Maio 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O primeiro-ministro Trudeau disse que o Canadá não será intimidado pela retaliação chinesa

O primeiro-ministro Trudeau disse que o Canadá não será intimidado pela retaliação chinesa

OTTAWA (Reuters) – O primeiro-ministro Justin Trudeau disse nesta terça-feira que a China não vai intimidar o Canadá depois de expulsar dois diplomatas por Ottawa e Pequim.

Ottawa expulsou o diplomata chinês Zhao Wei na segunda-feira por alegações de interferência estrangeira e, horas depois, a China pediu a um diplomata canadense em Xangai que saísse até 13 de maio em resposta ao que chamou de “ações irracionais” de Ottawa.

“Entendemos que haverá retaliação, mas não teremos medo e continuaremos a fazer o que for necessário para proteger os canadenses da interferência estrangeira”, disse Trudeau a repórteres em Ottawa.

A briga se intensificou desde a prisão do CEO da Huawei Technologies, Meng Wanzhou, em 2018, e a subsequente prisão de dois canadenses em Pequim por acusações de espionagem. Todos os três são lançados em 2021.

Alguns temem que a última escalada possa ter repercussões econômicas para o Canadá. As importações chinesas de produtos canadenses aumentaram 16% no ano passado, para um recorde de C$ 100 bilhões (US$ 74,8 bilhões), e a China é o segundo maior parceiro comercial do Canadá depois dos Estados Unidos.

No ano passado, Pequim suspendeu uma proibição de três anos às importações de canola, a maior safra do Canadá, das tradings Richardson International e Vitera, imposta em 2018. A China também é um grande importador de potássio e trigo canadenses.

“Com a China, há sempre um risco de retaliação”, disse Tyler McCann, diretor-gerente do Canadian Agri-Food Policy Institute. “(Mas) o governo chinês parece ser mais sensível à segurança alimentar do que anos atrás, e isso pode mitigar os riscos.”

A oferta global de trigo e óleos vegetais está apertada devido à guerra na Ucrânia, o que pode tornar difícil para a China limitar as importações de trigo e canola canadenses.

Guy Saint-Jacques, ex-embaixador canadense na China, disse em uma entrevista transmitida pela Canadian Broadcasting Corporation que a China teve “uma resposta muito ponderada”. Ele disse que os chineses poderiam ter respondido expulsando um ou mais altos funcionários.

Saint-Jacques também disse que não espera que a China recorra a sanções econômicas porque Pequim está tentando assegurar às empresas estrangeiras que elas podem operar lá após a remoção das rígidas restrições ao coronavírus.

Este ano, Pequim estendeu o tapete vermelho para líderes ocidentais, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, procurou líderes corporativos para garantir que o país estivesse aberto para negócios.

Saint-Jacques acrescentou que Pequim estava lançando um “ataque de feitiçaria (para persuadir) empresas estrangeiras a retornar à China para investir”. Portanto, impor sanções ao Canadá neste momento teria enviado uma mensagem muito ruim para as empresas estrangeiras”.

(US$ 1 = 1,3372 dólares canadenses)

(Reportagem de Ismail Shakil em Ottawa)

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.