Fevereiro 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Descoberta de um corpo de água de 12 bilhões de anos flutuando no espaço

Descoberta de um corpo de água de 12 bilhões de anos flutuando no espaço

Duas equipes de astrônomos lideradas por cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia descobriram o maior reservatório de água já descoberto no universo. Está a 30 bilhões de trilhões de milhas de distância de nós.

Sim, você leu corretamente. O maior reservatório do universo encontra-se, mais especificamente num quasar, um dos objetos mais brilhantes e violentos do universo.

A massa de vapor d’água é pelo menos 140 trilhões de vezes maior do que toda a água dos oceanos do mundo juntas.

Como o quasar está tão longe, foram necessários 12 mil milhões de anos para a sua luz chegar à Terra. Com as observações da equipa revelando uma época em que o Universo tinha apenas 1,6 mil milhões de anos.

“O ambiente em torno deste quasar é único porque produz esta enorme massa de água”, disse Matt Bradford, cientista do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA.

“É mais uma prova de que a água está espalhada por todo o universo, mesmo nos tempos mais antigos.”

Um quasar obtém sua energia de um enorme buraco negro que devora um disco circundante de gás e poeira. À medida que se alimenta, um quasar emite enormes quantidades de energia.

A descoberta da água não foi uma surpresa, pois os astrónomos esperam que o vapor de água existisse mesmo no início do Universo. No entanto, o vapor de água é um importante gás traço que revela a natureza do quasar.

Este quasar, em particular, mostrou vapor de água distribuído em torno do buraco negro numa região gasosa que se estende por centenas de anos-luz (um ano-luz equivale a cerca de seis biliões de milhas). A sua presença indica que o gás é invulgarmente quente e denso para os padrões astronómicos.

READ  Um médico diagnostica a tosse de um jovem de 23 anos como COVID-19. Acontece que é câncer, e ela tem sorte de estar viva.

Segundo os astrônomos, esta descoberta destaca os benefícios da observação em comprimentos de onda milimétricos e submilimétricos. Este campo desenvolveu-se rapidamente nas últimas décadas e, para atingir todo o potencial deste tipo de investigação, os autores do estudo estão agora a conceber o CCAT, um telescópio de 25 metros que será construído no deserto chileno do Atacama. O CCAT permitirá aos astrônomos descobrir algumas das galáxias mais antigas do universo.

Você pode ler os papéis de ambas as equipes aqui E aqui.

inscrição Para o boletim informativo semanal gratuito da Indy100

Compartilhe sua opinião em nossas notícias democráticas. Clique no ícone de voto positivo na parte superior da página para ajudar a mover este artigo para cima no ranking do indy100.