setembro 29, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

“Nossa meta é cultivar 1.000 hectares de abacates entre Espanha e Portugal.”

O Grupo De Prato reforçou a sua liderança ao adquirir as empresas Elaia e Tangerina do Grupo Atitlán, o que lhe permite ter quase 30.000 hectares de oliveiras de lagar, oliveiras de mesa e amendoeiras, com uma receita total de 250 milhões de euros e mais de 700 permanentes trabalhadores.

De Prado gere 144 quintas distribuídas em Espanha, Portugal, Chile e Estados Unidos, bem como uma infraestrutura industrial que inclui seis lagares, uma fábrica de esmalte de azeitona de mesa e duas fábricas de processamento de amêndoa. “Somos uma empresa familiar com um negócio que não para de crescer”, enfatizou o presidente da empresa, José Luis de Prado.

Isso é comprovado pelo próximo passo que a empresa planeja dar, que envolve a produção de manteiga e pistache. “Fizemos parceria com o Grupo Granot, empresa israelense que comercializa 40.000 toneladas de abacates na Europa e tem plantações no Chile e no Quênia. Nossa meta é ter um total de 1.000 hectares dedicados a essa cultura na Espanha e em Portugal. Temos que escolha esta fruta porque é muito equilibrada com o clima e a água, a área certa”, disse José Luis. “Paralelamente, achamos que podemos iniciar um importante projeto de plantio de pistache. Faremos isso nós mesmos e nossa equipe técnica pode contar com a experiência do cultivo de amendoeiras.”

Atualmente, o preço das fazendas aumentou devido ao grande número de fundos de investimento entrando no setor agrícola e aumentando a pressão de compra, disse José Luis de Prado. “É lógico que os fundos estejam mais interessados ​​nesse setor, pois o agronegócio pode ser muito lucrativo. Mas também pode ser um negócio destrutivo se escolher a fazenda errada e tiver uma gestão ineficiente.”

READ  Covit-19: atualização de Portugal, 2 de setembro

Fonte: sevilla.abc.es