Julho 16, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Primeiro-ministro de Portugal tranquiliza investidores que renunciaram em meio a investigação de corrupção

Primeiro-ministro de Portugal tranquiliza investidores que renunciaram em meio a investigação de corrupção

O primeiro-ministro de Portugal e secretário-geral do Partido Socialista (PS) Antonio Costa observa depois de vencer as eleições gerais de 31 de janeiro de 2022 em Lisboa, Portugal. REUTERS/Pedro Nunes/Foto de arquivo Obtenha direitos de licença

LISBOA (Reuters) – O primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa, que renunciou esta semana, disse a investidores estrangeiros no sábado que o país estava aberto para negócios e queria permanecer atraente, apesar de uma investigação de corrupção em projetos de energia “verde”.

Costa renunciou na terça-feira em meio a uma investigação sobre o suposto manejo ilegal de projetos de lítio e hidrogênio e de um data center de grande escala por seu governo. O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa convocou eleições para 10 de março. Costa nega irregularidades.

O projeto do data center, StartCampus, tem sido considerado “um dos maiores investimentos diretos estrangeiros em Portugal nas últimas décadas”. Afonso Salema, CEO do projecto, estava entre os detidos no âmbito da investigação em curso. Ele nega qualquer irregularidade.

O governo está alegadamente a interferir nos planos da Savannah Resources, com sede em Londres, de construir quatro minas de lítio a céu aberto no norte de Portugal. A empresa disse que está cooperando com as autoridades, mas nem a empresa nem seus funcionários são alvos da investigação.

Os projetos de lítio enfrentaram forte oposição de residentes locais e ambientalistas. Afirmam que os processos carecem de transparência e alertam para a “prostituição perigosa” entre os decisores e as empresas mineiras.

Temendo que os últimos desenvolvimentos pudessem ter impacto no investimento estrangeiro no país, Costa dirigiu-se aos investidores pela televisão para os tranquilizar, dizendo que as autoridades do país estavam a cumprir as regras e tinham controlos fortes.

“Quero dizer a todos aqueles que acreditam em investir em Portugal, hoje e sempre, o investimento empresarial é desejado, bem-vindo e bem recebido”, disse Costa.

Disse também que uma das prioridades do seu governo é “eliminar a burocracia… no estrito respeito da lei” para implementar programas de interesse nacional.

Outro funcionário do governo apontado como suspeito formal na investigação é o ministro das Infraestruturas de Costa, João Calamba, que anteriormente atuou como secretário de Energia. Costa reunir-se-á com o presidente na terça-feira para discutir o futuro de Calamba.

O chefe de gabinete de Costa, Vitor Escaria, também foi detido. As autoridades encontraram perto de 76 mil euros em dinheiro escondidos no gabinete do primeiro-ministro localizado na sua residência oficial. Seu advogado disse que o dinheiro não era ilegal.

“A apreensão de envelopes com dinheiro no gabinete da pessoa que elegei dói-me… envergonha-me perante os portugueses e tenho a obrigação de pedir desculpa”, disse Costa.

Relatório de Katerina Demoni; Edição de David Gregório

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Repórter multimédia baseado em Portugal que cobre política, economia, ambiente e notícias diárias. Experiência anterior em jornalismo local no Reino Unido. Foi cofundador de um projeto que conta histórias de falantes de português que vivem em Londres e editou um site de notícias liderado por jovens.