agosto 19, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Cientistas da Universidade de Harvard descobriram que temperaturas frias podem ajudar a perder peso

Os pesquisadores descobriram que, ao diminuir a inflamação, as temperaturas mais baixas podem ajudar a combater a obesidade e doenças metabólicas relacionadas.

O tecido adiposo marrom é ativado pelo frio para liberar compostos anti-inflamatórios.

Mais de 40% dos adultos americanos são obesos, uma condição complexa que aumenta o risco de diabetes, doenças cardíacas e vários tipos de câncer. Ao criar inflamação crônica de baixo grau e acúmulo de células imunes em tecidos sensíveis à insulina, a obesidade é um fator que pode contribuir para outros problemas de saúde. Os cientistas acreditam que reverter ou “resolver” essa inflamação crônica pode retardar o aparecimento de doenças relacionadas à obesidade, como diabetes e possivelmente facilitar a perda de peso.

pesquisadores de Hospital Brigham e da Mulher E o Joslin Diabetes Center descobriu que em camundongos obesos induzidos por dieta, a exposição a temperaturas frias melhora a sensibilidade à insulina e a tolerância à glicose enquanto trata a inflamação induzida pela obesidade. Suas descobertas são relatadas em um novo artigo publicado em Metabolismo da natureza.

A equipe de pesquisa também descobriu que o mecanismo foi baseado no tecido adiposo marrom, comumente referido como “gordura boa”, que libera uma molécula natural chamada Maresin 2 em resposta à estimulação do frio. O tecido adiposo marrom é conhecido por ser um órgão endócrino ativo porque secreta moléculas que se comunicam com outros tecidos e controlam o metabolismo. Também ajuda a liberar a energia armazenada e pode promover a perda de peso e a saúde metabólica.

“Extensas evidências sugerem que a obesidade e a síndrome metabólica estão associadas à inflamação crônica que leva à resistência sistêmica à insulina, portanto, interromper a inflamação na obesidade pode oferecer tratamentos promissores para doenças relacionadas à obesidade”, disse o coautor do estudo Yu-Hua Tseng, PhD. . , Pesquisador Sênior do Departamento de Fisiologia Integrativa e Metabolismo do Joslin Diabetes Center e Professor de Medicina da Escola de Medicina de Harvard.

Descobrimos que a exposição ao frio reduz a inflamação e melhora o metabolismo na obesidade, pelo menos em parte ativando o tecido adiposo marrom. Esses resultados sugerem uma função anteriormente não reconhecida do tecido adiposo marrom na promoção da resolução da inflamação na obesidade. “

Em dois experimentos anteriores, Tseng e colegas descobriram que a gordura marrom pode ser ativada pela exposição ao frio para formar mediadores lipídicos específicos que controlam o metabolismo dos nutrientes. No estudo atual, os pesquisadores identificam um novo papel para o mediador lipídico produzido a partir da gordura marrom para resolver a inflamação.

No estudo atual, os pesquisadores criaram um modelo de camundongo que se tornou obeso quando recebeu uma dieta ocidental rica em gordura.

Quando os animais foram expostos a um ambiente frio (cerca de 40 graus[{” attribute=””>Fahrenheit), the researchers observed that the animals’ insulin sensitivity and glucose metabolism improved and their body weight decreased, compared to control animals maintained at a thermoneutral zone – the environmental temperature where the body does not need to produce heat for maintaining its core body temperature.

What’s more, the scientists also noticed a profound improvement in inflammation, as measured by reduced levels of a major inflammatory marker.

“We found that brown fat produces Maresin 2, which resolves inflammation systemically and in the liver,” said co-corresponding author Matthew Spite, Ph.D., a lead investigator at Brigham and Women’s Hospital and Associate Professor of Anesthesia at Harvard Medical School. “These findings suggest a previously unrecognized function of brown adipose tissue in promoting the resolution of inflammation in obesity via the production of this important lipid mediator.”

Moreover, these findings also suggest that Maresin 2 could have clinical applications as a therapy for patients with obesity, metabolic disease, or other diseases linked to chronic inflammation; however, the molecule itself breaks down quickly in the body. Tseng and colleagues seek a more stable chemical analog for clinical use.

The team notes a shortcut to improved metabolic health may already exist. Multiple human studies conducted at Joslin and elsewhere show that exposure to mildly cold temperatures (50 to 55 degrees Fahrenheit) has been shown to be sufficient to activate brown adipose tissue and improve metabolism, though the mechanisms are not well understood.

Reference: “Brown adipose tissue-derived MaR2 contributes to cold-induced resolution of inflammation” by Satoru Sugimoto, Hebe Agustina Mena, Brian E. Sansbury, Shio Kobayashi, Tadataka Tsuji, Chih-Hao Wang, Xuanzhi Yin, Tian Lian Huang, Joji Kusuyama, Sean D. Kodani, Justin Darcy, Gerson Profeta, Nayara Pereira, Rudolph E. Tanzi, Can Zhang, Thomas Serwold, Efi Kokkotou, Laurie J. Goodyear, Aaron M. Cypess, Luiz Osório Leiria, Matthew Spite, and Yu-Hua Tseng, 27 June 2022, Nature Metabolism.
DOI: 10.1038/s42255-022-00590-0

This work was supported in part by US National Institutes of Health (NIH) grants (R01DK122808, R01DK077097, R01DK102898, R01HL106173, R01DK099511, R01DK112283, P30DK0368360) and by US Army Medical Research grant W81XWH-17-1-0428; the Manpei Suzuki Diabetes Foundation in Japan; grant 2019/20554-7 from The São Paulo Research Foundation, FAPESP; an American Diabetes Association post-doctoral fellowship (1-16-PDF-063); the Sao Paulo Research Foundation (FAPESP) grants 2017/02684 and 2019/26008-4.

Spite and Tseng are inventors of a pending provisional patent application related to Maresin 2 and metabolic therapeutics.

READ  Os casos de Covid no Reino Unido aumentaram, mas agora estão caindo drasticamente