outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo - The New York Times

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo – The New York Times

atribuído a ele…Foto da piscina de Sergey Boblev

Autoridades de alto escalão da Rússia e da China concordaram em realizar mais exercícios militares conjuntos e aumentar a cooperação em defesa, segundo dados divulgados na segunda-feira, sugerindo que, sejam quais forem as preocupações de Pequim sobre a guerra na Ucrânia, a parceria estratégica entre os dois países está se aproximando.

Nikolai B. Patrushev, chefe do Conselho de Segurança da Rússia, e o principal diplomata da China, Yang Jiechi, se reuniram na província de Fujian, no sudeste, onde concordaram em realizar mais exercícios militares conjuntos e patrulhas e melhorar a coordenação entre as autoridades de defesa de seus países, segundo a agência russa. declaração.

“Os dois países continuam a aprofundar a coordenação estratégica e sempre se apoiam firmemente em questões relacionadas aos principais interesses e principais preocupações um do outro”, disse o Ministério das Relações Exteriores da China no resumo da reunião.

A visita ocorreu dias depois que o presidente Vladimir Putin se encontrou no Uzbequistão com o líder chinês Xi Jinping, após o qual admitiu que a China “Dúvidas e preocupaçõesSobre a situação na Ucrânia. Essa admissão encoberta levou alguns analistas a concluir que, apesar das declarações públicas de que a amizade dos dois países é “ilimitada”, o apoio de Xi a Putin não foi incondicional.

Embora Xi não tenha se referido publicamente à situação na Ucrânia durante a reunião no Uzbequistão, ele disse que a China “está disposta a trabalhar com a Rússia para demonstrar a responsabilidade de um grande país, desempenhar um papel de liderança e injetar estabilidade em um mundo conturbado. .” , de acordo com um comunicado do governo chinês. Alguns especialistas disseram que a declaração soava como uma repreensão a Moscou por sua invasão.

READ  Barragens explodiram no Nordeste do Brasil porque a região foi afetada por enchentes

Nenhum dos lados indicou tais desacordos após a reunião de altos funcionários de segunda-feira.

O Sr. Yang enfatizou a relação entre o Sr. Xi e o Sr. Putin, acrescentando que “a liderança dos chefes de Estado é a principal garantia da estabilidade e vitalidade de longo prazo das relações bilaterais”.

Falando em Fujian, Patrushev disse: “A cooperação entre a Rússia e a China no campo da segurança tem profundas raízes históricas”.

“Nas condições atuais, nossos países devem expressar melhor prontidão para apoio mútuo e desenvolvimento da cooperação”, disse Patrushev, segundo a agência de notícias russa Interfax. Patrushev também se encontrou com Wang Xiaohong, um oficial de segurança chinês de alto escalão.

A invasão da Ucrânia por Putin complicou o equilíbrio da China entre a Rússia e o Ocidente. A China forneceu uma tábua de salvação para a Rússia, mitigando bastante o impacto das sanções ocidentais que reduziram as exportações de energia da Rússia e interromperam sua cooperação industrial com países desenvolvidos.

Este ano, o comércio entre a Rússia e a China aumentou em mais de um quarto, e a China concordou em trabalhar em um grande projeto de gasoduto através da Mongólia que poderia compensar o corte da Rússia no mercado de energia europeu.

No entanto, ao mesmo tempo, a China teve o cuidado de não entrar em conflito com seus parceiros comerciais ocidentais. Não enviou armas para a Rússia, que em vez disso recorreu a fornecedores como Irã e Coréia do Norte, segundo autoridades dos EUA, e fez pouco para ajudar Moscou a contornar as sanções que a impedem de importar tecnologia ocidental avançada.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei V. Lavrov, disse que as autoridades russas e chinesas se coordenarão de perto na Assembléia Geral das Nações Unidas em Nova York nesta semana.