Maio 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Biden recebe líder iraquiano depois que ataque iraniano a Israel cria mais incerteza no Oriente Médio

Biden recebe líder iraquiano depois que ataque iraniano a Israel cria mais incerteza no Oriente Médio

WASHINGTON (AP) – O presidente Joe Biden elogiou o “esforço militar sem precedentes para defender Israel” na segunda-feira, ao receber o líder iraquiano na Casa Branca e sua administração pretende evitar uma próxima escalada de hostilidades no Oriente Médio. Ataque iraniano neste fim de semana.

O primeiro-ministro iraquiano, Muhammad Shiaa al-Sudani, visitou a Casa Branca para conversações destinadas a centrar-se principalmente nas relações EUA-Iraque, que foram agendadas muito antes dos ataques iranianos. Mas os lançamentos de drones e mísseis de sábado, incluindo alguns que sobrevoaram o espaço aéreo iraquiano e outros lançados por grupos apoiados pelo Irão a partir do Iraque, realçaram a relação sensível entre Washington e Bagdad.

O forte aumento das tensões regionais acabou A guerra de Israel em Gaza Os acontecimentos do fim de semana levantaram mais questões sobre a viabilidade da presença militar dos EUA no Iraque durante duas décadas. No entanto, uma bateria Patriot dos EUA em Erbil, no Iraque, derrubou pelo menos um míssil balístico iraniano, segundo autoridades dos EUA, um das dezenas de mísseis e drones destruídos pelas forças dos EUA ao lado dos esforços israelenses para derrotar o ataque.

Falando no início da reunião no Salão Oval, Biden sublinhou que os Estados Unidos continuam “comprometidos com a segurança de Israel”.

Biden disse a Al-Sudani: “A nossa parceria é fundamental para o nosso país, o Médio Oriente e o mundo”, enquanto o líder iraquiano observou que a discussão surge num “momento delicado”.

Durante a sua reunião com o vice-primeiro-ministro iraquiano, Muhammad Ali Tamim, antes da sessão de Biden com Al-Sudani, o secretário de Estado Anthony Blinken disse que os Estados Unidos instam todas as partes a evitarem a escalada.

Ele acrescentou: “Durante as 36 horas seguintes, coordenamos uma resposta diplomática num esforço para evitar a escalada”. “Força e sabedoria deveriam ser dois lados diferentes da mesma moeda.”

Tamim disse que o governo iraquiano está igualmente preocupado.

Ele disse: “Hoje o Médio Oriente está a viver circunstâncias excepcionais que têm repercussões nos nossos países, e esperamos que a escalada e as tensões na região parem”.

Para complicar ainda mais a situação, os representantes iranianos iniciaram ataques contra os interesses americanos em toda a região, a partir do Iraque. Estes ataques em curso tornaram ainda mais importantes as discussões entre os Estados Unidos e o Iraque sobre a estabilidade regional e o futuro envio de tropas dos EUA.

As conversações de segunda-feira também se concentrarão em questões económicas, comerciais e energéticas, que se tornaram uma grande prioridade para o governo iraquiano. Biden elogiou os sudaneses pelo fortalecimento da economia iraquiana.

O líder iraquiano também instou Biden a trabalhar para um fim rápido da guerra entre Israel e o Hamas em Gaza, que entrou agora no seu sétimo mês, dizendo que o diálogo económico não pode ignorar as necessidades humanitárias na região. Por sua vez, Biden disse que os Estados Unidos estão “comprometidos com um cessar-fogo que devolverá os reféns à sua terra natal e evitará a propagação do conflito”.

Os Estados Unidos e o Iraque começaram Conversas formais em janeiro Ao encerrar a coligação criada para ajudar o governo iraquiano a combater o ISIS, com cerca de 2.000 soldados americanos a permanecerem no país ao abrigo de um acordo com Bagdad. As autoridades iraquianas têm apelado periodicamente à retirada dessas forças.

Os dois países têm uma relação sensível, em parte devido à influência significativa do Irão no Iraque, onde uma coligação de grupos apoiados pelo Irão levou os sudaneses ao poder em Outubro de 2022.

Os Estados Unidos instaram o Iraque nos últimos meses a fazer mais para evitar ataques às bases dos EUA no Iraque e na Síria, que desestabilizaram ainda mais o Médio Oriente após o ataque do Hamas a Israel em 7 de Outubro. Os ataques do Irão no fim de semana a Israel através do espaço aéreo iraquiano realçaram as preocupações dos EUA, embora Al-Sudani já tivesse deixado Bagdad e estivesse a caminho de Washington quando os drones e mísseis foram lançados.

Os Estados Unidos também têm Procurou exercer pressão financeira Em relação à relação de Bagdad com Teerão, e à restrição do acesso do Iraque aos seus próprios dólares, numa tentativa de eliminar o branqueamento de capitais que supostamente beneficia o Irão e a Síria.

A maioria dos anteriores primeiros-ministros iraquianos visitou Washington no início do seu mandato. A visita de Al-Sudani foi adiada devido às tensões entre os Estados Unidos e o Irão e à escalada regional, incluindo a guerra em Gaza e a morte de três soldados americanos na Jordânia num ataque de drone no final de Janeiro. Isto foi seguido por um ataque americano que resultou na morte de um comandante da milícia Kataib Hezbollah, a quem Washington acusou de planear e participar em ataques às forças americanas.

Al-Sudani tentou manter um equilíbrio entre o Irão e a América, apesar de ser visto como próximo de Teerão e apesar de vários incidentes que colocaram o seu governo numa posição embaraçosa face a Washington.

No início do seu mandato, o cidadão americano Stephen Edward Truell foi baleado e morto por homens armados que o abordaram quando ele parava na rua onde vivia com a sua família, no distrito de Karrada, no centro de Bagdad. Um tribunal criminal iraquiano condenou cinco homens em Agosto passado e sentenciou-os à prisão perpétua no caso, que as autoridades descreveram como um rapto que correu mal.

Depois de vários meses, Elizaveta Tsurkov, um estudante de doutorado russo-israelense na Universidade de Princeton, foi sequestrado enquanto conduzia pesquisas no Iraque. Acredita-se que ela esteja detida pelo Kataib Hezbollah. O alto funcionário americano disse que a questão de Tsurkov também seria levantada durante a visita de Al-Sudani.

Al-Sudani começou o seu mandato com promessas de se concentrar no desenvolvimento económico e no combate à corrupção, mas o seu governo enfrentou dificuldades económicas, incluindo a discrepância nas taxas de câmbio oficiais e de mercado entre o dinar iraquiano e o dólar americano.

Os problemas cambiais resultaram, em parte, do facto de os Estados Unidos terem restringido o fornecimento de dólares ao Iraque, como parte da repressão ao branqueamento de capitais e ao contrabando de dinheiro para o Irão. Os Estados Unidos impediram que mais de 20 bancos iraquianos negociassem dólares como parte da campanha.

O governo sudanês renovou recentemente o contrato do Iraque para a compra de gás natural ao Irão por mais cinco anos, o que pode aumentar a insatisfação americana.

O primeiro-ministro iraquiano regressará ao Iraque e reunir-se-á com o presidente turco após a sua viagem a Washington, o que poderá finalmente levar a uma resolução da disputa de longa data sobre as exportações de petróleo das regiões curdas do Iraque para a Turquia. Washington está tentando retomar o fluxo de petróleo.

___

Narrado por Abdul Zahra de Bagdá. Eric Tucker e Josh Boak em Washington contribuíram.