Fevereiro 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O governo britânico planeia ignorar parte da lei de direitos humanos do Reino Unido para relançar o esquema de asilo do Ruanda

O governo britânico planeia ignorar parte da lei de direitos humanos do Reino Unido para relançar o esquema de asilo do Ruanda

LONDRES – O governo britânico publicou na quarta-feira legislação que lhe permite ignorar parte da lei de direitos humanos do Reino Unido para enviar requerentes de asilo num voo só de ida para o Ruanda.

O projecto de lei faz parte dos planos do governo para superar uma proibição imposta pelo Supremo Tribunal do Reino Unido à sua política em relação ao Ruanda. O tribunal decidiu no mês passado que o plano era ilegal porque o Ruanda não era um país seguro para refugiados.

Desde então, a Grã-Bretanha e o Ruanda assinaram um tratado comprometendo-se a reforçar a protecção dos migrantes. O governo do Reino Unido afirma que isto lhe permitirá aprovar uma lei que declara Ruanda um destino seguro.

O Ministro do Interior, James Cleverly, disse que a Lei de Segurança do Ruanda “deixaria absolutamente claro na lei do Reino Unido que o Ruanda é um país seguro”. Ele instou os legisladores no Parlamento a aprovarem a legislação, mesmo que esta possa violar as regras internacionais de direitos humanos.

O governo diz que a lei lhe permitirá “rejeitar” secções da lei de direitos humanos do Reino Unido quando se trata de pedidos de asilo relacionados com o Ruanda.

Na primeira página do projeto de lei, Cleverley afirma que não pode garantir a sua conformidade com a Convenção Europeia dos Direitos Humanos, mas que os legisladores devem aprová-lo de qualquer maneira.

O projecto de lei, que deverá ser apresentado ao Parlamento na quinta-feira, deverá enfrentar resistência por parte dos legisladores centristas do Partido Conservador, no poder, que se opõem à violação por parte do Reino Unido das suas obrigações em matéria de direitos humanos.

READ  A polícia disse que 31 pessoas ficaram feridas enquanto andavam em Legoland, na Alemanha

Também poderia irritar alguns membros da ala autoritária do partido, que querem que o Reino Unido vá mais longe e abandone completamente o acordo de direitos da UE. Os únicos dois países que se retiraram do acordo de direitos são a Rússia – que foi expulsa após a invasão da Ucrânia – e a Bielorrússia.

O plano do Ruanda é fundamental para o objectivo auto-imposto pelo governo conservador de impedir que requerentes de asilo não autorizados cheguem em pequenos barcos através do Canal da Mancha.

A Grã-Bretanha e o Ruanda chegaram a um acordo em Abril de 2022 para enviar alguns migrantes que atravessam o Canal da Mancha para o Ruanda, onde os seus pedidos de asilo serão processados ​​e, se aceites, permanecerão. O governo do Reino Unido afirma que as deportações irão desencorajar outros de fazer a arriscada travessia marítima e quebrar o modelo de negócio das gangues de contrabando de pessoas.

Os críticos dizem que enviar migrantes para um país a 6.400 quilómetros (4.000 milhas) de distância é antiético e impraticável, sem qualquer possibilidade de eles se estabelecerem no Reino Unido.

Ninguém ainda foi enviado para Ruanda no âmbito do plano, que enfrentou vários desafios legais. A nova lei, se aprovada, tornaria mais difícil contestar as ordens de deportação nos tribunais.