Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia fecha agência internacional que monitora sanções à Coreia do Norte

Rússia fecha agência internacional que monitora sanções à Coreia do Norte

Comente a foto,

No início de 2023, o presidente russo, Vladimir Putin (à esquerda), reuniu-se com o seu homólogo norte-coreano, Kim Jong Un.

A Rússia encerrou um painel de especialistas da ONU que há anos monitora as sanções contra a Coreia do Norte.

O comitê disse na semana passada que estava investigando relatos de que a Rússia havia violado as regras ao comprar armas norte-coreanas, como mísseis balísticos, para uso na Ucrânia.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas impôs uma série de sanções a Pyongyang desde 2006 devido ao seu programa de armas nucleares.

Estas restrições permanecem em vigor, mas o grupo de peritos criado para monitorizar as violações será agora dissolvido.

Numa votação do Conselho de Segurança na quinta-feira, a Rússia usou o seu veto como membro permanente para bloquear a renovação, enquanto 13 dos outros 14 Estados-membros presentes votaram a favor. A China, aliada mais próxima de Pyongyang, absteve-se na votação.

A proibição da Rússia provocou uma onda de condenação por parte dos Estados Unidos, do Reino Unido, da Coreia do Sul e de outros aliados ocidentais, e surge depois de um ano de reuniões públicas de alto nível entre os líderes de Moscovo e Pyongyang.

Esta é a primeira vez que a Rússia impede a formação do comité, que é renovado anualmente pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas durante 14 anos.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse nas redes sociais que o uso do veto pela Rússia equivalia a uma “admissão de culpa” por ter usado armas norte-coreanas na guerra.

Os EUA, o Reino Unido e a França disseram ao conselho que a Rússia estava a trabalhar para silenciar o órgão de vigilância porque tinha começado a denunciar as violações das regras por parte de Moscovo, especificamente a compra de armas à Coreia do Norte para utilização nos campos de batalha na Ucrânia.

Entretanto, o representante da Coreia do Sul nas Nações Unidas criticou o “egocentrismo cego” da Rússia e disse que não tinha justificação para “dissolver os guardas” do regime de sanções.

“Isso é quase como destruir uma câmera de vigilância para evitar ser pego em flagrante”, disse o embaixador Hwang Joon-kook.

A Rússia negou consistentemente o uso de armas norte-coreanas e o seu representante nas Nações Unidas negou novamente estas acusações na quinta-feira.

Vasily Nebenzia disse ainda que o comité de peritos não tem valor acrescentado.

“O comité continuou a concentrar-se em questões triviais que são desproporcionais aos problemas que a península enfrenta”, disse Nebenzia, acrescentando que as sanções impuseram um “fardo pesado” ao povo norte-coreano.

Comente a foto,

O líder norte-coreano Kim Jong Un exibiu os mísseis de seu país ao ministro da Defesa russo durante sua visita no ano passado

Desde 2019, a Rússia e a China têm procurado persuadir o Conselho de Segurança a aliviar as sanções.

O Conselho de Segurança impôs sanções pela primeira vez em 2006, em resposta ao teste nuclear da Coreia do Norte, e desde então emitiu outras 10 resoluções para reforçar as sanções à medida que a actividade nuclear de Pyongyang prossegue.

Mas o regime de Kim Jong Un ignorou em grande parte as sanções, apesar do seu impacto na economia. O líder norte-coreano continuou a desenvolver rapidamente armas nucleares e prosseguiu uma estratégia militar mais agressiva e perigosa nos últimos anos.

Especialistas da ONU dizem que a Coreia do Norte continua a violar sanções ao aumentar os testes de mísseis e ao desenvolver armas nucleares. O regime lançou este ano um satélite espião – com tecnologia que se acredita ter sido fornecida pela Rússia.

Em violação das sanções, continua também a importar produtos petrolíferos refinados e a enviar trabalhadores para o estrangeiro, e o último relatório do painel da ONU detalhou uma campanha de ataques cibernéticos.