Julho 16, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os mercenários de Wagner devem jurar lealdade à Rússia – Putin

Os mercenários de Wagner devem jurar lealdade à Rússia – Putin

O presidente Vladimir Putin apelou a todos os funcionários da Wagner e de outros empreiteiros militares russos privados para prestarem juramento de lealdade ao Estado russo.

O decreto aplica-se a qualquer pessoa que participe em atividades militares na Ucrânia, auxilie o exército e sirva em unidades de defesa territorial.

O decreto foi assinado na sexta-feira para entrar em vigor imediatamente.

Isso acontece dois dias depois que os líderes do Wagner morreram em um acidente de avião.

Num desenvolvimento separado, uma subunidade de extrema direita do Wagner, conhecida como Rosic, disse no sábado que tinha interrompido as operações militares na Ucrânia.

Numa publicação no Telegram, Rosich acusou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia de não proteger o membro fundador do grupo, Jan Petrovski, que foi preso na Finlândia por violação de visto e enfrenta extradição para a Ucrânia.

Analistas apontam que o decreto de Putin faz parte das tentativas de reafirmar a sua autoridade após a Rebelião de Wagner, em junho.

Natia Sescoria, do Royal United Services Institute, um think tank em Londres, disse à BBC: “Putin quer colocar um controle mais rígido sobre Wagner para garantir que ele não enfrente outra crise no futuro”.

O decreto surge num momento em que os mercenários de Wagner não têm um líder claro, depois de um avião que supostamente transportava Yevgeny Prigozhin e outros comandantes ter caído na quarta-feira, matando todas as 10 pessoas a bordo.

O decreto, descrito pelo decreto como um passo para construir as bases espirituais e morais da defesa da Rússia, inclui a promessa de seguir rigorosamente as ordens dos comandantes.

“É uma mensagem oculta para a inteligência militar encontrar e processar os combatentes do Wagner”, disse Petro Borkowski, chefe da Fundação para Iniciativas Democráticas, um think tank com sede na Ucrânia, à BBC.

É uma mensagem clara também para os combatentes, sugere ele: “Ou vocês xingam e ficam com a arma ou desarmam. Obedeçam ou irão para a cadeia.”

Algumas semanas antes da revolta fracassada de Prigozhin em Junho, o Ministério da Defesa russo deu aos grupos mercenários até 1 de Julho para assinarem contratos militares.

Prigozhin recusou-se a assinar porque não queria que Wagner trabalhasse sob a supervisão do ministério. Putin apoiou o plano de contratar o ministério, o que foi o primeiro golpe público contra o seu aliado de longa data, Prigozhin.

A disputa aumentou, levando à rebelião de Prigozhin.

Mas que efeito o decreto teria sobre os combatentes do Wagner sem um líder claro?

E Borkovsky acredita que, sendo soldados experientes, são bons trunfos para os militares russos.

“Eles escolheram Wagner porque Wagner lhes deu tratamento especial, sem a burocracia do enorme exército russo. Se eles recebem tratamento especial sob as ordens de Putin, não acho que eles se importem onde lutam, por quem e por quem.”

A Sra. Siscoria acredita que embora o decreto possa ter efeito a curto prazo, há apoiantes leais de Prigozhin que não prestarão juramento.

“Isso poderia criar problemas para Putin no longo prazo”, diz ele.

Enquanto isso, as defesas aéreas russas impediram ataques de drones nas regiões de Moscou e Belgorod na manhã de sábado, disseram autoridades.

Na região de Belgorod, que faz fronteira com a Ucrânia, quatro pessoas ficaram feridas no bombardeio, segundo um governador local.

O governo ucraniano nunca admitiu publicamente a realização de ataques dentro da Rússia.

E na Ucrânia, duas pessoas morreram e outra ficou feridas quando a Rússia bombardeou uma aldeia ucraniana perto da cidade de Kobyansk, no nordeste do país, disse o governador da região de Kharkiv.