Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Macron: O embaixador francês e outros diplomatas são “mantidos como reféns” na embaixada no Níger

Macron: O embaixador francês e outros diplomatas são “mantidos como reféns” na embaixada no Níger

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na sexta-feira que o principal diplomata e outros estavam “literalmente sendo mantidos como reféns na embaixada francesa” pelos novos líderes militares do país.

Durante uma entrevista com jornalistas na cidade oriental de Seymour-en-Auxois, Macron transmitiu a situação perigosa que se desenrola actualmente ao embaixador francês Sylvain Etty e outros diplomatas.

“No Níger, enquanto falo com vocês, temos um embaixador e membros diplomáticos mantidos como reféns na embaixada francesa”, disse Macron. “Eles estão impedindo a entrega de comida e ele está comendo rações do exército”.

O Conselho Nacional para a Protecção da Pátria (CNSP) – a junta militar que tomou o poder em 26 de Julho e destituiu o Presidente Mohamed Bazoum do poder após dois anos no cargo – exigiu a expulsão do embaixador do Níger em 25 de Agosto. O grupo deu à França 48 horas para deportá-lo.

A França, que condenou o golpe, recusou-se a cumprir e afirmou que a junta não tinha autoridade para fazer tal pedido.

Desde a tomada do poder, dezenas de milhares de manifestantes saíram às ruas do Níger, insistindo que as forças de Macron abandonassem a antiga colónia francesa. O sentimento anti-francês aumentou nas últimas semanas, com os manifestantes a entoarem o slogan “Le France, dégage”, que significa “Fora, França”.

Apesar destes fortes apelos, o presidente francês continuou a rejeitar a legitimidade do exército no poder, uma medida que foi apoiada pela União Europeia.

A porta-voz da União Europeia, Nabila Masrali, disse, de acordo com o que noticiou o jornal Le Monde: “A decisão dos golpistas de expulsar o embaixador francês é uma nova provocação que não pode de forma alguma ajudar a encontrar uma solução diplomática para a crise actual”.

A União Europeia também sublinhou que “não reconhece e não reconhecerá as autoridades resultantes do golpe no Níger”.

Quanto à forma como Macron responderá agora à situação tensa no Níger, incluindo a possível reafectação de 1.500 soldados franceses actualmente estacionados no país africano, sublinhou que todas as decisões serão tomadas com o presidente democraticamente eleito do país.

Macron disse: “Farei tudo o que concordarmos com o Presidente Bazoum porque ele é a autoridade legítima e falo com ele todos os dias”.

Direitos autorais 2023 Nexstar Media Inc. todos os direitos são salvos. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.