julho 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

5 coisas que você deve saber sobre o Telescópio Espacial James Webb antes de ser lançado

O Telescópio Espacial James Webb, o observatório espacial mais poderoso já construído, está finalmente programado para ser lançado no final de dezembro, após décadas de espera.

É uma maravilha da engenharia e ajudará a responder a questões fundamentais sobre o universo, que remontam no tempo a 13 bilhões de anos. Aqui estão cinco coisas que você deve saber.

1. Espelho gigante dourado

O foco do telescópio é seu enorme espelho primário, uma estrutura côncava de 21,5 pés (6,5 m) de largura e composta por 18 espelhos hexagonais menores. É feito de berílio folheado a ouro e é otimizado para refletir a luz infravermelha dos confins do universo.

O observatório também possui quatro instrumentos científicos, que juntos alcançam dois objetivos principais: imagens de objetos cósmicos e espectroscopia – quebrar a luz em comprimentos de onda separados para estudar as propriedades físicas e químicas da matéria cósmica.

O espelho e as ferramentas são protegidos por um guarda-sol de cinco camadas, em forma de pipa e projetado para se adaptar ao tamanho de uma quadra de tênis.

Suas membranas são feitas de kapton, um material conhecido por sua alta resistência ao calor e estabilidade sob uma ampla gama de temperaturas – ambas vitais, porque o lado voltado para o sol do escudo ficará tão quente quanto 230 ° F (110 ° C), enquanto o outro lado alcançará um fundo de -394 ° F.

O telescópio também possui um “porta-espaçonave” que contém seus subsistemas para energia elétrica, propulsão, comunicações, orientação, aquecimento e processamento de dados; Por fim, Webb pesa tanto quanto um ônibus escolar.

2. A jornada de um milhão de milhas

O telescópio será colocado em órbita a cerca de um milhão de milhas da Terra, quase quatro vezes a distância do nosso planeta a lua.

READ  Uma criança brasileira 'morta' é encontrada pronta para ser enterrada viva

Ao contrário do Hubble, o atual telescópio espacial em órbita principal, Webb orbitará o sol.

Ele permanecerá diretamente atrás da Terra, do ponto de vista do Sol, permitindo que permaneça no lado noturno de nosso planeta. O escudo de Webb sempre estará entre o espelho e nossa estrela.

Levaria cerca de um mês para chegar a essa região do espaço, conhecida como o segundo ponto Lagrangiano, ou L2. Embora os astronautas tenham sido enviados para consertar o Hubble, nenhum ser humano jamais viajou para a órbita planejada de Webb.

3. Origami de alta tecnologia

Como o telescópio é muito grande para caber no cone do foguete em sua configuração operacional, ele deve ser dobrado como um origami. Desenrolar é uma tarefa complexa e desafiadora, e é a implantação mais árdua que a NASA já tentou.

Cerca de 30 minutos após a decolagem, a antena de comunicações e os painéis solares que a alimentam serão implantados.

Em seguida, vem a abertura da pala de sol, dobrada tanto como um acordeão, começando no sexto dia, muito depois de a lua ter passado. Seus filmes finos serão encaminhados por um mecanismo complexo que inclui 400 polias e 1.312 pés de cabo.

Durante a segunda semana, finalmente será a vez do espelho se abrir. Depois de finalizados, os instrumentos precisariam ser resfriados e calibrados e os espelhos ajustados com muita precisão.

Depois de seis meses, o telescópio estará pronto para funcionar.

4. Vida, o universo e tudo mais

Webb tem duas missões científicas primárias que, juntas, serão responsáveis ​​por mais de 50% do tempo de observação. Primeiro, explore os primeiros estágios da história cósmica, olhando para trás apenas algumas centenas de milhões de anos após a grande explosão.

READ  Uma nova empresa com uma missão selvagem: trazer de volta o mamute peludo

Os astrólogos querem ver como as primeiras estrelas e galáxias se formaram e como evoluem com o tempo.

O segundo objetivo principal é a descoberta de exoplanetas, ou seja, planetas fora do sistema solar. Ele também investigará as possibilidades de vida nesses mundos, estudando sua atmosfera.

A grande promessa de Webb está em sua capacidade de infravermelho.

Em contraste com a luz ultravioleta e a luz visível na qual o Hubble opera principalmente, os comprimentos de onda do infravermelho penetram na poeira mais facilmente, permitindo que o nebuloso universo inicial apareça com mais clareza.

O infravermelho também permite que os cientistas voltem ao passado devido a um fenômeno chamado redshift. À medida que o universo se expande, a luz de objetos distantes se estende em direção à extremidade infravermelha do espectro.

Observações mais próximas também estão programadas em nosso sistema solar para Marte e europa, Júpiterlua gelada

5. Décadas em formação

Os astrônomos começaram a debater qual telescópio deveria suceder o Hubble na década de 1990, com o início da construção de Webb em 2004.

O lançamento foi adiado várias vezes, inicialmente para 2007, depois para 2018 … principalmente devido às complexidades associadas ao desenvolvimento.

O observatório é o resultado de uma cooperação internacional massiva e do amálgama de instrumentos canadenses e europeus.

Mais de 10.000 pessoas trabalharam no projeto, com o orçamento aumentando para cerca de US $ 10 bilhões.

A missão está programada para durar pelo menos cinco anos, mas esperançosamente 10 anos ou mais.

© AFP