setembro 23, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Um videoclipe microscópico mostra o vírus Corona em fúria.

O intruso espreita sua presa com furtividade e precisão, preparando-se para perfurar a armadura da presa. Uma vez dentro, o agressor força seu hospedeiro a produzir mais intrusos, então o faz explodir, liberando um grande número de invasores que podem continuar sua fúria em uma escala maior.

O drama, retratado em um vídeo microscópico do SARS-CoV-2 infectando células cerebrais de morcegos, oferece uma janela de como o patógeno transforma as células em fábricas de vírus antes de causar a morte da célula hospedeira.

O vídeo foi produzido por Sophie Marie Escher e Delphine Planas, virologistas do Instituto Pasteur de Paris, que receberam homenagens ao microscópio. Concurso de Vídeo Patrocinado pela Nikon Imaging Corporation.

Filmado ao longo de um período de 48 horas com uma imagem gravada a cada 10 minutos, o filme mostra o coronavírus como manchas vermelhas se espalhando entre uma massa de pontos cinzas – células cerebrais de morcegos. Depois de serem infectadas, as células dos morcegos começam a se fundir com as células vizinhas. Em algum ponto, toda a massa se rompe, resultando na morte celular.

Esse rolo compressor contagioso é o mesmo em morcegos e humanos, disse Escher, que se especializou em zoonoses – aquelas que podem ser transmitidas de animais para humanos – com uma distinção importante: os morcegos, em última análise, não ficam doentes.

Em humanos, o coronavírus pode escapar da detecção e causar mais danos, em parte ao impedir que as células infectadas alertem o sistema imunológico sobre a presença de um invasor. Mas sua força particular é a capacidade de forçar as células hospedeiras a se fundirem com as células vizinhas, um processo conhecido como sincício que permite que o coronavírus permaneça indetectável enquanto se multiplica.

READ  Físicos acidentalmente fizeram uma nova descoberta sobre buracos negros

“Cada vez que o vírus precisa sair de uma célula, corre o risco de ser detectado, então se ele pode ir diretamente de uma célula para outra, pode funcionar mais rápido”, disse Escher.

Ela disse que espera que o vídeo ajude a desmistificar o vírus e facilite a compreensão e a apreciação desse inimigo enganoso que virou a vida de bilhões de pessoas de cabeça para baixo.

“É importante ajudar as pessoas a irem além do jargão científico para entender que se trata de um vírus muito sofisticado e inteligente, bem adaptado para deixar os humanos doentes”, disse ela.