Março 4, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O ex-embaixador dos EUA na Bolívia, Manuel Rocha, foi acusado de espionar para Cuba durante décadas

O ex-embaixador dos EUA na Bolívia, Manuel Rocha, foi acusado de espionar para Cuba durante décadas

Washington — Um ex-diplomata sênior dos EUA que mais recentemente serviu como embaixador dos EUA na Bolívia Ele foi preso na sexta-feira Ele foi acusado de servir como agente estrangeiro para Cuba, segundo documentos judiciais.

Começando em 1981 e continuando até aos dias de hoje, Victor Manuel Rocha – um cidadão norte-americano naturalizado nascido em Cuba e que actualmente vive em Miami – tem alegadamente espionado em nome da agência de inteligência da nação insular, referindo-se aos Estados Unidos como o “inimigo”. e apoiar a missão secreta de recolha de informações de Cuba, segundo os procuradores.

Embora a acusação não forneça detalhes sobre as informações que os promotores alegam que Rocha compartilhou com os cubanos durante as décadas em que foi acusado de trabalhar com eles, os documentos da acusação descrevem um relacionamento contínuo que ele promoveu com manipuladores cubanos.

Os documentos de acusação revelaram que, ao trabalhar com conspiradores anónimos dentro da comunidade de inteligência cubana, Rocha “concordou em servir e serviu realmente como agente secreto para o governo cubano”.

Primeiro, como responsável político na Embaixada dos EUA na República Dominicana, Rocha ocupou vários cargos diplomáticos na região, segundo documentos de acusação, incluindo um cargo como diretor de assuntos interamericanos no Conselho de Segurança Nacional dos EUA. Os promotores dizem que esta função lhe conferiu responsabilidade especial em relação à política cubana.

Os investigadores disseram que Rocha teve acesso a informações confidenciais como funcionário do Departamento de Estado, assinou acordos de sigilo e foi obrigado a “confirmar sua lealdade aos Estados Unidos e nenhuma atividade secreta em nome de qualquer nação estrangeira”.

De 2006 a 2012, Rocha foi assessor do comandante do Comando Conjunto militar dos EUA na região, que incluía Cuba.

Evidências não especificadas da investigação, juntamente com inúmeras reuniões nos últimos anos entre Rocha e um agente do FBI disfarçado, levaram os promotores a apresentar acusações, dizem documentos judiciais.

Ao longo de três reuniões em 2022 e 2023, os investigadores alegam que Rocha discutiu a sua parceria de décadas com a inteligência cubana, dizendo ao agente secreto durante a sua primeira reunião fora de uma igreja em Miami: “A minha primeira prioridade era… qualquer acção por parte de Washington. isso exporia “a vida do líder em risco… a própria revolução”.

“Tenho que proteger o que fizemos porque o que fizemos… é o cimento que cimentou os últimos 40 anos”, disse Rocha ao agente secreto durante a segunda reunião. .é enorme. …Mais do que apenas os grandes slams.” “

Esta fotografia fornecida pelo Departamento de Justiça e incluída na declaração de apoio a uma queixa criminal mostra Manuel Rocha durante uma reunião com um funcionário disfarçado do FBI.

Ministério da Justiça/AFP


Em junho de 2023, durante o último encontro, o agente secreto perguntou a Rocha se ele “ainda estava conosco”.

“Estou com raiva. Estou com raiva… É como questionar minha masculinidade”, respondeu Rocha.

Rocha deve comparecer ao tribunal federal para sua primeira aparição na tarde de segunda-feira em Miami.

“Esta ação expõe uma das infiltrações de maior alcance e longa data no governo dos EUA por um agente estrangeiro”, disse o procurador-geral Merrick Garland em um evento na segunda-feira.

A embaixada cubana não respondeu a um pedido de comentários e o advogado de Rocha não respondeu imediatamente a um pedido de comentários.

Rocha compareceu pela primeira vez ao tribunal na segunda-feira e será indiciado ainda este mês.

As acusações contra Rocha surgem quase um ano depois de outro espião cubano ter sido libertado da prisão após mais de 20 anos atrás das grades. Ana Montes, ex-analista da Agência de Inteligência de Defesa, espionou para Cuba durante 17 anos, expondo as identidades de agentes secretos da inteligência dos EUA e as suas capacidades altamente sensíveis de recolha de informações, até à sua prisão em 2001.

READ  A Rússia abre um novo processo criminal contra os principais aliados de Navalny