Fevereiro 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Pesquisadores americanos disseram que um míssil chinês equipado com uma “carga secreta” colidiu com a Lua, criando duas crateras.

Pesquisadores americanos disseram que um míssil chinês equipado com uma “carga secreta” colidiu com a Lua, criando duas crateras.



Pesquisadores americanos revelaram que um pedaço de um míssil chinês que colidiu com a superfície da Lua em março de 2022 carregava uma carga não convencional ou secreta.

O estudo, publicado no Planetary Science Journal, identificou estes detritos espaciais como um componente da nave experimental Chang’e-5 T-1.

Lançado em outubro de 2014 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, no sudoeste da China, o estágio superior do foguete deixou uma distinta cratera dupla na superfície da Lua, indicando a presença de carga adicional não detectada, de acordo com o estudo.

Tanner Campbell, primeiro autor do estudo e estudante de doutorado na Universidade do Arizona, Destaque Anomalias no comportamento do míssil. Normalmente, seria de esperar que o corpo do foguete apresentasse alguma oscilação devido à sua estrutura assimétrica.

No entanto, o movimento de queda observado foi descrito como “de ponta a ponta” e notavelmente estável. Campbell explicou que esta estabilidade indica a presença de uma grande massa na extremidade superior do foguete.

A espaçonave Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA capturou esta imagem da cratera dupla deixada pelo estágio errante do foguete quando ele impactou a superfície lunar perto da cratera Hertzsprung. O local do impacto se estende por cerca de 92 pés em sua dimensão mais longa. A barra de escala equivale a 164 pés. NASA/GSFC/Universidade Estadual do Arizona

Esta massa equilibra os motores pesados ​​abaixo, que pesam cerca de 544 kg (1.200 lb) sem combustível. Embora as duas ferramentas conhecidas no impulsionador pesem apenas cerca de 27 kg, os investigadores notaram a simetria incomum da cratera dupla resultante.

Fazendo uma comparação com as missões Apollo, que direcionaram intencionalmente restos de foguetes para a Lua para pesquisa, Campbell observou que tais missões produziam depressões redondas ou retangulares, e nunca uma cratera dupla de igual tamanho.

Campbell reconheceu a incerteza inerente à misteriosa carga útil, levantando uma série de explicações possíveis, que vão desde estruturas de suporte adicionais a hardware suplementar ou a inclusão de itens completamente desconhecidos.

READ  Esta é a dieta básica saudável da qual você não está se alimentando o suficiente, de acordo com especialistas

No entanto, ele reconheceu que revelar a natureza exata desta carga pode permanecer um mistério permanente.

Estas descobertas lançam luz sobre a complexa dinâmica dos detritos espaciais e abrem novos horizontes para a detecção de restos de missões espaciais impressos em corpos celestes. O relatório também enfatiza a importância do monitoramento ativo de hardware espacial obsoleto.

Missão chinesa Chang’e-5 T-1

A missão Chang’e-5 T-1, projetada como precursora da mais famosa missão Chang’e-5 de 2020, que devolveu com sucesso amostras lunares à Terra, foi lançada em 2014.

Cinco meses após o lançamento desta missão preparatória, os astrônomos identificaram um pedaço de lixo espacial não atribuído chamado WE0913A em 2015.

Este ser celestial, primeiro descobridor A lua, que foi conduzida por astrônomos do Catalina Sky Survey Project, ganhou destaque em janeiro de 2022, quando o rastreador americano de detritos espaciais Bill Gray previu que ela colidiria com o lado oculto da lua dentro de meses.

Foi inicialmente pensado para ser o segundo estágio do foguete Falcon 9 de Elon Musk da SpaceX de Elon Musk, mas observações subsequentes e análises de dados orbitais indicaram uma conexão com o foguete chinês Chang’e 5-T1.

Por outro lado, as autoridades chinesas questionaram esta ligação e alegaram que o míssil se desintegrou na atmosfera da Terra há anos.

foto
A sonda lunar Chang’e-5 da China foi lançada com sucesso em 24 de novembro de 2020, que mais tarde devolveu 1.731 gramas de amostras lunares à Terra e tornou a China o terceiro país do mundo capaz de realizar uma missão de amostragem lunar. Twitter

Entretanto, imagens obtidas pela Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) da NASA também revelaram um desenvolvimento inesperado no local do acidente: não apenas uma, mas duas crateras sobrepostas na Cratera Hertzsprung, no outro lado da Lua.

Este fenômeno levantou sobrancelhas, pois de acordo com a Universidade Estadual do Arizona, pelo menos 47 objetos de foguetes da NASA já colidiram com a Lua, mas nenhum deles produziu uma cratera dupla.

READ  Repetir o sinal de rádio leva os astrônomos a um exoplaneta do tamanho da Terra

NASA em junho de 2022 eu confesso A natureza inesperada deste buraco duplo abre caminho para uma curiosidade acrescida. Para desvendar o mistério que envolve o WE0913A, os investigadores examinaram o seu comportamento durante o voo e as características das crateras que deixou para trás.

Ao examinar de perto como a luz solar se reflecte nos detritos à medida que cai no espaço, e ao comparar estas observações com simulações, os investigadores identificaram uma semelhança notável com o foguetão Chang’e 5-T1.

“Esta é a primeira vez que vemos um buraco duplo”, disse Campbell. “Sabemos que no caso da Chang’e 5 T1, o seu impacto foi quase direto, e para obter estas duas crateras que têm aproximadamente o mesmo tamanho, são necessárias duas massas aproximadamente iguais e distantes uma da outra.”

Embora WE0913A represente o primeiro caso de colisão não intencional de detritos espaciais com a Lua, a colisão de satélites feitos pelo homem com a superfície lunar não é inédita.

Em 2009, a NASA bateu intencionalmente uma cratera lunar de 5.600 mph (9.000 km/h) no pólo sul da lua.

Este efeito deliberado criou uma pluma que tornou mais fácil para os cientistas detectarem assinaturas químicas que indicam a presença de água gelada. Além disso, como parte de seu método de descarte, a NASA apontou os foguetes Saturno V do programa Apollo para a Lua.