Julho 12, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Um ex-funcionário de uma subcontratada da Boeing diz que relatar um problema com um 787 o fez ser demitido

Um ex-funcionário de uma subcontratada da Boeing diz que relatar um problema com um 787 o fez ser demitido

Um mecânico contratado pela Spirit AeroSystems, fornecedora de reparos de aeronaves da Boeing, em Everett, apresentou queixas aos reguladores, dizendo que testemunhou um trabalho abaixo do padrão em um Boeing 787 e foi demitido após relatar os problemas.

Os advogados apresentaram queixas à Administração Federal de Aviação e à OSHA em nome de Richard Cuevas, funcionário da Strom Aviation, contratada da Spirit AeroSystems.

Cuevas alega que, sem obter permissão da Boeing, a Spirit alterou as especificações de fabricação e montagem relativas à perfuração dos estabilizadores de pressão dianteira das aeronaves 787, de acordo com um comunicado de imprensa enviado pelo escritório de advocacia Katz Banks Komen. Isso poderia comprometer a potência e a pressão atmosférica dos aviões, diz Cuevas, que apresentou uma queixa inicial em outubro através da linha direta de ética da Boeing.

Na reclamação enviada ao administrador da FAA, Michael Whitaker, os advogados estão pedindo à FAA que investigue defeitos na antepara de pressão dianteira do 787, uma estrutura em forma de cúpula na seção frontal do avião.

A Boeing disse em comunicado na quarta-feira que as preocupações de Cuevas foram minuciosamente investigadas e que a análise de engenharia “determinou que as questões levantadas não representam preocupações de segurança e foram abordadas”. O comunicado não identificou Cuevas nominalmente.

“Estamos revisando os documentos divulgados hoje e investigaremos minuciosamente qualquer nova reclamação”, disse a Boeing no comunicado.

Cuevas começou a trabalhar no hangar da Boeing em Everett em março de 2023. Suas principais funções eram remover e substituir portas de carga em um Boeing 787 Dreamliner, e ele afirma ter visto problemas em três aviões.

Ele diz que a Spirit o transferiu para Wichita, Kansas, em setembro, para trabalhar em uma fábrica da Atlas, um dos fornecedores da Spirit. Enquanto estava em Wichita, Cuevas disse ter notado defeitos de fabricação, como o tamanho dos furos feitos na antepara de pressão frontal. Um mês depois, ele voltou a Everett para trabalhar na instalação de anteparas de pressão frontais em aviões e viu mais problemas, incluindo trabalhadores que tomavam atalhos para acelerar a produção, afirma.

Quando Cuevas expressou suas preocupações, de acordo com a denúncia, a Boeing e a Spirit estavam abordando o crescente escrutínio do incidente de 5 de janeiro em um voo da Alaska Airlines, no qual uma comissão explodiu um 737-9 MAX quando este embarcava em Portland. . O painel era um batente de porta usado para fechar um buraco na fuselagem, às vezes usado para acomodar uma saída de emergência.

Depois que Cuevas levantou as questões com a administração da Spirit e com a Boeing, segundo suas afirmações, ele foi demitido em março, no mesmo dia em que funcionários da FAA foram a um hangar da Boeing para realizar uma inspeção de conformidade.

A Boeing disse na quarta-feira que não está envolvida em decisões relacionadas à subcontratação de funcionários.

Nossa liderança está ciente dessas alegações e está investigando o assunto. “Encorajamos todos os funcionários da Spirit com preocupações a se manifestarem, seguros de que estarão protegidos”, escreveu o porta-voz da Spirit, Joe Buccino, por e-mail.

Strom, uma empresa de recrutamento de aviação com sede em Minnesota, não respondeu na quarta-feira aos pedidos de comentários.

Cuevas é representado pelos mesmos advogados que trabalharam para o engenheiro da Boeing, Sam Salehpour. No início deste ano, Salehpour testemunhou perante a Comissão de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado, acusando a Boeing de esconder riscos de segurança nos seus jatos 787 Dreamliner e 777 de fuselagem larga.

A Boeing insistiu que as lacunas na fuselagem do 787 não representavam um risco à segurança, uma afirmação apoiada por John Hart Smith, engenheiro aposentado da Boeing e técnico sênior que examinou os dados por trás das afirmações de Salehpour.

A Administração Federal de Aviação (FAA) está investigando o 787 Dreamliner depois que a empresa revelou em abril que funcionários da Carolina do Sul falsificaram registros de inspeção no trabalho onde as asas estavam presas à fuselagem. Esta investigação não tem nada a ver com o testemunho de Salehpour.