Abril 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Quem é quem nas eleições em Portugal

Quem é quem nas eleições em Portugal

O líder do partido da oposição de centro-direita, o novo líder do Partido Socialista e o fundador de uma organização de extrema-direita são os principais candidatos nas eleições legislativas de domingo em Portugal.

Líder do Partido Social-Democrata (PSD) de centro-direita desde maio de 2022, o montenegrino de 51 anos liderou o seu grupo parlamentar no poder de 2011 a 2015 e impôs severas medidas de austeridade.

Rompeu com o então primeiro-ministro Pedro Passos Coelho porque este se recusou a considerar qualquer aliança com a extrema direita.

Nascido no Porto, a segunda maior cidade de Portugal, cresceu na vizinha Espinho, onde perdeu as eleições para presidente da Câmara em 2005.

Formado em direito, tornou-se vice-chanceler em 2002, aos 29 anos, e permaneceu no Parlamento até 2018.

Anúncio – Role para continuar

Foi eleito líder do PSD dois anos depois da sua primeira tentativa fracassada de assumir o partido.

Nuno Santos, 46 anos, o polémico líder da ala esquerda do Partido Socialista, é um candidato de longa data à substituição do primeiro-ministro cessante, António Costa, como líder do partido.

Filho de um “self-made man” da região norte de Aveiro que fez fortuna no negócio do calçado, desempenhou um papel importante como elemento de ligação aos partidos de extrema-esquerda que apoiaram o governo de Costa.

Anúncio – Role para continuar

Promovido a ministro das Infraestruturas, Santos entrou em conflito com Costa por causa do anúncio da localização de um novo aeroporto de Lisboa sem a aprovação do primeiro-ministro.

Demitiu-se no final de 2022, após um escândalo envolvendo a indemnização de um executivo cessante da companhia aérea nacional TAP, que estava no meio de um plano de reestruturação.

Ambicioso ou oportunista – ou ambos – Ventura, um jovem de 41 anos e barba de três dias, considerou tornar-se padre ou escritor. Eventualmente, ele fez seu nome como comentarista esportivo de televisão.

Anúncio – Role para continuar

Isso abriu as portas para uma carreira política, inicialmente no PSD.

Natural de um subúrbio de Lisboa, tornou-se uma figura nacional ao denunciar a comunidade cigana enquanto concorreu a presidente da Câmara de uma cidade próxima.

Armado com o seu charme e língua afiada, Ventura deixou o PSD em 2019 para formar a Sega (“Chega”), que difundiu uma mensagem populista e anti-establishment.

Foi eleito para o Parlamento como único membro do seu partido naquele ano, levando-o a emergir como o terceiro maior partido do país nas eleições legislativas de 2022.

lf-tsc/gv/ds