Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Mais inteligente do que se pensava – os cientistas descobriram uma construção de Neandertal surpreendentemente avançada

Mais inteligente do que se pensava – os cientistas descobriram uma construção de Neandertal surpreendentemente avançada

A ferramenta de pedra foi cimentada em um cabo feito de betume líquido com adição de 55% de ocre. Não é mais pegajoso e pode ser facilmente manuseado. Crédito: Patrick Schmidt

A análise de ferramentas com 40 mil anos revelou um nível de construção surpreendentemente sofisticado.

Uma equipe de pesquisadores descobriu que os Neandertais fabricavam ferramentas de pedra usando cola multicomponente avançada. Esta descoberta, o exemplo mais antigo conhecido de um adesivo tão avançado na Europa, sugere que estes primeiros parentes humanos possuíam um maior grau de sofisticação intelectual e cultural do que se pensava anteriormente.

Trabalho, relatado na revista Avanço da ciênciaIsso incluiu pesquisadores da Universidade de Nova York, da Universidade de Tübingen e dos Museus Nacionais de Berlim.

Inovações técnicas dos Neandertais

“Estas ferramentas surpreendentemente bem preservadas apresentam uma solução técnica muito semelhante a exemplos de ferramentas feitas pelos primeiros humanos modernos em África, mas a receita exacta reflecte o ‘spin’ neandertal, a produção de cabos para ferramentas portáteis”, diz Radu Iovita. , Professor Associado da Universidade de Nova YorkCentro para o Estudo das Origens Humanas.

A equipe de pesquisa, liderada por Patrick Schmidt, do Departamento de Ecologia Pré-histórica e Quaternária da Universidade de Tübingen, e Ewa Dutkiewicz, do Museu de Pré-história e História Antiga dos Museus Nacionais de Berlim, reexaminou descobertas anteriores do sítio arqueológico. de Le Mostier em Berlim. França, que foi descoberta no início do século XX.

Micrografia mostrando vestígios de corrosão em uma ferramenta

Micrografia mostrando vestígios de desgaste em uma ferramenta usada pelos Neandertais durante o Paleolítico Médio. As localizações das micrografias no artefato estão indicadas no desenho (canto superior esquerdo) em vermelho. A) Polimento ou brilho na borda ativa do cabo da ferramenta. b) Faça o polimento das manchas coloridas na área coberta com adesivo. c) A crista entre superfícies côncavas formada pela remoção de pedaços de pedra que foram removidos, em vez de desgastados naturalmente. d) Borda desbotada ou desgastada na área aderente coberta com adesivo. A comparação entre (c) e (d) indica que a peça desgastada está dentro da área coberta pelo adesivo projetado. As imagens são mostradas em mícrons. Fonte da imagem: Desenho do Dr. Greenert, Staatliche Museen em Berlim

As ferramentas de pedra de Le Moustier – usadas pelos neandertais durante o Paleolítico Médio do período Mousteriano entre 120.000 e 40.000 anos atrás – estão preservadas na coleção do Museu de Pré-história e História Antiga de Berlim e nunca foram examinadas em detalhes antes. As ferramentas foram redescobertas durante a revisão interna do grupo e seu valor científico foi reconhecido.

“Os itens foram embalados individualmente e não foram tocados desde a década de 1960”, diz Dutkiewicz. “Como resultado, os restos de matéria orgânica aderidos ficam muito bem preservados.”

Descobrindo tecnologias antigas

Os pesquisadores descobriram vestígios da mistura de ocre e betume em muitas ferramentas de pedra, como raspadores, lascas e lâminas. Ocre é um pigmento natural da terra. O betume é um componente do asfalto e pode ser produzido a partir do petróleo bruto, mas ocorre naturalmente no solo.

“Ficamos surpresos ao ver que era mais de 50% ocre”, diz Schmidt. “Isso ocorre porque o betume seco ao ar pode ser usado como adesivo sem alterações, mas perde suas propriedades adesivas quando grandes proporções de ocre são adicionadas.”

Ele e sua equipe examinaram esses materiais em testes de tração, usados ​​para determinar a resistência e outras métricas.

Betume líquido e corante de terra

Betume líquido e ocre terroso antes de misturar. Crédito: Patrick Schmidt

“Foi diferente quando usamos betume líquido, que não é muito adequado para adesão. Se for adicionado 55% de ocre, forma-se uma massa maleável”, diz Schmidt.

A mistura era pegajosa o suficiente para que a ferramenta de pedra ficasse grudada nela, mas não grudasse nas mãos, tornando-a um material adequado para o cabo.

A importância dos resultados

Na verdade, o exame microscópico dos vestígios de desgaste destas ferramentas de pedra revelou que os adesivos encontrados nas ferramentas de Le Mustier foram utilizados desta forma.

“As ferramentas apresentaram dois tipos de desgaste microscópico: o primeiro é o típico polimento de arestas vivas que geralmente é causado pela ação de outros materiais”, explica Iovita, que conduziu a análise. “O outro é um revestimento brilhante distribuído por toda a parte supostamente portátil, mas em nenhum outro lugar, que interpretamos como resultado do desgaste do ocre devido ao movimento da ferramenta dentro do cabo.”

Implicações para a evolução humana

O uso de adesivos multicomponentes, incluindo várias substâncias pegajosas, como resinas de árvores e ocre, era anteriormente conhecido desde os primeiros humanos modernos. Homo sapiens, na África, mas não dos primeiros Neandertais na Europa. No geral, o desenvolvimento e o uso de adesivos na fabricação de ferramentas são considerados algumas das melhores evidências físicas da evolução cultural e das habilidades cognitivas dos primeiros humanos.

“Os adesivos combinados estão entre as primeiras expressões de processos cognitivos modernos que ainda estão ativos hoje”, diz Schmidt.

Os autores salientam que na região de Le Moustiers o ocre e o betume tiveram de ser recolhidos em locais remotos, o que exigiu muito esforço, planeamento e uma abordagem direcionada.

“Tendo em conta o contexto geral das descobertas, assumimos que este adesivo foi feito por Neandertais”, conclui Dutkiewicz.

“O que o nosso estudo mostra é que os primeiros Homo sapiens em África e os Neandertais na Europa tinham padrões de pensamento semelhantes”, acrescenta Schmidt. “Suas técnicas adesivas são igualmente importantes para a nossa compreensão da evolução humana.”

Referência: “Adesivos compostos à base de ocre no local de escrita Mousteriana documentam conhecimento complexo e alto investimento” por Patrik Schmidt, Radu Iovita, Armel Shari Duhaut, Günter Müller, Abai Namin e Ewa Dutkiewicz, 21 de fevereiro de 2024, Avanço da ciência.
doi: 10.1126/sciadv.adl0822