontro com China Wang, o ministro das Relações Exteriores da Indonésia, Retno Marsudi, enfatizou a necessidade de salvaguardar a estabilidade regional e resolver questões globais relacionadas ao conflito russo-ucraniano.

“A solidez das vozes dos países em desenvolvimento é necessária para parar a guerra e reintegrar as exportações de alimentos da Ucrânia e da Rússia na cadeia de suprimentos global”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Indonésia em comunicado.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Stanley Widianto em Nusa Dua e Kirsty Needham em Sydney e David Bronstrom em Tóquio Redação de Kate Lamb Edição de Ed Davies e Frances Kerry

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.