Julho 16, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O banco central chinês reduz a principal taxa de juros sobre empréstimos bancários

O banco central chinês reduz a principal taxa de juros sobre empréstimos bancários

As ações caíram na China e a moeda caiu na segunda-feira, depois que o banco central do país anunciou um corte menor do que o esperado em sua principal taxa de juros.

Muitos investidores e economistas esperavam que Pequim agisse de forma mais decisiva sobre as taxas de juros enquanto a China lutava com a queda dos preços das casas, gastos fracos do consumidor e amplos problemas de dívida.

O banco central, o Banco do Povo da China, cortou apenas um décimo de ponto percentual da taxa de juros de referência de um ano usada para a maioria dos empréstimos corporativos, sem nenhuma alteração na taxa de cinco anos usada para precificar hipotecas. A ligeira redução nos empréstimos por um ano é a segunda vez em dois meses que o governo reduz as taxas de empréstimos dos bancos comerciais.

Economistas disseram que o tamanho modesto do corte de segunda-feira foi o mais recente sinal de que as ferramentas usuais do governo para enfrentar uma desaceleração econômica podem ter perdido parte de sua eficácia.

“Isso fornecerá apenas um suporte modesto ao crescimento do crédito e à atividade econômica mais ampla”, disse a Capital Economics, uma empresa de pesquisa de Londres, em nota.

Os bancos de investimento internacionais foram rápidos em reduzir suas previsões para o crescimento da economia chinesa, que Pequim pretende atingir este ano em “cerca de 5 por cento”. O UBS anunciou na segunda-feira, pouco antes do corte de juros, que reduziria suas projeções de crescimento para 4,8% neste ano e 4,2% no ano que vem. O japonês Nomura está mais pessimista, prevendo na última sexta-feira que o crescimento será de 4,6 por cento este ano, mantendo sua previsão para o próximo ano em 3,9 por cento.

O índice CSI 300 de grandes empresas chinesas negociadas em Xangai e Shenzhen caiu 1,4 por cento na segunda-feira, enquanto o índice Hang Seng em Hong Kong, que também inclui muitas grandes empresas chinesas, caiu 1,8 por cento, para o nível mais baixo desde novembro. O índice Hang Seng caiu por sete sessões consecutivas e caiu mais de 12 por cento em agosto.

O renminbi encerrou a segunda-feira abaixo de 7,3 por dólar nas negociações de Xangai, nível que o governo chinês tentou manter em novembro passado, quando a moeda estava em seu nível mais fraco desde 2007. Caiu ainda mais na segunda-feira em Hong Kong, onde as negociações estão menos apertadas controlada. Demorou mais de 7.335 RMB para comprar 1 dólar lá no meio da tarde.

As autoridades de Pequim usam as reservas de caixa do país e os bancos controlados pelo Estado para comprar e vender moedas em um esforço para limitar os movimentos do valor do renminbi em relação ao dólar.

O renminbi subitamente se recuperou ligeiramente nos últimos minutos das negociações em Xangai e Hong Kong. O governo chinês tem um longo histórico de intervenção nos mercados de câmbio no final dos pregões para evitar que os preços de fechamento apresentem mudanças bruscas.

Como resultado, muitos investidores veem os movimentos diários do renminbi, também conhecido como yuan, como uma verdadeira medida de seu valor.

“O comércio intradiário mostra a direção que o mercado quer que o yuan tome, e o fechamento provavelmente mostrará a ação do governo”, disse Diana Chuileva, economista-chefe da Enodo Economics em Londres.

O corte na taxa de juros anunciado na segunda-feira teve como objetivo tornar um pouco mais acessível para empresas e famílias tomar empréstimos e fazer pagamentos de empréstimos existentes. Mas o impacto total do corte pode ser adiado porque as taxas de juros da maioria dos empréstimos são redefinidas anualmente, geralmente no início de cada ano.

O banco central, em consulta com bancos comerciais controlados pelo Estado, reduziu a taxa de juros de referência de um ano para empréstimos corporativos de 3,55% para 3,45%. A taxa de juro de referência para empréstimos a cinco anos manteve-se em 4,2%.

Uma pesquisa da Reuters na semana passada com 35 economistas mostrou que todos eles esperavam que o banco central cortasse as taxas de juros em empréstimos de cinco anos, bem como empréstimos de um ano.

Na semana passada, o banco central cortou os custos de empréstimos para os bancos comerciais em 0,15 pontos percentuais. Ao fazer um corte mais modesto na taxa de empréstimo de um ano e deixar a taxa de cinco anos inalterada, os formuladores de políticas estavam, na verdade, ampliando as margens de lucro dos bancos.

Os bancos comerciais chineses emprestaram grandes quantias nos últimos anos para incorporadoras e compradores de imóveis – os mesmos grupos duramente atingidos pelo colapso imobiliário da China.

Mais de 50 desenvolvedores deixaram de pagar ou pararam de pagar títulos offshore. A Country Garden tornou-se a maior incorporadora do país em dificuldades financeiras, com cerca de US$ 200 bilhões em contas não pagas.

A contabilidade opaca do sistema financeiro controlado pelo Estado da China tornou difícil para quem está de fora discernir a escala das perdas dos bancos relacionadas ao setor imobiliário. Margens de lucro mais amplas em empréstimos poderiam ajudar os bancos a acumular mais reservas para compensar essas perdas.