Maio 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os cientistas identificaram três novas espécies de cangurus antigos, um dos quais tinha mais de 2 metros de comprimento

Os cientistas identificaram três novas espécies de cangurus antigos, um dos quais tinha mais de 2 metros de comprimento

Universidade Flinders

Esqueleto fóssil quase completo de Protemnodon viator

Inscreva-se no boletim científico da Wonder Theory da CNN. Explore o universo com notícias de descobertas fascinantes, avanços científicos e muito mais.



CNN

Cientistas identificaram três novas espécies de gigantes canguru Eles viveram de 5 milhões a 40 mil anos atrás, e um deles tem quase o dobro do tamanho do maior Canguru Vivo hoje.

Os cangurus gigantes pertencem ao gênero Protymnodon e mostraram maior variação na forma, alcance e método de locomoção do que os pesquisadores pensavam anteriormente, de acordo com um comunicado da Universidade Flinders, no sul da Austrália.

A pesquisa foi publicada segunda-feira na revista Megataxa, baseia-se na descoberta de vários esqueletos fósseis completos por paleontólogos que trabalham no Lago Kalabuna, no sul da Austrália. Isto permitiu que uma equipe liderada por Isaac Kerr, paleontólogo da Universidade Flinders, respondesse a questões antigas sobre o Protymnodon.

Aaron Cummins/Universidade Flinders

Voluntários em uma escavação arqueológica no Lago Kalapuna, Sul da Austrália

Embora os fósseis de Protymnodon sejam bastante comuns na Austrália, a nossa compreensão destas criaturas tem sido dificultada pelo facto de os fósseis consistirem historicamente em ossos individuais, em vez de animais inteiros.

Embora os cangurus se parecessem um pouco com os que vemos hoje, eles eram mais atarracados e musculosos, segundo o comunicado.

As três espécies recém-descritas também podem ter saltado de maneiras diferentes e se adaptado para viver em ambientes diferentes, acrescentaram os pesquisadores.

Uma espécie – P. viator – pesava até 170 kg (375 lb), o que o tornava cerca de duas vezes mais pesado que o maior canguru vermelho macho que vive hoje.

Universidade Flinders

O principal autor do estudo, Isaac Kerr, é retratado com o fóssil de canguru.

Os maiores espécimes tinham mais de 2 metros (6,6 pés) de comprimento, disse Kerr à CNN na segunda-feira.

“Com seus pés estreitos, fêmures relativamente curtos e canelas longas, ele tinha proporções muito parecidas com as de um canguru vermelho e cinza vivo – projetado para pular com rapidez e eficiência”, disse ele.

“Isso poderia ter ajudado o animal a navegar entre fontes de alimento e água em seu habitat aberto e árido na Austrália central”, acrescentou.

Seu nome, “viator”, significa viajante ou viajante em latim, e Kerr disse à CNN que os cangurus provavelmente se moviam em grandes grupos conhecidos como “turbas”, como fazem os cangurus vermelhos e cinzas hoje.

“O principal predador foi provavelmente o Thylacoleo carnifex, o agora extinto leão marsupial”, acrescentou. “Mais ou menos do tamanho de um cachorro grande, Thylacoleo era um predador de emboscada que se pensava ter se especializado na caça de cangurus.”

As outras duas espécies recentemente descritas são P. mamkurra e P. dawsonae.

P. mamkurra teria sido quadrúpede, o que significa que se movia principalmente sobre quatro patas, em vez de saltar sobre duas, disse Kerr no comunicado.

“Um canguru grande, mas de ossos grossos e forte, pode ter se movido um tanto lento e inativo. Pode ter saltado apenas raramente, e talvez apenas quando assustado”, disse Kerr no comunicado.

Sabe-se relativamente menos sobre P. dawsonae porque há menos fósseis para os cientistas estudarem, mas pode ter sido um “funil de velocidade média”, disseram os pesquisadores.

O artigo também demonstra a extraordinária capacidade do Protymnodon de sobreviver em diversos ambientes.

“Os diferentes tipos de Protimnodonte “Sabe-se agora que eles habitam uma ampla variedade de habitats, desde a árida região central da Austrália até as montanhas de florestas pluviais da Tasmânia e da Nova Guiné”, disse Kerr no comunicado.

Cerca de 40.000 anos atrás, o Protymnodon foi extinto na Austrália continental, apesar das diferenças entre as diferentes espécies.

No entanto, esta extinção não afetou animais semelhantes, como os wallaroos e os cangurus cinzentos, por razões que os cientistas não compreendem totalmente.

A equipe espera que o estudo contribua para pesquisas futuras que expliquem, até certo ponto, por que isso acontece.

O próximo passo de Kerr é uma viagem à Papua Nova Guiné para realizar o que ele disse que serão as primeiras escavações em mais de 40 anos, disse ele à CNN.

“Há um tipo de Protymnodon presente na formação que iremos escavar, que é o Protymnodon otipandus, e espero obter um crânio completo desta espécie muito interessante”, disse.