Fevereiro 27, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os federais dizem que os motores Cummins enganaram sistematicamente os controles de qualidade do ar

Os federais dizem que os motores Cummins enganaram sistematicamente os controles de qualidade do ar

O Departamento de Justiça dos EUA multou uma fabricante de motores com sede em Indiana em US$ 1,675 bilhão em um acordo que afirma que a empresa violou a Lei Federal do Ar Limpo.

A administração afirma que a Cummins Inc. Instalou dispositivos que podem ignorar sensores de emissões em 630 mil motores de picapes RAM, De acordo com um comunicado de imprensa na sexta-feira. A enorme sanção financeira é a maior violação desde que a lei foi aprovada em 1963 para proteger a qualidade do ar do país.

O procurador-geral Merrick B. escreveu: Garland: “Os tipos de dispositivos que alegamos que a Cummins instalou em seus motores para contornar as leis ambientais federais têm um impacto significativo e prejudicial na saúde e segurança das pessoas.” Ele disse que os motores Cummins causaram emissões excessivas de óxidos de nitrogênio, que podem causar asma e infecções respiratórias.

A empresa concordou em pagar uma multa de US$ 1,675 bilhão aos Estados Unidos e ao estado da Califórnia para resolver as reclamações, segundo o Departamento de Justiça. Essa pena é a segunda maior penalidade ambiental da história do país, segundo o Ministério da Justiça.

John Mills, porta-voz da Cummins Inc., disse em um e-mail ao USA TODAY que a empresa não admite irregularidades e diz que ninguém na empresa agiu de má fé.

“A empresa cooperou totalmente com os reguladores relevantes, já abordou muitas das questões envolvidas e espera obter certeza quando concluir este longo assunto”, disse um comunicado de imprensa da empresa.

Por que o Departamento de Justiça está punindo a Cummins Inc.?

supostamente Ela instalou dispositivos manipuladores nos motores de centenas de milhares de picapes RAM 2.500 e 3.500 de 2013 a 2019, de acordo com o Departamento de Justiça. O Departamento de Justiça também afirma que a empresa instalou dispositivos manipuladores nos motores de 330 mil novas picapes RAM.

READ  O S&P 500 terminou perto de uma baixa de dois anos, com o mercado em baixa se aprofundando

Dispositivos manipuladores são hardware ou software usados ​​em veículos para enganar testes de poluição do ar ou contornar controles de emissões.

A empresa disse que desde então fez recall desses caminhões. Ela também “iniciou recalls dos anos modelo 2013 a 2018 de caminhões RAM 2500 e 3500 e acumulou anteriormente um total de US$ 59 milhões em custos estimados para implementar esses e outros recalls relacionados”, de acordo com um comunicado de imprensa da empresa na sexta-feira.

Efeitos da poluição veicular na saúde

De acordo com Agência de Proteção Ambiental dos EUAAltas emissões de óxidos de nitrogênio, ou poluentes veiculares, podem atingir o ar a partir das emissões dos veículos e da queima de combustível.

Segundo a agência, essas emissões “podem irritar os brônquios respiratórios humanos”.

Segundo a agência, “essa exposição de curto prazo pode agravar doenças respiratórias, especialmente asma, resultando em sintomas respiratórios (como tosse, chiado no peito ou dificuldade em respirar), hospitalização e visitas a pronto-socorros”. “Exposição mais longa a concentrações elevadas de NO2 “Pode contribuir para o desenvolvimento de asma e aumentar a suscetibilidade a infecções respiratórias”.

O que é a Lei do Ar Limpo?

A Lei do Ar Limpo é uma lei federal destinada a “proteger e melhorar a qualidade do ar e a camada de ozônio estratosférico do país”. De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

O Congresso aprovou a lei pela primeira vez em 1963 e muitas mudanças importantes e menores foram feitas desde a sua criação. O papel da EPA é fazer cumprir a lei.

Comunidades que enfrentam poluição do ar Você poderia obter alívio se a EPA propusesse novas regras para fábricas de produtos químicos

Entre em contato com Kayla Jimenez em kjimenez@usatoday.com. Siga-a no X, antigo Twitter, em @kaylajjimenez.