Julho 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Suspeito de incêndio criminoso múltiplo acusado de iniciar 20 incêndios no distrito de Viana do Castelo, em Portugal, é preso novamente «Euro Weekly News

Suspeito de incêndio criminoso múltiplo acusado de iniciar 20 incêndios no distrito de Viana do Castelo, em Portugal, é preso novamente «Euro Weekly News

Um homem de 28 anos suspeito de provocar pelo menos 20 incêndios no distrito de Viana do Castelo, em Portugal, foi detido na quinta-feira, 7 de setembro.

Ele foi inicialmente preso em 31 de agosto, mas devido a uma greve dos funcionários judiciais, um juiz criminal ordenou sua libertação no dia seguinte.

Esta decisão foi justificada pelo facto de o primeiro inquérito judicial não ter sido realizado devido à falta de funcionários judiciais.

O O suspeito foi detido novamente pela Polícia Judiciária ontemQuarta-feira, 6, segundo fonte Lusa Empresa. No entanto, o Ministério Público solicitou a emissão de um novo mandado de prisão”, disse a fonte.

Acrescentaram: “O arguido foi ontem novamente detido na sua residência e no mesmo dia foi levado a uma primeira audiência judicial perante um juiz de primeira instância criminal, que lhe aplicou a mais severa forma de coação: a prisão preventiva”.

Ele foi preso pela primeira vez em agosto

Em comunicado divulgado em 31 de agosto, o Polícia Judiciária Nos últimos cinco meses, o distrito de Viana do Castelo anunciou a detenção de um suspeito responsável por pelo menos 20 incêndios florestais em várias freguesias do concelho de Ponte da Barca.

Estes incêndios ocorreram entre 9 de abril e 28 de agosto, nas igrejas de Vila Nova de Muya, Duedo, Paso Vetro Magalhães, Vila Sá e Lindoso.

Durante esse período, estas áreas foram: “sistematicamente atacadas por ondas simultâneas de incêndios florestais, causando alarme entre a população local”.

O suspeito tinha paixão pelo fogo

Numa conferência de imprensa ainda naquele dia, após a divulgação do relatório, o coordenador da PJ de Praga disse que o suspeito era um trabalhador da construção civil que vivia na zona.

Antonio Gómez explicou que o suspeito estava integrado social, profissional e familiarmente e a origem das suas ações: ‘a atração pelo fogo e a movimentação de recursos no combate a incêndios’.

Revelou que o recluso não tinha antecedentes criminais, mas que no 12.º ano de escolaridade foi o principal suspeito de pelo menos 20 incêndios que queimaram 120 hectares de floresta na zona entre Ponte da Barca e Lindoso, perto de Penada. Parque Nacional do Gerês (PNPG).

‘Se ele é um dos maiores incendiários do país, não sei dizer, mas a área afetada tem um grande potencial e pode ter causado grandes perdas. Devido ao número de dezenas de ignições, o seu comportamento e as suas ações representavam um grande risco’, enfatizou Gomes.

O suspeito esclareceu sobre alguns dos incêndios

O coordenador da PJ de Praga revelou que o suspeito teve: ‘esclarecimentos sobre algumas situações, resulta em alguns incêndios’.

Gomez enfatizou que a investigação está em andamento, com forte possibilidade de vincular este suspeito a outros incêndios ocorridos na mesma área em 2022.

Foi a «elevada incidência de incêndios florestais» na zona que levou a PJ a iniciar a sua investigação. Com o objectivo de pôr fim a esta vaga de incêndios, foram atribuídos «recursos humanos significativos».

Vários isqueiros foram apreendidos com o suspeito não fumante. Acredita-se que uma chama direta seja a maneira de iniciar um incêndio.

Terão sido lançados quando o homem se deslocava na sua viatura entre o concelho de Ponte da Braga e a zona do Lindoso. sicnoticias.pt.

Obrigado por reservar um tempo para ler este artigo. Continue voltando ao site do Euro Weekly News para ficar por dentro das últimas notícias locais e internacionais e lembre-se, você pode nos seguir Facebook E Instagram.