Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Um ataque iraniano a Israel pode ser mau para a guerra da Rússia na Ucrânia

Um ataque iraniano a Israel pode ser mau para a guerra da Rússia na Ucrânia

O presidente russo Vladimir Putin e o presidente iraniano Ebrahim Raisi realizam uma reunião em Teerã em 19 de julho de 2022.
Sergei Savostyanov/AFP/Getty Images

  • Um ataque iraniano a Israel pode afectar a guerra da Rússia na Ucrânia.
  • O Irão é um importante fornecedor de armas e parceiro económico da Rússia.
  • É também possível que um conflito mais amplo no Médio Oriente possa aumentar a influência regional da China à custa da Rússia.

O ataque iraniano de sábado a Israel não é apenas mau para o Médio Oriente, mas também para a guerra da Rússia na Ucrânia, à medida que surgem novas divisões entre Moscovo e Teerão.

Michelle Greset, pesquisadora sênior de políticas da Rand, Um centro de investigação americano descreveu num comentário como um conflito mais amplo no Médio Oriente poderia afectar a Rússia. O comentário foi publicado pela primeira vez em interesse nacional Magazine em 11 de abril – dias antes do Irã lançar mais de 300 drones e mísseis contra Israel em 13 de abril.

O artigo de Gherisi surgiu na sequência do ataque à embaixada iraniana em Damasco, na Síria, em 1 de abril. Israel não assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas o Irão responsabilizou-o e jurou vingança.

“Embora Moscovo esteja indiscutivelmente a beneficiar do caos no Médio Oriente – desviando a atenção e os recursos do Ocidente da Ucrânia – tem muito a perder se o conflito entre Israel e o Hamas se transformar numa guerra mais ampla”, escreveu Greset.

A Rússia tem trabalhado durante anos para se estabelecer como um actor militar e diplomático no Médio Oriente.

Moscou aproveitou a instabilidade na Síria Líbia Os Estados Unidos querem estabelecer-se como garantes da segurança regional, mas a escalada do conflito no Médio Oriente não terá o mesmo efeito, escreveu Greset.

Isto acontece em parte porque Moscovo está preocupado com a guerra na Ucrânia, escreveu Gracey. A parceria da Rússia com o Irão também se aprofundou nos últimos dois anos, à medida que a economia russa, sob pesadas sanções, se tornou cada vez mais isolada.

O Irão é agora considerado um importante fornecedor militar da Rússia. que “Frota Fantasma” iraniana. Também tem transportado petróleo russo por todo o mundo desde o início da guerra na Ucrânia, mantendo as receitas do petróleo fluindo para Moscovo.

Contudo, se o Irão se envolver num conflito mais amplo, não será capaz de fornecer o mesmo nível de apoio à Rússia.

“Um conflito regional mais amplo, especialmente se envolver um conflito direto entre Israel e o Irão, limitaria a capacidade do Irão de continuar a servir como fornecedor militar da Rússia”, escreveu Greset.

Ela acrescentou: “Teerã pode solicitar mais apoio quando a capacidade da Rússia de fornecê-lo for limitada”.

o Grupo dos Sete países ou G7 Já está a considerar impor sanções adicionais ao Irão na sequência do seu ataque a Israel, o que pode acontecer Extensão e propagação para Rússia.

“Consideraremos a imposição de sanções adicionais ao Irão em estreita cooperação com os nossos parceiros, especificamente em relação aos seus programas de drones e mísseis”, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, num comunicado no domingo.

Um conflito mais amplo no Médio Oriente poderia fortalecer a influência da China na região às custas de Moscovo

Embora a Rússia esteja preocupada com a guerra na Ucrânia, o Presidente Vladimir Putin ainda conseguiu posicionar-se como um potencial intermediário de poder no Médio Oriente no meio da guerra entre Israel e o Hamas.

Mas o plano de Putin pode ruir se a guerra se espalhar para uma área regional, uma vez que Pequim também está a competir para desempenhar o papel de pacificador.

“A Rússia será particularmente sensível às tentativas chinesas de usurpar a sua influência no Médio Oriente”, escreveu Greset no seu comentário.

Isto é especialmente verdade porque Pequim conseguiu alcançar resultados em Março de 2023, intermediando uma distensão entre a Arábia Saudita e o Irão, acrescentou Greset.

Dado que a economia fortemente sancionada da Rússia já depende da China, ficará mais vulnerável aos caprichos de Pequim se Moscovo não conseguir agarrar-se a qualquer influência global de que ainda desfruta.

em declaração de domingo, O Ministério das Relações Exteriores da Rússia expressou a sua “profunda preocupação” com o que descreveu como “outra escalada perigosa” na região.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia pediu moderação e disse que espera que os países da região “resolvam os problemas existentes por meios políticos e diplomáticos”.