janeiro 27, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Ocidente invadiu o mercado de petróleo.  O que acontece a seguir depende da Rússia

O Ocidente invadiu o mercado de petróleo. O que acontece a seguir depende da Rússia


Londres
CNN Negócios

A maior parte das exportações de petróleo bruto da Rússia para a Europa está agora proibida, marcando o esforço mais ousado do Ocidente para aumentar a pressão financeira sobre o presidente Vladimir Putin. Guerra brutal na Ucrânia Ele está entrando no décimo mês.

O embargo do petróleo que foi concordou No final de maio, entrou em vigor na União Europeia na segunda-feira. Foi acompanhado por um novo limite no preço do petróleo russo desenvolvido pelos países do G7. Isso é projetado para limitar a receita do Kremlin, permitindo que países como China e Índia continuem comprando petróleo russo, desde que não paguem mais de US$ 60 por barril.

o que aconteceu depois disso É provável que dependa da resposta de Moscou, que prometeu não cooperar com o teto de preços e pode cortar sua produção, perturbando os mercados globais de energia. preços mundiais do petróleo Ele subiu 2,6% na segunda-feira, enquanto os investidores aguardavam nervosamente o próximo movimento.

Aqui está o que você precisa saber sobre o embargo do petróleo, preço máximo e… efeito potencial.

A UE agora proíbe as importações de petróleo bruto russo por via marítima, eliminando gradualmente o bloco 90% das importações de petróleo são da Rússia. É um grande passo considerando que a Europa recebeu aprox. Terceiro de suas importações de petróleo da Rússia em 2021. Mais da metade das exportações da Rússia foram para a Europa há 12 meses.

Há poucas exceções. A Bulgária recebeu um corte temporário. A proibição também não visa as importações de pipeline. Isso significa que o oleoduto Druzhba pode continuar abastecendo a Hungria, a Eslováquia e a República Tcheca. (Alemanha e Polônia estão encerrando as importações de oleodutos da Rússia O mais breve possível.)

Mas o bloqueio é grande. Em 2021, a União Europeia importou 48 bilhões de euros (US$ 50,7 bilhões) em petróleo bruto e 23 bilhões de euros (US$ 24,3 bilhões) em produtos petrolíferos refinados da Rússia. Dois terços dessas importações chegaram por via marítima.

READ  Uma onda de calor brutal viaja do Reino Unido e da França para a Europa Central

A proibição de produtos petrolíferos refinados russos, como óleo diesel, importados por mar começará no início de fevereiro.

A União Europeia, assim como os outros membros do G7 – Estados Unidos, Canadá, Japão e Reino Unido – e a Austrália também concordaram na sexta-feira em Teto do preço do petróleo bruto russo a $ 60 o barril, uma política voltada para os outros clientes de Moscou. A medida também entrou em vigor nesta segunda-feira.

O teto de preço, que pode ser ajustado ao longo do tempo, foi projetado para ser imposto por empresas que fornecem frete, seguro e outros serviços para o petróleo russo. Se o comprador pagar mais do que o limite máximo, ele reterá seus serviços, Em teoria, evita que o óleo carregue. A maioria dessas empresas está sediada na Europa ou no Reino Unido.

Apesar das sanções sem precedentes do Ocidente, a economia da Rússia e os cofres do governo foram recheados com sua posição lucrativa como o segundo maior exportador mundial de petróleo bruto depois da Arábia Saudita.

Em outubro, a Rússia exportou 7,7 milhões de barris de petróleo por dia, apenas 400.000 barris a menos do que os níveis anteriores à guerra, segundo a Agência Internacional de Energia. A receita com petróleo bruto e produtos refinados é atualmente de US$ 560 milhões por dia.

Ao eliminar rapidamente as importações, a Europa espera reduzir os fluxos para o baú de guerra de Putin, tornando mais difícil para ele continuar sua guerra na Ucrânia.

Mas estados amam China e Índia Subi na compra de barris excedentes. É aqui que o limite de preço entra em jogo.

Os países do G7 não querem retirar completamente o petróleo russo do mercado, pois isso aumentaria os preços globais em um momento em que a alta inflação está prejudicando suas economias. Ao decretar um teto de preço, eles esperam manter os barris fluindo, mas tornar os negócios menos lucrativos para Moscou.

READ  O tufão Ray deixa 31 mortos e ampla destruição nas Filipinas

Isso está longe de ser certo. Países como a Polônia e a Estônia queriam um teto de preço mais baixo, afirmando que US$ 60 é muito próximo do preço atual de mercado do petróleo russo. No final de setembro, o petróleo bruto dos Urais da Rússia estava sendo negociado pouco abaixo de US$ 64 o barril.

“O acordo de teto de preço do petróleo de hoje é um passo na direção certa, mas não é suficiente”, disse o ministro das Relações Exteriores da Estônia, Urmas Rainsalo tweet sexta-feira. “Por que ainda estamos dispostos a financiar a máquina de guerra russa?”

A implementação também pode ser difícil. A Rússia e seus clientes podem começar a usar mais navios e seguradoras fora da Europa e do Reino Unido para contornar as regras, contando cada vez mais com a chamada “frota paralela”.

“A capacidade dessa frota está crescendo e provavelmente vai lidar com volumes russos por um tempo”, disse Richard Bruns, chefe de geopolítica da empresa de pesquisa Energy Aspects.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na segunda-feira que Moscou “não reconhecerá nenhum teto de preço”. O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, disse no domingo que a Rússia não exportará petróleo para países que aderirem ao limite, mesmo que isso signifique cortar a produção.

Os preços do petróleo caíram acentuadamente desde a primavera, pois as preocupações com uma recessão global podem prejudicar a demanda. Agora, todos os olhos estão voltados para a resposta da Rússia. Peskov disse que o limite de preço foi um passo para “desestabilizar os mercados globais de energia”.

Moscou precisa encontrar clientes substitutos para os 1,1 milhão de barris por dia de petróleo bruto que ainda estão fluindo para a Europa, de acordo com a Agência Internacional de Energia. Isso pode não ser fácil, especialmente porque as restrições do coronavírus e a desaceleração do crescimento na China pesam sobre a demanda da segunda maior economia do mundo.

READ  Forças ucranianas receberam flores em Kherson após a retirada dos russos

O limite de preço aumenta a incerteza. Os clientes em potencial podem decidir que comprar produtos russos se tornou muito arriscado e complicado, levando outro grupo de compradores para fora do mercado.

Como o Kremlin ameaçou, a Rússia pode cortar sua produção de petróleo como resultado. A Agência Internacional de Energia estimou que a Rússia reduzirá sua produção em 1,4 milhão de barris por dia até o início de 2023.

Outros fatores também determinam os preços. Os raros protestos na China levantaram questões sobre o compromisso do país com uma política de “covid zero”, e a demanda pode aumentar se sua economia acelerar.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) também pode mudar sua produção. O cartel decidiu no domingo Compromisso com os cortes de produção anunciados anteriormentedando mais tempo para avaliar os efeitos da proibição e do limite de preço.

A proibição da Europa de produtos petrolíferos refinados em fevereiro pode ser um ponto positivo para os preços da energia, já que a região continua dependente do diesel russo. Encontrar fontes alternativas em apenas alguns meses pode ser um desafio.

Anna Chernova contribuiu com reportagem.