Fevereiro 27, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Viktor Orban promete permanecer firme contra o financiamento da UE à Ucrânia

Viktor Orban promete permanecer firme contra o financiamento da UE à Ucrânia

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

Viktor Orban prometeu permanecer firme contra o bloqueio do pacote financeiro da União Europeia para a Ucrânia, dizendo que não será influenciado por ofertas de dinheiro ou ameaças de outros líderes numa cimeira de emergência no próximo ano.

O controverso líder húngaro vetou um pacote de ajuda de 50 mil milhões de euros durante quatro anos a Kiev na semana passada, deixando os líderes da UE lutando para encontrar alternativas, o que poderia exigir um procedimento complicado para enviar dinheiro sem a Hungria.

Falando na sua única conferência de imprensa internacional do ano, Orban disse que insistiria que a UE cumprisse quatro condições se os líderes quisessem avançar com o financiamento para a Ucrânia numa cimeira marcada para o início do próximo ano.

Orban exigiu que o pacote de financiamento fosse de dimensão modesta, fora do orçamento comum da UE, se estendesse por um ano em vez de quatro, e fosse concebido para isentar a Hungria de qualquer novo empréstimo conjunto da UE.

“Compromisso antecipado de dar à Ucrânia 50 mil milhões de euros [four] “Só nos restam anos de orçamento da UE, que não tem dinheiro para financiar isto, por isso impor novos empréstimos é uma má decisão”, disse Orbán. “Em vez disso, deveríamos fazer um bom.”

A União Europeia está a tentar desenvolver formas para os seus 26 Estados-membros apoiarem a Ucrânia numa base bilateral, caso a Hungria não esteja disposta a participar.

Orban deu a entender que esta seria a única forma de avançar na cimeira de emergência marcada para 1 de Fevereiro, acrescentando que não temia que os líderes da UE retaliassem contra ele, ameaçando suspender os direitos de voto na Hungria.

READ  Putin completa 70 anos na Rússia isolada e humilhada em meio a derrotas militares

Ele acrescentou: “O Tratado da UE é claro que tal medida só pode ser lançada no caso de uma violação sustentada do Estado de direito”. Mas a Comissão Europeia acabou de dizer. . . Nosso sistema judicial é sólido. “Eu não estou preocupado.”

A Comissão libertou na semana passada cerca de 10 mil milhões de euros em fundos, parte dos mais de 30 mil milhões de euros que tinham sido congelados devido a preocupações de longa data sobre o Estado de direito. Mas deixou mais de 20 mil milhões de euros retidos e Orban disse que o dinheiro ainda era “devido à Hungria”.

No entanto, Orbán disse que não recuaria na sua oposição à proposta de financiamento da Ucrânia, mesmo que o resto dos fundos fosse libertado. “Não se trata de dinheiro, trata-se das quatro condições que estabeleci”, disse ele.

Ele também afirmou que só concordou em deixar a UE iniciar negociações de adesão com a Ucrânia porque os chefes de Estado lhe lembraram na cimeira que a Hungria tinha dezenas de oportunidades futuras para bloquear o caminho da Ucrânia para a adesão.

“O que estamos nos preparando para fazer agora é errado. Passei oito horas em vão tentando convencer outros líderes disso”, disse Orbán. “Eles estão contra a Hungria agora, mas no final vencerão.”

Orban defendeu a decisão que tomou no início deste ano de manter conversações diretas com Vladimir Putin, dizendo que era “a coisa certa a fazer”, e também defendeu chamar a invasão da Ucrânia de uma “operação militar especial”.

Ele acrescentou: “É uma operação militar, pois nenhuma guerra foi declarada entre os dois países”. “Todos deveríamos estar contentes por não haver guerra, porque guerra significa recrutamento universal, o que não desejo a ninguém.”

READ  Biden enfrenta pressão crescente para apoiar um cessar-fogo em Gaza