janeiro 22, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A banda afegã encontra esperança em Portugal quando a música morre na pátria

Lisboa, 13 de dezembro Quando o Taleban tomou o poder, músicos afegãos perceberam que seu futuro estava em perigo. O maestro Shokufa Safi, 18, escapou. Já em Portugal, como nova casa, sente-se seguro, mas o seu sonho é um dia regressar e trazer a música de volta às ruas do seu país.

Safi, que estava emocionado mas otimista depois de desembarcar na capital portuguesa Lisboa na segunda-feira com 272 membros da Associação Nacional de Música do Afeganistão (ANIM), entre estudantes, funcionários e parentes, disse: “Ainda não tenho paz na minha vida.” .

“Meu maior sonho é voltar ao Afeganistão … é um grande sonho”, disse ele. “Espero poder voltar e ensinar a geração mais jovem.”

Inscreva-se agora para acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Safi é um dos músicos de Sohra, uma das bandas femininas mais famosas do Afeganistão, parte do ANIM. Eles tocaram em algumas das principais salas de concerto do mundo, do Carnegie Hall em Nova York ao Royal Opera House em Omã. consulte Mais informação

Portugal forneceu asilo a todos os membros do ANIM e suas famílias imediatas, disse a gravadora, acrescentando que foi a maior operação de resgate para uma comunidade afegã autossuficiente desde a aquisição do Afeganistão pelo Taleban em agosto.

Sob a repressão do Taleban de 1996-2001, a música foi proibida. O Taleban ordenou que estações de rádio parem de tocar música em algumas partes do Afeganistão, embora extremistas islâmicos não tenham retirado formalmente a proibição.

Assim que os rebeldes do Taleban ficaram sob controle, Ahmed Sarmast, o diretor e fundador do ANIM, soube que seus alunos deveriam ser expulsos do país. Antes de partirem para Portugal, fugiram para o Catar com a ajuda de vários doadores.

“Estou muito feliz por estar em Portugal porque vejo todos os meus amigos a sorrir”, disse Marcia Anwari, outra jovem maestrina. “Eles são o futuro do Afeganistão.”

Alguns jovens músicos deixaram o avião fretado enquanto pegavam novos instrumentos musicais, desde bateria a violinos. Seu equipamento antigo repousa nas instalações do ANIM em Cabul, que agora é o centro de comando do Talibã.

O futuro da música pode parecer sombrio em sua terra natal, mas agora que seus alunos estão seguros, Sarmast espera poder não apenas perseguir seus sonhos artísticos, mas também manter viva a rica herança musical do Afeganistão.

O ANIM reabrirá em Lisboa no próximo ano e regressará aos grandes palcos assim que o grupo se estabilizar.

“É impossível para o Taleban pacificar o povo do Afeganistão”, disse Sarmast.

Inscreva-se agora para acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Relatório de Catarina Demoni, Miguel Pereira e Pedro Nunes em Lisboa; Edição de Mark Heinrich

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.