julho 1, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Mars rover da China coletou grandes quantidades de novos dados geológicos

Em julho, Zhurong tirou esta foto do local de pouso do paraquedas e parte da cápsula que o carregou com segurança para a superfície.Crédito: CNSA

Mais de 30 cientistas estão correndo pela China continental, Hong Kong e Macau para processar dados coletados pela sonda chinesa de Marte, Zhurong, e pela espaçonave Tianwen-1, que orbita o planeta. Vários estudos foram feitos, mas os pesquisadores afirmam que mais estudos virão nas próximas semanas e meses, para fornecer informações sobre o clima, a geologia e a história do hemisfério norte de Marte.

Desde setembro, os Observatórios Astronômicos Nacionais da Academia Chinesa de Ciências (NAOC), que vêm recebendo dados do espaço, divulgaram cerca de 200 gigabytes de informações coletadas de oito instrumentos na nave e na órbita entre fevereiro e junho. Esses instrumentos incluem câmeras, um sistema de radar, sensores climáticos e um espectrômetro a laser.

Algumas características de superfície, como material sedimentar potencial e Possíveis vulcões de lama, referindo-se ao fluxo histórico de água, então os cientistas estão procurando qualquer evidência de que água ou gelo já existiu abaixo da superfície. Isso é “de grande interesse científico”, diz Bo Wu, cientista planetário da Universidade Politécnica de Hong Kong que está analisando alguns dos dados, porque podem fornecer evidências de um oceano antigo.

Tianwen-1 chegou a Marte em fevereiro. Em maio, Projeção Embarcação de desembarque contendo Zhurong em uma ampla bacia conhecida como Utopia Planitia. A missão inicial do veículo estava programada para durar apenas cerca de três meses, mas superou as expectativas. Ao longo de quatro meses, o rover percorreu mais de 1.000 metros, visitando atrações interessantes e até examinando parte da cápsula que trouxe à superfície, junto com os restos do pára-quedas de pouso.

READ  NASA tem um novo plano para despertar o Telescópio Espacial Hubble

Pausa na comunicação

Em setembro, Zhurong entrou em hibernação pela Administração Espacial Nacional da China (CNSA) porque Marte havia passado para trás do Sol, em relação à Terra, o que significa que o contato foi perdido. Porém, em outubro, ele foi ligado novamente, e outros 200 metros cortaram na direção do que um dia poderia ser a costa de um antigo oceano.

A trégua de um mês proporcionou aos cientistas da expedição em institutos de pesquisa em toda a China uma oportunidade de começar a analisar os dados. Alguns pesquisadores já haviam recebido imagens de Marte das câmeras do orbitador em março, e o CNSA já havia compartilhado imagens e vídeos que o rover fez durante sua descida e da superfície. Mas os pesquisadores agora estão estudando a maior parte dos dados divulgados em setembro.

Este conjunto de dados inclui imagens da câmera de navegação de Zhurong; Dados climatológicos de temperatura, pressão e velocidade do vento; Informações sobre a composição química de rochas, solos e dunas de areia do espectrômetro a laser; E pistas abaixo da superfície do radar de penetração no solo.

parte de monte de fotos E Vídeos Divulgado pelo CNSA, poucos conhecimentos científicos sobre a missão foram divulgados ou publicados até agora. Os pesquisadores dizem que isso ocorre porque demorou para processar e limpar os dados.

Isso garante que os dados sejam confiáveis ​​e elimine o ruído dos instrumentos, diz Le Pen, um cientista planetário da Universidade de Copenhagen. O fato de esta ser a primeira missão da China à superfície de outro planeta também pode ter retardado as coisas em comparação com as recentes missões da NASA em Marte. “Se é a primeira vez que você está fazendo isso, há um processo de aprendizagem”, diz ela.

READ  Estudo: a expectativa de vida dos homens americanos caiu dois anos em meio à pandemia

David Flannery, astrobiólogo da Queensland University of Technology em Brisbane, Austrália, que trabalha com cientistas na China, diz que a abordagem da equipe para o gerenciamento de dados também pode ter contribuído para atrasos no lançamento de novos insights. Com a missão Perseverance da NASA, na qual Flannery está envolvido, cada instrumento no rover é projetado por uma equipe diferente, que tem acesso exclusivo aos dados desse instrumento por alguns meses antes que se tornem disponíveis para todos.

Mas, de acordo com o modelo CNSA, os dados gerados para todos os instrumentos em Zhurong e Tianwen-1 são processados ​​pelo NAOC, antes que as informações sejam disponibilizadas para várias equipes de cientistas associados à missão.

Abra o paraquedas durante o pouso

A agência espacial dos EUA (CNSA) divulgou esta imagem em julho da vista da sonda em direção ao dossel enquanto ela flutua para a superfície de Marte.Crédito: CNSA

acelerar a análise

Duas publicações já apareceram. um estudo1, publicado como uma pré-impressão no final de setembro, analisou imagens e informações sobre o atrito obtidas com o movimento das rodas de Zhurong. Os resultados mostram que as regiões de Marte sobre as quais o rover orbitou têm propriedades semelhantes às dos solos arenosos compactos da Terra.

Xiao Long, geólogo planetário da Universidade Chinesa de Ciências da Terra em Wuhan, diz que o estudo “fornece dados úteis sobre as propriedades da camada superficial do solo”. Isso pode ser útil para entender como o solo e a poeira se formam na superfície, diz Long, que também está conduzindo sua própria análise.

segundo estudo2, publicado em agosto, usou imagens de alta resolução do orbitador para determinar as coordenadas exatas do rover em Marte. Mas os pesquisadores dizem que mais estudos são esperados em breve, incluindo alguns sobre a topografia da área.

READ  Centenas de pássaros encontrados mortos, provavelmente de gripe aviária, no Lago Illinois

Até agora, os dados só foram compartilhados com pesquisadores diretamente envolvidos na missão, mas Wu diz que a Comissão Nacional de Vigilância do Oceano Atlântico os divulgará em algum momento ao público e à comunidade internacional.

Isso pode ajudar a acelerar a análise. Flannery diz que os cientistas com mais experiência com Marte podem aprender sobre características de interesse e sua importância mais rapidamente. “Marte é estranho em alguns aspectos e os geólogos são tão bons quanto as rochas que viram no passado”, acrescenta.

A próxima etapa da missão

Zhurong agora continuará a explorar, provavelmente por anos, como fez alguns rovers de Marte da NASA.

Tianwen-1 também estava ocupada. A espaçonave modificou recentemente sua órbita e passou de servir principalmente como um estágio de comunicação entre Zhurong e a Terra para fazer suas próprias observações de Marte. Em 11 de novembro, o CNSA implantou e começou a testar a antena do radar do orbitador, disse Wenzhe Fa, um cientista planetário da Universidade de Pequim, Pequim, que analisa os dados do radar de Zhurong.

Também no início deste mês, o CNSA e a Agência Espacial Europeia (ESA) testaram se o orbitador Mars Express da Agência Espacial Europeia poderia ser usado para transmitir dados de Zhurong de volta à Terra – um exercício que Ban diz ser um “passo incrível” para aumentar a cooperação internacional com China.

Enquanto Zhurong retoma sua jornada, Bo diz que ele e sua equipe estão fazendo “sugestões para futuras coletas de dados” que incluem características de superfície de particular interesse científico.